Arrependimento, perdão, fé e salvação.

“Convidado por um dos fariseus para jantar, Jesus foi à casa dele e reclinou-se à mesa.

Ao saber que Jesus estava comendo na casa do fariseu, certa mulher daquela cidade, uma ‘pecadora’, trouxe um frasco de alabastro com perfume e se colocou atrás de Jesus, a seus pés. Chorando, começou a molhar-lhe os pés com suas lágrimas. Depois os enxugou com seus cabelos, beijou-os e os ungiu com o perfume.

Ao ver isso, o fariseu que o havia convidado disse a si mesmo: ‘se este homem fosse profeta, saberia quem nele está tocando e que tipo de mulher ela é: uma ‘pecadora’ ‘.

Então lhe disse Jesus: ‘Simão, tenho algo a lhe dizer’.

‘Dize, mestre’, disse ele.

‘Dois homens deviam a certo credor. Um lhe devia quinhentos denários e o outro, cinquenta. Nenhum dos dois tinha com que lhe pagar, por isso perdoou a dívida a ambos. Qual deles o amará mais?’

Simão respondeu: ‘suponho que aquele a quem foi perdoada a dívida maior’.

‘Você julgou bem’, disse Jesus.

Em seguida, virou-se para a mulher e disse a Simão: ‘vê esta mulher? Entrei em sua casa, mas você não me deu água para lavar os pés; ela, porém, molhou os meus pés com suas lágrimas e os enxugou com seus cabelos. Você não me saudou com um beijo, mas esta mulher, desde que entrei aqui, não parou de beijar os meus pés. Você não ungiu a minha cabeça com óleo, mas ela derramou perfume nos meus pés. Portanto, eu lhe digo, os muitos pecados dela lhe foram perdoados; pois ela amou muito. Mas aquele a quem pouco foi perdoado, pouco ama’.

Então Jesus disse a ela: ‘seus pecados estão perdoados’.

Os outros convidados começaram a perguntar: ‘quem é este que até perdoa pecados?’

Jesus disse à mulher: ‘sua fé a salvou; vá em paz’ ” (Lucas 7. 36-50. NVI).

Os fariseus e os peritos na lei eram aqueles que rejeitaram o propósito de Deus para eles, não sendo batizados por João Batista. Para eles o que havia era a tradição religiosa, mas não a religião (religare, “ligar de novo”, voltar a fazer a vontade de Deus); eram inconsequentes: pelas Escrituras Sagradas não se deixavam nem tocar, nem mudar, nem guiar.

Simão, o fariseu, convidou Jesus Cristo para jantar com ele, logo depois das curas e prodígios maravilhosos que Ele havia realizado, para confirmar perante os discípulos de João Batista que Ele era o Cristo, o Messias, o Ungido prometido de Deus, o Salvador de todo aquele que nEle crê.

Um homem de aparências, inconsistente e arrogante, Simão testa o Salvador em seu coração ao invés de passar pelo batismo do arrependimento e, através de Cristo, buscar estabelecer sua reconciliação com Deus. Muito diferente da mulher “pecadora”, que faz exatamente essas coisas, tendo seus pecados perdoados, e, por meio da fé em Jesus Cristo, é salva e recebe a bênção da paz.

Simão tem dinheiro para patrocinar um jantar e amigos para encher a sua casa, mas enxerga muito pouco a respeito das realidades espirituais. Ele conhece a mulher “pecadora”, quem lhe é próxima de alguma maneira, senão ela não teria acesso ao interior da casa dele nem ele saberia da vida de pecados dela. Mas para ele o pecado dela não lhe parece familiar; ele não reconhece em si mesmo o pecado, que é tão óbvio para todo aquele que pela fé reconhece: Jesus Cristo é o Filho de Deus.

Simão diante de Jesus Cristo está interessado em ter um contato com uma figura pública; na expansão da sua rede de influências e poder. Jesus Cristo era “o cara” do momento. Já a mulher “pecadora”  sabe Jesus é o Cristo, o Filho do Deus vivo, o Enviado de Deus para a salvação de todo o mundo.

A diferença entre essa a mulher e esse homem é que a justa de Deus por seu arrependimento, obteve perdão, e por seu ato de fé, ela obteve a salvação e a paz. Já a indiferença do outro o fez perder o milagre da graça de Jesus Cristo: perdão, salvação e paz.

A justiça de Deus é: que essa mulher “pecadora”  amou a Deus com todas as suas forças, de todo o seu coração, de toda a sua alma e com todo o seu entendimento. E a justa transborda a justiça de Deus.

Já Simão, nunca se arrependeu, nunca creu em Jesus Cristo, nunca amou Deus, quem perdoa, quem cura, quem salva, quem concede a paz.

A condição da mulher “pecadora” era o cativeiro espiritual. Mas no ato de fé que acompanhou seu arrependimento genuíno ela encontrou o Salvador e recebeu dele a sua salvação: libertação, restauração e cura. Nunca mais foi a mesma mulher; nunca mais foi a vergonha do Pai.

A condição de Simeão, o fariseu, era o cativeiro espiritual. E ele continuou em trevas.

“Quem é esse que até perdoa pecados?” Ele é Jesus de Nazaré, o Cristo de Deus, o que tira o pecado do mundo.

Convém adorá-lo!

Que o temor de Deus encha o nosso coração para que alcancemos o arrependimento e a fé para a nossa alegria, para a glória do Pai!

Arrependamo-nos! O Reino de Deus está próximo!

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

2 pensamentos sobre “Arrependimento, perdão, fé e salvação.

  1. Sem arrependimento não há necessidade de salvação e nem profundo entendimento do sacrifício de Jesus Cristo.

    • Sem arrependimento não há salvação.

      A ante-sala de acesso ao cômodo onde está o Salvador é o batismo de arrependimento para que haja o perdão dos pecados.

      Só quem passar por esse batismo receberá o socorro e a salvação.

      Estreita é a porta e apertado o caminho que nos conduz à salvação, mas melhor é um dia no descanso do SENHOR do que mil em qualquer outro lugar.

      Arrependamo-nos! O Reino de Deus está próximo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s