Chave do conhecimento

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que unidos e se unindo cada vez mais pelo vínculo do amor!

Hoje vamos ler mais um trecho das Escrituras Sagradas. Que o SENHOR Deus nos dê a sua Palavra, em nome de Jesus, o Cristo, amém!

“[Disse Jesus:] ‘ai de vocês, peritos na lei, porque se apoderaram da chave do conhecimento. Vocês mesmos não entraram e impediram os que estavam prestes a entrar!'” (Lucas 11. 52. NVI).

O acesso ao Reino do SENHOR Deus é fácil ou difícil? Compreensível ou incompreensível? Possível ou impossível?

“Portanto, a ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre [todos], porque Deus [o] manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendido por meio das coisas criadas, de forma que [todos somos] indesculpáveis” (Romanos 1. 18-20. NVI).

A vida eterna está aí, disponível, circulando…

Muitos foram curados pelo SENHOR Deus e dão poderoso testemunho de que os caminhos do Deus Altíssimo são justos e verdadeiros, nenhum dos seus mandamentos é sem verdade e direção.

Mas a beleza e a majestade dos filhos da luz divina são cobiçadas por homens perversos e maus, que violentamente tomam, sem qualquer legitimidade, as histórias perfeitas e as distorcem grosseiramente para que o dom gratuito que procede delas possa ser ocultado, para que não haja arrependimento nem cura verdadeiros, e as pessoas não sejam livres.

Veja o que os peritos na lei fizeram com o texto de Jó, por exemplo. O texto conta a jornada de um justo até o perdão dos seus pecados, por meio da tragédia e do encorajamento a uma fé mais profunda, as palavras dos amigos de Jó. Mas então, aquilo que é uma fonte de vida e discernimento eternos, um genuíno caminho terapêutico, transforma-se em anátema por meio de uma conclusão obtusa e maligna que propõe a suspeita aos preceitos do amor divino.

O coração do homem sempre soube da acessibilidade ao Reino do SENHOR Deus, mas para entrar ele precisa aprender a ignorar a voz dos peritos na lei e a confiar na voz mais doce e singela: “eu estou com você, eu o criei e, finalmente, o perdoei pela sua transgressão”.

Sim, é na descoberta do amor verdadeiro que somos curados.

Primeiro precisamos suportar a solidão e a vergonha através da coragem para “estar só” na presença do SENHOR Deus. Deixar a roda dos vociferadores de tradições complexas, falsas e impuras, para “estar só” na casa do amor sincero e da prática da justiça divina.

Por mais que a violência dos hipócritas exista por um pouco de tempo, o Espírito da Santidade do SENHOR Deus conduz homens e mulheres de todas as gerações para fora de sua escuridão.

Como aprendemos hoje na peça infantil ministrada na Igreja Batista do Povo na Vila Mariana, São Paulo, SP, Brasil, o mal somente ganha se entregamos nossa voluntariedade a ele, pois o Diabo só tem voz na boca de quem não crê até o fim.

Quando somos muito pressionados às vezes não suportamos e lançamos mão de mentiras, desobediências, covardias e crueldades. Mas se confessarmos nossos pecados, o SENHOR Deus é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda maldade.

A chave do conhecimento é o exemplo de um homem santo. E o poder de um homem santo é a sinceridade do seu arrependimento e a generosidade do seu amor.

Como perito na lei, eu devolvo a você no dia de hoje a “chave do conhecimento”.

O nome do jogo é arrependimento e fé.

A fonte da força é o amor.

E só ama aquele que se dedica à prática da justiça.

Pense nessas coisas, pense também em mim.

Que a graça e a paz do Senhor Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, sejam com todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, homem religioso.

Repensando o mérito

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? A graça e a paz de Jesus, o Cristo, aos irmãos!

Hoje vamos falar aqui um pouco sobre a questão do mérito.

Estava conversando com a Cibele, minha esposa, quando ela começou a aprofundar nossa conversa sobre esse tema.

Quem é aquele que merce a vitória, o que termina primeiro a corrida ou o que corre com mais integridade? O que desempenha a performance acima dos outros ou o que coloca os outros acima de si mesmo?

Nas Escrituras Sagradas, especialmente nas cartas do Paulo, apóstolo, parece haver um abismo entre graça e mérito, mas isso porque ele precisa ressaltar a diferença que há entre buscar a justiça por meio de obras e por meio da fé.

