Sobre o divórcio

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que firmando os seus passos sobre o firme e inabalável fundamento da Palavra de Deus! O que o SENHOR Deus diz, nisso podemos confiar!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o divórcio.

Está escrito “o que o SENHOR Deus uniu homem nenhum separe”; também “deixará o homem o seu pai e a sua mãe, unir-se-á à sua mulher e os dois serão uma só carne”.

O que o SENHOR Deus une, jamais deverá ser separado. Seria um pecado mortal.

Mas nem tudo o que está unido em certidão de casamento e cerimônia religiosa foi de fato unido pelo SENHOR Deus e, portanto, poderá e deverá ser separado, se procura-se pela paz do SENHOR.

O SENHOR Deus somente tem parte com aquilo que é feito segundo a sua Lei ou Espírito Santo ou Santidade. Ele não abençoa nem valida as coisas que são feitas por outros caminhos; elas terão que ser destruídas/desfeitas antes do fim.

Casamento feito pelo dedo do SENHOR Deus é assim: “honra teu pai e tua mãe”, “não terás outros deuses além de mim”, “não adulterarás”, “não furtarás”, “não darás falso testemunho ao seu próximo”, “guardarás o sábado para santificá-lo”, etc.

Qualquer tipo de união feita em espírito de transgressão terá que ser terminada, se os parceiros quiserem viver.

“O SENHOR Deus resgatou um povo do Egito, mas posteriormente destruiu todos aqueles que não creram”.

Qualquer relacionamento que não possa ser terminado é uma fonte de doenças, descaminhos e desgraças.

É por isso que um casamento saudável começa com promessas de ambos os lados, que delimitam parâmetros tanto para a união quanto a exclusão da aliança eterna.

Se no seu casamento a única sexualidade que conseguem são perversidades e não há prazer na intimidade natural, então a aliança entre vocês não foi firmada juntamente com o SENHOR Deus e no fim, se quiserem ser curados, terá que ser terminada.

Se no seu casamento a estabilidade financeira depende de roubos e/ou subornos, então a aliança de vocês não foi firmada juntamente com o SENHOR Deus e no fim, se quiserem ser curados, terão que terminá-la.

Seu casamento é um tributo de honra ao SENHOR Deus ou um buraco de imundícias e conluio?

Seu relacionamento com a família do seu cônjuge é de amorosidade, respeito e apreço ou de rejeição profunda e desdém?

A pessoa do nosso cônjuge pode ser certa ou errada para nós e tudo isso vai ser revelado pelo tipo de relacionamento que conseguimos ter com ele: se um Espírito Santo, então bom para o casamento; se um espírito imundo, então necessariamente para o divórcio.

Casamento é um assunto sério na presença do SENHOR Deus. Por isso que falsos casamentos ou malditos custam um preço de morte.

Se você fez/está errado, arrependa-se, reconheça o seu erro, desfaça o mau relacionamento e peça ao Senhor Jesus que o substitua na penalidade pela bagunça que você aprontou. O SENHOR Deus é fiel e justo para nos perdoar os pecados e purificar das injustiças, quando confessamos sinceramente.

Por outro lado, se você casou-se em pacto sagrado, você transformou-se em uma só carne com o seu cônjuge pelo dedo do SENHOR Deus. Nesse caso, lembre-se que também está escrito “eu odeio o divórcio, diz o SENHOR”.

Divórcio por querer seguir a ganância, adultério, desprezo do SENHOR Deus, infidelidade, covardia… Todos esses serão condenados e castigados com a maior severidade.

A aliança abençoada pelo SENHOR Deus será para sempre um manancial de vida eterna.

Avalie a sua condição. Se não consegue desejar filhos, nem intimidade natural com seu cônjuge, pense em sair o quanto antes desse relacionamento.

Promessa do SENHOR Deus: quando você paga o preço doloroso de fazer o que é o certo, então o SENHOR Deus pode lhe elevar a patamares sublimes, realizando absolutamente os desejos mais preciosos do seu coração, para o bem e alegria de todos os outros, sua família, sua pátria, sua nação.

