Repensando o mérito

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? A graça e a paz de Jesus, o Cristo, aos irmãos!

Hoje vamos falar aqui um pouco sobre a questão do mérito.

Estava conversando com a Cibele, minha esposa, quando ela começou a aprofundar nossa conversa sobre esse tema.

Quem é aquele que merce a vitória, o que termina primeiro a corrida ou o que corre com mais integridade? O que desempenha a performance acima dos outros ou o que coloca os outros acima de si mesmo?

Nas Escrituras Sagradas, especialmente nas cartas do Paulo, apóstolo, parece haver um abismo entre graça e mérito, mas isso porque ele precisa ressaltar a diferença que há entre buscar a justiça por meio de obras e por meio da fé.

De uma maneira sintética, diremos que buscar à justiça por meio de obras é colocar a questão do mérito sobre o comportamento religioso ou na consecução ritualística de etiquetas judaicas, como vestuário, higiene, alimentação, pagamento de dízimos e ofertas, festividades e atos simbólicos (como a cirurgia de circuncisão).

Por outro lado, buscar a justiça por meio da fé é colocar a questão do mérito sobre a inegociável confiança que um filho do SENHOR Deus demonstra para com seu Deus, dando lugar ao espírito da sua santidade (a obediência sincera e autêntica à verdade da sua Lei), em arrependimento genuíno contra toda forma de pecado, alegria no prazer do SENHOR Deus e amor valoroso por todos a partir do amor ao SENHOR Deus.

A questão do mérito está sempre presente, pois a fé é o que condiciona a liberação do poder da graça do SENHOR Deus, de modo que merce a graça, que é o favor gratuito presente na relação de amor mútuo entre um homem e o SENHOR Deus, aquele que demonstra a perfeita fé.

Perfeição é medida pela inteireza do coração, de modo que todo ser humano pode ser perfeito na presença do SENHOR Deus, sendo excluídos apenas aqueles que agem com hipocrisia ou dissimulação.

Mas voltando à Cibele, minha esposa, quem verdadeiramente ganha a corrida é aquele que ama o seu irmão. Quem merece a vitória é aquele que é perfeito de coração.

O mérito corretamente compreendido é o fator que estabeleceu um trono inabalável à descendência de Davi, filho de Jessé. Foi o mérito profundo que fez com que os céus se abrissem para que todos ouvissem as palavras do Altíssimo sobre Jesus, o Cristo, dizendo “esse é o meu filho amado, em quem tenho prazer”. Foi o mérito aos olhos do Deus Pai que encontrou no assassino Saulo de Tarso o apóstolo Paulo: no Reino do SENHOR Deus o assassino de coração sincero vale mais do que 1.000 religiosos oportunistas, pois o mérito aos olhos do Deus Altíssimo é tudo o que se necessita para uma obra perfeita de conversão e iluminação espiritual, a formação de um homem aprovado e divinizado.

Existe uma diferença entre o ímpio e o ignorante, entre o perverso de coração e o buscador da verdade confuso e enganado. O primeiro será morto, sua sentença já foi promulgada; mas o segundo será esmagado pela vida e refinado pelo fogo, até que se torne um precioso e inabalável instrumento da parte do SENHOR Deus.

Eu acredito em milagres! Já disse isso? Hehehe…

Ganhe o direito de ser chamado de filho do SENHOR Deus! Converta-se dos maus caminhos de fato e de alma, de todo o seu coração! Pratique o bem quando ninguém estiver olhando, mas apenas o SENHOR, o seu Deus!

Eu acredito em milagres!

O SENHOR Deus está aqui nesse lugar!

Boa semana!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s