De uma maneira sintética, diremos que buscar à justiça por meio de obras é colocar a questão do mérito sobre o comportamento religioso ou na consecução ritualística de etiquetas judaicas, como vestuário, higiene, alimentação, pagamento de dízimos e ofertas, festividades e atos simbólicos (como a cirurgia de circuncisão).

Por outro lado, buscar a justiça por meio da fé é colocar a questão do mérito sobre a inegociável confiança que um filho do SENHOR Deus demonstra para com seu Deus, dando lugar ao espírito da sua santidade (a obediência sincera e autêntica à verdade da sua Lei), em arrependimento genuíno contra toda forma de pecado, alegria no prazer do SENHOR Deus e amor valoroso por todos a partir do amor ao SENHOR Deus.

A questão do mérito está sempre presente, pois a fé é o que condiciona a liberação do poder da graça do SENHOR Deus, de modo que merce a graça, que é o favor gratuito presente na relação de amor mútuo entre um homem e o SENHOR Deus, aquele que demonstra a perfeita fé.

Perfeição é medida pela inteireza do coração, de modo que todo ser humano pode ser perfeito na presença do SENHOR Deus, sendo excluídos apenas aqueles que agem com hipocrisia ou dissimulação.

Mas voltando à Cibele, minha esposa, quem verdadeiramente ganha a corrida é aquele que ama o seu irmão. Quem merece a vitória é aquele que é perfeito de coração.

O mérito corretamente compreendido é o fator que estabeleceu um trono inabalável à descendência de Davi, filho de Jessé. Foi o mérito profundo que fez com que os céus se abrissem para que todos ouvissem as palavras do Altíssimo sobre Jesus, o Cristo, dizendo “esse é o meu filho amado, em quem tenho prazer”. Foi o mérito aos olhos do Deus Pai que encontrou no assassino Saulo de Tarso o apóstolo Paulo: no Reino do SENHOR Deus o assassino de coração sincero vale mais do que 1.000 religiosos oportunistas, pois o mérito aos olhos do Deus Altíssimo é tudo o que se necessita para uma obra perfeita de conversão e iluminação espiritual, a formação de um homem aprovado e divinizado.

Existe uma diferença entre o ímpio e o ignorante, entre o perverso de coração e o buscador da verdade confuso e enganado. O primeiro será morto, sua sentença já foi promulgada; mas o segundo será esmagado pela vida e refinado pelo fogo, até que se torne um precioso e inabalável instrumento da parte do SENHOR Deus.

Eu acredito em milagres! Já disse isso? Hehehe…

Ganhe o direito de ser chamado de filho do SENHOR Deus! Converta-se dos maus caminhos de fato e de alma, de todo o seu coração! Pratique o bem quando ninguém estiver olhando, mas apenas o SENHOR, o seu Deus!

Eu acredito em milagres!

O SENHOR Deus está aqui nesse lugar!

Boa semana!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.

Começando o confronto

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? O SENHOR Deus pode intervir de forma ainda mais especial sobre todo o seu drama se você pedir ajuda a ele e se colocar como um instrumento da sua justiça.

Hoje vamos ler a Bíblia mais uma vez! Que o Espírito do Altíssimo nos abençoe!

“Tendo terminado de falar, um fariseu [convidou Jesus, o Cristo do SENHOR,] para comer com ele. Então Jesus foi e reclinou-se à mesa; mas o fariseu, notando que Jesus não se lavara cerimonialmente antes da refeição, ficou surpreso” (Lucas 11. 37, 38. NVI).

O mundo do poder humano é o mundo das riquezas. Onde existem riquezas, existe poder, força, capacidade de constranger e acumular.

O fariseu é o homem que se deu bem em termos de poder humano. Ele é rico, porque constrange o fraco a doar da sua pobreza; ele é forte, porque por meio da violência obtém o que deseja.

O fariseu é o homem que controla as regras do jogo, as regras da vida em sociedade.

Após a morte de Moisés, seu legado passou a ser interpretado e refinado pelos intensos debates e disputas que fizeram crescer os donos da palavra final ou da interpretação correta (ortodoxa). Mas em poucas gerações o temor sincero ao SENHOR Deus já havia sido substituído por uma falsa tradição judaica, falsa porque o verdadeiro judaísmo é um coração circunciso, um coração santificado ao Eterno Deus, o SENHOR.