Eu acredito em vocês! Eu acredito em milagres!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, homem de dores.

PS: acabei de publicar o pdf do meu livro Minha Doce Saúde Mental, contando sobre minha luta com a esquizofrenia e vitória através da medicina e espiritualidade cristã. Um link permanente ficará disponível na página Sobre deste blog.

Preparação pré-cirúrgica

Bom tarde a todos! Como estão vocês e suas famílias?

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o uso da psicoterapia corporal em preparações pré-cirúrgicas.

A psicoterapia corporal do Projeto Terapêutico Toque Divino consiste em uma abordagem psicoterapêutica que se utiliza de toques terapêuticos, produzindo benefícios físicos e psicológicos simultaneamente.

Por exemplo, vemos o tônus muscular dos pacientes gradativamente sendo modulado de maneira equânime: regiões hipotensas voltando a ter tensão homeostática e regiões hipertensas também. Além disso temos observado que aqueles que recebem toques terapêuticos costumam ter a circulação dos líquidos do corpo e a regulação da produção hormonal favorecidos.

Por outro lado, o trabalho corporal geralmente produz um efeito psicológico positivo, pois as memórias emocionalmente significativas estão ligadas a processos corporais de modo que o desenvolvimento psicológico deixa suas marcas no nosso corpo. Assim, mediante os toques terapêuticos e à escuta psicoterapêutica temos verdadeiras revoluções do ser: muitos alcançam a libertação de graves bloqueios emocionais/psicológicos.

Quando nos aproximamos do momento em que nos submeteremos a um procedimento cirúrgico, muitas coisas passam dentro do nosso interior: geralmente temos a dor, que não raramente já estamos carregando há algum tempo; temos a ansiedade por estarmos às portas de uma experiência nova que pode dar certo ou não; e por fim temos que lidar com o medo da morte, pois nenhuma intervenção desse tipo é totalmente segura.

Hoje em dia a Medicina funciona muito bem graças às novas tecnologias de recursos anestésicos, de modo que somos postos para “dormir”, para nada ver, sentir nem atrapalhar. Mas a verdade é que estamos lá e sofremos de fato todo o dano do procedimento cirúrgico.

Meu pai é Médico e cirurgião obstétrico. Ele me ensinou que é de praxe administrar medicamentos antiácidos após procedimentos cirúrgicos nos pacientes porque a “luta” cirúrgica gera muitíssimas tensões, defesas corporais.

Por causa dessas coisas a psicoterapia corporal pré-cirúrgica ganha um valor excepcional.

Pacientes que são tocados adequadamente e conduzidos em um processo psicoterapêutico anterior ao procedimento cirúrgico acabam se tornando mais aptos a receberem bem a cirurgia, os anestésicos e demais medicações; oferecem menos resistência física a essa intervenção; geralmente sangram menos; e tendem a se recuperar melhor de todo o acontecido.

Em muitos casos recomendo a preparação pré-cirúrgica com a psicoterapia corporal que pode ser administrada no dia da cirurgia, mas também no mês anterior à data marcada. De 1 a 4 sessões psicoterapêuticas corporais podem fazer toda a diferença para o paciente e a equipe médica.

O que temos em mente ao intervir antes da cirurgia marcada é zelar pela vida do paciente e abençoá-lo para sua melhor possibilidade de passar por aquilo que está por vir.

Eu acredito profundamente na psicoterapia corporal! Ela não é tudo, nem oferece garantias de vida, mas é uma excelente parceira para a busca da saúde e da saúde mental!

Obrigado por ouvir!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Ministrando às mães

Boa noite a todos!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a maternidade.

O amor de uma mulher resulta em filhos, a geração de filhos.

Como é lindo de ver o caminho de uma mulher em sua relação com o SENHOR e suas descobertas paulatinas a respeito da natureza do amor e do Senhor Jesus, o Cristo.

Os toques do SENHOR fazem vibrar as memórias do ser feminino e despertam a sua consciência para o sacrifício de vida que envolve o mistério de ser mulher: a capacidade de gerar a vida.

