Contra quem o filho do homem se opõe

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que em espírito de renovação de interesse uns pelas vidas dos outros!

Hoje vamos ler mais um trecho do Evangelho de Lucas. Que o SENHOR Deus nos dê a sua palavra, em nome de Jesus, o Cristo, amém!

“Um dos peritos na lei lhe respondeu: ‘mestre, quando dizes essas coisas, insultas também a nós'” (Lucas 11. 45. NVI).

Quem são as pessoas que são acusadas e perseguidas pelo Filho de Deus?

Em primeiro lugar, os fariseus, que são os donos da religião. A hipocrisia de tais homens cheira mal na presença do SENHOR Deus.

Eles distorcem todos os mandamentos do SENHOR Deus, porque amam o luxo e o poder. Como eles vivem das aspirações de fé da sua nação, eles precisam continuamente se fazer necessários, de modo que não permitem que o povo jamais chegue a um entendimento claro e objetivo a respeito do SENHOR Deus e sua vontade.

Nos dias de hoje temos o mesmo cenário, porque todas as gerações repetem a mesma relutância para com o amor e a justiça divinos, que não são complicados, muito menos impossíveis.

Quando as pessoas se reconciliam com o Deus Altíssimo, então sua vida fica mais simples e já não se deixam manipular pelos religiosos da ocasião.

Mas aqui, nesse texto, temos uma outra figura, que se sente ofendida pelo Cristo do SENHOR Deus, os peritos na lei.

Peritos na lei são todas as pessoas que trabalham com documentos, Direito, legislação, Justiça, contabilidade, economia, entre outros. Por assim dizer, estamos pensando nas pessoas que regulamentam a vida do povo por meio de leis, decretos e manipulação de regras de vida, propriedade e conduta.

Nos textos que se seguem a essa declaração, o Senhor Jesus torna explícita a sua crítica a esses homens, o que consideraremos adiante, se Deus quiser.

No entanto, por hora, basta para a nossa reflexão o fato de que em todas as gerações os religiosos “oficiais”, formados pelas escolas de doutrinação e teologia, geralmente transformam tradições humanas em “palavra de Deus” e têm uma grande dificuldade para de fato tomarem decisões puras e aprovadas, porque precisam ganhar dinheiro com sua doutrina e prática de religião.

Por outro lado, também todos os profissionais do manejo das leis/documentos/números da nação, também estão sub judice, pois são responsabilizados pelo Filho de Deus pela falta de fé genuína no coração daqueles a quem servem.

Se a nossa elite realmente servisse ao SENHOR Deus, então haveria igualdade, fraternidade e paz na terra.

A mesma crítica de então se aplica a hoje.

Nada mudou!

Fariseus (religiosos) e peritos na lei (profissionais do Direito e da Justiça, legisladores, economistas, estudiosos, mestres, auditores, entre outros), donos do poder circunstancial, há uma terrível acusação contra vocês.

Arrependam-se enquanto há tempo!

É melhor ficar pobre do que pecar contra o SENHOR Deus; é melhor participar como escravo do que como senhor, em uma vida vazia de esperança.

A boa notícia para os Filhos de Deus é que do SENHOR Deus é a prata e o ouro, o poder, a honra e o domínio. Reinar com Cristo é Reinar, com “R” maiúsculo.

Os caminhos de Deus são justos e verdadeiros, seus juízos são um bálsamo para a terra e céus.

Parem de confundir, parem de explorar.

O Reino do SENHOR Deus é um reino de amor. Abandone toda forma de prostituição, pois os lucros do roubo e assassinato apodrecem o coração e envelhecem a alma.

Eu acredito em milagres!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

Disciplina na família

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que a cada dia mais estejam convivendo em um ambiente respeitoso e acolhedor, fazendo da sua casa um lar!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a disciplina na família.

O que é um casamento?

Casamento é uma aliança entre duas pessoas, um pacto de amor e fidelidade, firmada sobre regras de compromisso. É por meio de um discurso que consentimos e estabelecemos os parâmetros que a fazem valer e continuar.