O fariseu se surpreende com a quebra de suas tradições cerimoniais porque espera que um homem de tanto poder e conquistas tenha também parte no seu jogo de influências e constrangimentos vazios.

Se Jesus, o Cristo do SENHOR, pretendia ocupar um lugar de destaque como religioso judaico então tinha que fazer parte do grupo dos donos do bando, aqueles que estabelecem de cima para baixo as regras do ser, fazer e doar.

Embrulham-me as vísceras as palavras hipócritas de certos donos da religião que falam que o SENHOR Deus é um abraço incondicional, enquanto promovem a opressão do povo, enriquecendo sempre, segregando e maculando a pureza dos que tateiam em busca do Reino do SENHOR Deus.

O Senhor Jesus, o Cristo do SENHOR, é salvador e juiz. Salvador do justo, por quem se oferece como redentor e sacrifício propiciador; juiz do ímpio, contra quem se levanta em postura de guerra quando a fumaça das orações dos santos clama por justiça.

A partir do texto de hoje vamos começar a entrar na essência da boa briga que o Senhor Jesus, o Cristo do SENHOR, tomou para si mesmo desde a eternidade.

O SENHOR Deus não é um banana! Seu abraço é tão justo quanto a ira do seu coração!

Ai dos donos desse mundo, os violentos, os mentirosos e os hipócritas! Seu reinado dura apenas um segundo!

Os filhos legítimos do SENHOR Deus, os portadores de um Espírito Santo, esses reinarão eternamente e seu domínio jamais terá fim!

Vamos começar a brigar? Que o SENHOR Deus abençoe a Revelação desses próximos posts de “Lendo a Bíblia”! Em nome de Jesus, o Cristo do SENHOR, amém.

Boa semana!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.

 

Nascendo de novo

Boa noite a todos!

Que a graça e a paz do SENHOR Deus sejam com todos vocês, os que creem!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o novo nascimento.

O que significa nascer de novo? O que significa nascer do alto ou do Espírito Santo?

Quando uma pessoa é gerada no ventre de sua mãe, desde o primeiro instante de vida, ela passa a se desenvolver em uma intensa relação com os seus pais, de modo que suas necessidades físicas e espirituais se apresentam, sendo supridas ou não, dependendo do que podem fazer por ela sua família e as outras pessoas em derredor.

Muito dos nossos problemas importantes são originados nas falhas no manejo de nossas necessidades pueris. E a partir de situações mal resolvidas na infância passamos a desenvolver mecanismos de defesa, que são desequilíbrios inconscientemente planejados, ou seja, são excessos com propósitos ocultos de compensar ou se por no lugar de outras experiências necessárias, mas que, infelizmente, não puderam ter lugar adequado, com elaboração dos seus componentes emocionais completa, pela falta de hospitalidade ou competência psicológica de nosso ambiente íntimo e/ou social.

O que estou querendo lhes dizer aqui é que nossos desvios espirituais começam por causa de buracos deixados nas etapas de nosso desenvolvimento sem solução.

Assim, nascer de novo está muito relacionado com cura emocional e perdão aos pais.

Primeiro precisamos de uma experiência de amor terapêutico-curativa para depois podermos experimentar o florescimento natural de uma nova vida. Pois a verdade é que a vida que vemos em nós é o transbordamento natural da maturidade emocional de que dispomos agora.

Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, disse que era necessário nascermos de novo, da água e do Espírito, para entrarmos no Reino de Deus.

Nascer da água pode ser interpretado como passar por um batismo, ou seja, tomar uma firme decisão de deixar para trás e de fato morrer para toda a vida de pecados, aceita anteriormente. Já nascer do Espírito significa se identificar com a pessoa nova que aparece em nós quando ativamente praticamos as virtudes que decorrem das atitudes da fé e mandamentos do SENHOR Deus. A vida do Espírito Santo são os pensamentos, as emoções, os atos e os trabalhos que resultam do compromisso do homem com as Leis do SENHOR Deus.

Você pode nascer de novo! Sim, pode viver uma vida completamente diferente daquela outra amarrada por pecados e escravidão.