Nunca me esqueço de um sermão do Pastor Ed René Kivitz em que sabiamente explicou que existe uma diferença entre a criança que nasce de mim e o filho do meu espírito. A primeira é o resultado natural de dar à luz, mas o segundo é o resultado espiritual de um processo dialético: educação (disciplina) mais amor diante das respostas do infante, até que o último voluntariamente escolha livremente andar nos caminhos dos seus pais. Meu filho, assim, não é a criança que nasceu de mim, mas aquela que se agrada em andar no meu espírito, que adora o meu Deus.

As Escrituras testificam de que para a mulher, por causa do pecado de todos, haveria dores e sofrimentos até que fossem finalmente formados os filhos do seu amor, os filhos da sua fé, os filhos da sua fidelidade e do seu sopro de esperança no SENHOR.

Quero falar às mães, porque conheço de perto a luta da minha esposa. Como se doa e sacrifica uma mulher que assume a responsabilidade por fazer das suas crianças filhos legítimos do Eterno Deus.

Para criar filhos saudáveis, seja no corpo e/ou nas emoções, é necessário muita comunhão com o SENHOR, engajamento responsável, amor e, sobretudo, tempo e dedicação.

Estamos amedrontados pelos rumores maliciosos e levantes malignos contra as nossas crianças: estão tentando tornar oficial e legal toda a forma de imoralidade e perversão. Mas não parecemos ter a consciência de que o principal motivo que vulnerabiliza as nossas crianças é a falta de tempo com seus pais e, principalmente, com suas mães.

O que quero dizer é que de todos os motivos de oração no coração de uma família deveria haver antes de tudo a súplica para que os maridos se tornassem homens fortes de novo para proteger e assegurar à sua família que a mãe de seus filhos possa criar os seu filhos perto de si no temor do SENHOR.

Crianças criadas pelo MEC se tornarão influenciadas para se tornar filhas do espírito que governa o MEC. E, nesse caso, teremos problemas futuros para retirar os espíritos malignos por detrás das suas novas diretrizes curriculares.

Entendo muito pouco sobre a totalidade da proposta de educação para a nossa nação, mas sei que no fundo ela não pretende glorificar ao SENHOR Deus, nem quer o bem verdadeiro das nossas crianças.

Se você, mãe, não passar bastante tempo com a sua criança, não espere que ela vá encontrar com facilidade os caminhos da vida. Se não há amor prático na sua relação com a sua criança, quando ela tiver um pouco de calor perverso, provavelmente irá se seduzir por esse vento de maldades.

Homens e mulheres do Brasil, ajudem as mães a serem mães! Protejam o tempo das crianças ao lado de suas mães!

Mães arrependidas do mal e tementes ao SENHOR Deus são o instrumento prioritário através do qual o Espírito Santo se engaja com os infantes para a sua cura e bênção.

Crianças bem amadas ficam menos doentes, tem melhor comportamento, desenvolvem uma capacidade de empatia e relacionamento saudável com outras pessoas, são mais inteligentes e responsáveis. Sinto muito em desapontar, mas 15min de intensidade afetiva não compensam 23h e 45min de ausência.

Pela graça do SENHOR Deus existem professores e professoras divinos ao redor, mas eles não são todos e todos não são eles. Se você não vê um bom motivo para partilhar a vida e a mesa com a sua criança, saiba que os danos da falta de pai e mãe são os mais profundos e difíceis de sarar.

Meu encorajamento às mães é que parem por um momento e reflitam sobre a maternidade. Ajude seus filhos a se tornarem pessoas retas aos olhos do SENHOR. Fique por perto, escolha ficar por perto. Seu amor pode milagres!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

PS: minha esposa pediu para ressaltar que há mulheres que dariam tudo para poder ser mães presentes, mas pelas circunstâncias da vida têm que sustentar suas famílias além de tudo o mais. Há a misericórdia do SENHOR e os seus anjos. Suas crianças, por quem intercedem em secreto, não ficarão desamparadas. Promessa de Deus!