O eco terapêutico

Boa tarde a todos!

Quando começamos a trabalhar com Toques Terapêuticos, logo nos surpreendemos com esse fenômeno tão notável: ao tocarmos as pessoas, elas nos tocam também.

O corpo de um paciente sujeito a um estresse prolongado e com uma sobrecarga sobre o coração, por exemplo, faz com que o Psicólogo Corporal sinta também um peso intenso e um dolorido especial em seu próprio coração à medida em que sustenta Toques Terapêuticos mais monótonos, como os Toques Sutis ou a Calatonia do Dr. Pethö Sandor, Psicólogo Corporal.

Isso quer dizer que de certa maneira a constrição que oprime o paciente também aparece para aquele que lhe oferece tratamento psicológico corporal.

Por isso, os Toques Terapêuticos também têm alcance como instrumentos de diagnóstico.

“Quem quer acessar comigo o lugar da minha dor, irá eventualmente sentir a presença do meu sofrimento”.

Curar é encontrar o paciente no lugar onde ele está preso e sair com ele de lá de dentro para um lugar de liberdade autêntica, integridade e paz.

Mas só encontramos o paciente em seu calabouço, se entrarmos com ele naquele lugar. Assim quem toca o outro também participa da sua realidade.

Por isso, ainda que estejamos falando de prisões espirituais e cativeiros emocionais, estamos sempre falando de lugares onde as pessoas estão machucadas e isoladas da comunhão.

“Se você tentar me ajudar, vai acabar sendo machucado por mim”.

A verdade é que o verdadeiro Psicólogo Corporal é um homem de dores, um egresso dos lugares sombrios do sofrimento e da perdição.

“Quem sabe a saída do cárcere, senão aquele que um dia voltou de lá?”

O Psicólogo Corporal, se tiver treinado a sua sensibilidade na sua jornada de restauração pessoal, é capaz de discernir ou sentir em seu próprio corpo um pouco das dores e danos sofridos por seus pacientes. E isso o faz lembrar dos bons caminhos e alternativas que teve de descobrir no caminho para a sua própria cura emocional.

Quantos pacientes não começaram uma nova etapa de vida a partir de um feedback simples e verdadeiro: “quando toco você dessa maneira, sinto doer certa região do meu corpo”.

Nosso corpo corresponde à nossa mente e aos hábitos de nossas emoções.

É difícil acreditar que alguma doença de fato não seja criada pelas realidades invisíveis da subjetividade e não tenha tudo a ver com a qualidade da nossa integração psicofísica e Saúde Mental.

“Fique um pouco na minha presença e logo você sentirá o impacto daquilo que está dentro de mim”.

“Toque-me como quem ouve e você terá uma boa pista do que eu realmente me tornei”.

Tenham uma boa semana!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s