Peça ao SENHOR Deus que lhe dê uma experiência de amor terapêutico-curativa que torne viável o compromisso com novas escolhas e a graça de desfrutar de novos começos e receber um novo coração.

Se Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, ou seus cristãos, pequenos Cristos do SENHOR Deus, cruzarem o seu caminho e tocarem a sua alma, você poderá ser livre do seu mal.

O nome do jogo é cura divina não posição filosófica.

Se o mal que o aprisiona por dentro não for curado em seu coração, você não tem como florescer diferente do que tem sido até aqui.

Eu acredito que todo homem pode nascer de novo por meio da fé no SENHOR Deus.

Não tenha medo de se abrir em oração.

“Nunca te deixarei, jamais te abandonarei”, diz o SENHOR Deus.

Eu acredito em você!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo e o editor do blog Curados por Deus.

Tocando a si mesmo

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Desejo a todos a saúde mental que procede do entendimento das coisas, resoluções, escolhas e hábitos saudáveis!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre tocar a si mesmo.

Existe uma nuvem de mistério sobre o trato de nós mesmos. Como devemos proceder quando o assunto é nós mesmos, nossos desejos e temores, nosso corpo e pensamentos?

Minha jornada como psicólogo corporal me faz crer que uma pessoa precisa aprender a se tratar com gentileza, amabilidade, respeito e cuidado, enquanto gradativamente se ensina e disciplina a avançar por caminhos que resultem em realizações, harmonia, saúde e paz.

Há nos sonhos do coração sementes de valor eterno, contudo a imaturidade e a capacidade para os excessos e desvios precisam ser superadas conscientemente.

Para tocar-se bem, uma pessoa precisa aprender a ser bom como se fosse seu próprio pai. Isso quer dizer que precisa se encorajar constantemente, ao mesmo tempo que repreender e desencorajar todo o comportamento nocivo, ainda que seja apenas um hábito mental.

O bom toque que uma pessoa concede a si mesma tem muito a ver com a consolação e o suporte afetivo, que desejamos aos outros quando passam por grandes aflições. A diferença é que quando existimos como um objeto de amor para nós mesmos, podemos estar ao nosso lado 100% do tempo.

O toque bom que podemos nos oferecer também tem muito a ver com nos tornarmos uma boa testemunha dos eventos significativos e ordinários das nossas vidas. Quando você garante a si mesmo que também viu e ouviu nos acontecimentos do seu dia-a-dia, isso vai produzindo inteligência e sabedoria, discernimento e aprendizagem, que no final resultam em um espírito sereno e soberano sobre o aspecto emocional da personalidade.

O toque bom que recebemos de nós mesmos nos impulsiona na direção do aprofundamento e conhecimento da nossa própria espiritualidade. O herói da nossa jornada somos nós mesmos na luz do deus que escolhemos servir. Pessoas que se tocam bem avançam muito na descoberta da relação espiritual que singulariza e une cada ser humano ao redor uns dos outros.

Minhas melhores chances de recomeçar e soerguer do negrume de um evento traumático é me tratando bem, com todo o respeito, paciência e boa consideração.

Nem sempre temos as mãos de outros para nos abençoar e fortalecer. Mas em todo o tempo podemos nos dispor a não nos abandonarmos às vicissitudes e dias maus da vida.

O toque bom psicologicamente é aquele que é delicado ou firme, mas sempre puro e sem malícia. Erotismo e sensualidade para consigo mesmo fazem mal e prejudicam muito, impedindo a construção de uma vida que realmente resulte em saúde mental e paz.

Eu sei que você está correndo e lutando, dia após dia, evento após evento. Mas quero lhe ensinar um princípio de vida eterna: inclua-se na sua agenda de ocupações. Ouça o que vem da sua alma, veja o que precisa do seu julgamento. Diga palavras de bondade e suporte para si mesmo. Acredite na beleza da plenitude da sua realização como pessoa. Trate-se com critério, você não precisa de alguém do lado de fora dizendo que seu trabalho pode melhorar, que seu vício está lhe prejudicando, que sua responsabilidade é necessária nesse contexto, etc. Você pode estar presente e ser melhor agora.

Busque o amor dos outros quando estiver bem assegurado do seu próprio amor.

O equilíbrio dá os seus sinais na vida dos verdadeiros valentes.

Você pode ser bom!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

A existência de Deus

Boa tarde a todos!

Como estão? Como vai a sua família?

Que a graça e a paz de nosso Senhor Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, sejam com todos vocês!

Gostaria de compartilhar com vocês hoje um texto apologético, uma defesa da fé, um argumento em favor da existência de Deus.

O texto diz assim:

“No ventre de uma mãe havia dois bebês.

Um perguntou ao outro: ‘Você acredita em vida após o parto?’

O outro respondeu: ‘É claro! Tem que haver algo após o parto. Talvez nós estejamos aqui para nos preparar para o que virá mais tarde’.

‘Bobagem’, disse o primeiro. ‘Que tipo de vida seria esta?’

O segundo disse: ‘Eu não sei, mas haverá mais luz do que aqui. Talvez nós poderemos andar com as nossas próprias pernas e comer com nossas bocas. Talvez teremos outros sentidos que não podemos entender agora’.

O primeiro retrucou: ‘Isto é um absurdo! O cordão umbilical nos fornece nutrição e tudo o mais de que precisamos. O cordão umbilical é muito curto. A vida após o parto está fora de cogitação!’

O segundo insistiu: ‘Bem, eu acho que há alguma coisa e talvez seja diferente do que é aqui. Talvez a gente não vá mais precisar deste tubo físico’.

O primeiro contestou: ‘Bobagem! E além disso, se há realmente vida após o parto, então por que ninguém jamais voltou de lá?’

‘Bem, eu não sei’, disse o segundo, ‘mas certamente vamos encontrar a Mamãe e ela vai cuidar de nós’.

O primeiro respondeu: ‘Mamãe, você realmente acredita em Mamãe?! Isso é ridículo! Se a Mamãe existe, então onde ela está agora?’

O segundo disse: ‘Ela está ao nosso redor. Estamos cercados por ela. Nós somos dela. É nela que vivemos. Sem ela este mundo não seria e não poderia existir’.

Disse o primeiro: ‘Bem, eu não posso vê-la, então é lógico que ela não existe’.

Ao que o segundo respondeu: ‘Às vezes, quando você está em silêncio, se você se concentrar e realmente ouvir, você poderá perceber a presença dela e ouvir sua voz amorosa'”. (Autor húngaro desconhecido).

A existência do SENHOR Deus é assim como a existência da mamãe para seus filhos no ventre materno.

A justiça eterna, quer dizer, o fato de que toda impiedade recebe castigo e toda correção, recompensa, argumenta em favor da existência do SENHOR Deus.

O amor divino, quer dizer, o fato de que só nos sentimos completamente contemplados no momento em que nos arrependemos de todo o pecado e nos submetemos verdadeiramente à santidade/Lei do SENHOR Deus, argumenta em favor da existência do SENHOR Deus.

E a ressurreição dos mortos, quer dizer, o fato de que a morte não é capaz de reter os justos filhos do SENHOR Deus, argumenta em favor da existência do SENHOR Deus.

Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, é Senhor! Aos seus pés serão entregues toda a honra, glória e louvor!

Sim, o SENHOR Deus existe e recompensa todos aqueles que o buscam!

Amamos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Não nos induzas à tentação

“Certo dia Jesus[, o Cristo do SENHOR,] estava orando em determinado lugar. Tendo terminado, um dos seus discípulos lhe disse: ‘Senhor, ensina-nos a orar, como João [Batista] ensinou aos discípulos dele’.

Ele lhes disse: ‘quando vocês orarem, digam: Pai! (…) Não nos induzas à tentação'” (Lucas 11.1-2a, 4b. NVI).

Boa noite a todos! Como estão vocês? Espero que estejam bem!

“Não nos induzas à tentação”, Jesus, o Cristo, ensinou-nos a pedir ao SENHOR Deus, o Pai, que, por misericórdia, ele não nos induza à tentação.

Esse é um trecho polêmico das Escrituras Sagradas de modo que a maioria das traduções da Bíblia traduzem a expressão grega por “não nos deixes cair em tentação”. Mas a verdade é que as palavras originais dizem exatamente o que está escrito acima.

Como assim somos ensinados a orar por esse tipo de livramento cotidianamente? Por que é necessário interceder para que o SENHOR Deus não nos desencaminhe?

Creio que nesse ponto do discipulado precisamos entender um pouco de Psicologia.

Somos como um rio que se derrama ou como uma criança que avança na direção daquilo que está posto diante de seus olhos: a partir do lugar onde estamos posicionados nos movimentamos, quer queiramos isso ou não.

Posso estar firmado em algum tipo de ídolo, por exemplo disposição para a imoralidade sexual. Se meu coração se coloca nesse lugar, então o que se segue serão comportamentos pecaminosos e destrutivos.

Por outro lado, o que acontece quando firmo meu coração na Lei do SENHOR Deus? A intuição que se segue à aliança com o Supremo Senhor irá me conduzir na vida por caminhos de paz.

No entanto, mesmo quando firmamos a nossa identidade a partir daquilo que brota de um compromisso pessoal com o Espírito Santo, ainda assim, somos apenas humanos e nossas bússolas guias podem ainda assim precisar de ajustes mais profundos do que podemos imaginar.

Nosso quebrantamento às vezes é mais profundo e poderoso do que jamais poderíamos saber. Danos sofridos na infância e até mesmo no útero podem ter uma parte definitiva para certas escolhas e caminhos da nossa atual maturidade e intuição.

O Espírito Santo é o hálito agradável, o fôlego de sanidade e a perfeita bondade que podem ser abrigados dentro de cada um de nós. Mas nesse caminho de transformação pessoal e expulsão de demônios ou espíritos malignos, às vezes passamos muito tempo em estados intermediários de consciência, autocontrole, arrependimento e fé.

Por essa razão, que é necessário pedir ao SENHOR Deus que os impulsos nossos que têm origem no coração dele não nos coloquem em situação de vulnerabilidade, ali onde ainda não estamos totalmente prontos para prosseguir por um caminho de paz (shalom).

“Pai, quando você começar a se mover outra vez aqui dentro de mim, por favor, lembre-se da minha fraqueza interior e da minha debilidade herdada. Preciso que seu Espírito Santo ganhe o espaço, a voz e a vez, sem que, contudo, venha a me destruir no processo. Preciso que o SENHOR proveja espumas de segurança porque sei que ainda não sou capaz de me equilibrar perfeitamente sobre minhas pernas. Em uma expressão: tenha misericórdia de mim”.

Quando o SENHOR Deus lhe empurrar, inspirando-o a prosseguir, lembre-se de que você é pó e que provavelmente ainda necessita de cura em níveis impossíveis para a sua melhor terapia. Por isso, peça ao Altíssimo que não se esqueça de que seu empurrão precisa ser dosado de modo a que não lhe coloque diante de desafios maiores do que aqueles para os quais você tem hoje recursos para lidar vitoriosamente.

Eu sei que isso tudo pode parecer algo muito estranho, mas confie no que lhe digo: se você colocar uma criança de 2 anos diante de uma audiência judicial para responder por um crime hediondo, isso destruiria a sua psicologia, quebraria toda a sua personalidade pueril.

Mesmo ao considerarmos o caminho do Cristo, fica claro que há um tempo certo para todo o propósito debaixo do céu. Até mesmo Jesus de Nazaré teve que ser conduzido por caminhos alternativos enquanto ia crescendo e se fortalecendo antes do cumprimento das profecias proferidas a seu respeito.

Se o Espírito Santo tivesse conduzido Jesus, o Cristo, até o Calvário e cruz quando ele tinha 28 anos de idade, talvez não tivesse suportado o peso daquele ato superior.

Queremos a plenitude do propósito divino realizada em nossas vidas, sim! Mas SENHOR Deus, tenha misericórdia, e não nos induza à tentação! Não nos coloque em uma posição mais difícil do que a que realmente podemos ocupar agora, para que não sejamos derramados em vão nem percamos nossa sanidade e capacidade de cooperar contigo em tudo o que faz.

Pedir a ajuda de Deus, o Pai, é pedir com sabedoria!

Que a intuição/espírito que vem do SENHOR Deus não nos coloque em apuros! Que Deus não se esqueça de nossas grandes limitações enquanto nos ensina o caminho superior!

Obrigado por acompanhar o nosso blog!

Que o SENHOR Deus abençoe a todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.