Assim, defendo que o casamento é um prêmio delicado, que precisa de muito investimento e honra para seguir eternamente.

Qualquer casamento que não possa terminar é patológico, gera doenças. Mas aqui não quero falar como psicólogo, mas apenas como teólogo amador.

O casamento é um tipo de relacionamento que precisa da concordância das duas partes, masculina e feminina, para existir na presença do SENHOR Deus.

Estou falando sobre essas coisas de modo introdutório, porque desejo ensinar sobre a importância da disciplina no lar.

O marido precisa disciplinar a esposa e os filhos; a esposa precisa disciplinar o marido e os filhos; e os filhos precisam disciplinar os irmãos e os pais.

Essa ideia pode parecer obtusa, mas acredito que dentro de nós o SENHOR Deus coloca parâmetros de justiça que concedem a sensibilidade necessária para a mútua correção e ensino nos caminhos eternos.

O homem não pode permitir que o relacionamento continue sem que ele seja respeitado; a mulher não pode permitir que o relacionamento continue sem que seja amada acima de todas as coisas; o filho não pode permitir que o relacionamento continue sem que seja ensinado pela melhor atenção de seus pais.

Temos que perceber que a vida familiar acontece dentro de relacionamentos em que cada um precisa assumir e se responsabilizar por sua parte.

É por essa razão que o homem pede respeito, antes de tudo; a mulher, fidelidade, amor e prioridade; a criança, atenção e engajamento na sua educação.

Preciso dizer que a disciplina no lar é FUNDAMENTAL.

Aqueles que são negligentes em lutar pela parte da aliança que os toca acabam mal, muito mal.

Há as doenças psicológicas, delas falamos em um outro momento, mas principalmente a morte espiritual.

Por exemplo, um homem definha se as pessoas da sua casa são desrespeitosas na sua presença; a mulher se desanima da vida quando há rumores de infidelidade conjugal; e as crianças se tornam verdadeiros estranhos quando seus pais se recusam a participar solidariamente das suas aventuras.

Defendo que se volte a atenção para si mesmos e para o SENHOR Deus, para ouvir, para sentir, para se reconectar. Depois disso, deve-se agir em nome do acerto mais profundo do que as aparências da cordialidade exterior e rotineira.

Se o seu marido não fala com você em primeiro lugar, então você precisa discipliná-lo; se o seu pai não participa da sua vida, então você precisa discipliná-lo; se a sua esposa não o trata como o senhor da sua casa, então você precisa discipliná-la.

Saiba dessas coisas em seu interior e então peça ao Deus Altíssimo, o SENHOR, pelo caminho perfeito para disciplinar a sua família.

Disciplinar é diferente de agir irracional, violenta ou brutalmente, mas é igual a exigir com mansidão e fé que os termos da aliança que fundaram e sustentam a sua família sejam observados.

Se o seu relacionamento não é uma aliança no SENHOR Deus, então precisa terminá-lo e começar do princípio, só que direito. Por outro lado, se houve verdade e transparência para com o Soberano no momento do estabelecimento da sua relação com o outro, então é necessário investir em conhecer e aprofundar os méritos dessa relação.

Disciplina na família é levar o SENHOR Deus à sério no coração.

Ou cada um cumpre o seu papel ou é melhor se afastar da toxidade do convívio desgraçado.

Não tenha medo de por à prova os seus relacionamentos importantes, pois eles moldarão o seu espírito, para o bem ou para o mal.

Pense nisso!

Em oração por todos vocês! Orem também por nós!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

A psicoterapia e a fé

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Que o seu amadurecimento paulatino produza frutos de paz para vocês e suas casas!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a relação entre a psicoterapia e a fé.

A psicoterapia deseja vencer barreiras, abrir caminhos e conduzir a pessoa de volta a um tipo de soberania pessoal que assegure a ela a verdadeira e inabalável saúde mental. O psicólogo em ação está trabalhando para tornar visíveis as leis ocultas por meio das quais o paciente psicológico está sabotando a sua vida e edificando as paredes do seu cativeiro mental. O que ele deseja é ajudar o outro a enxergar as mentiras autodestrutivas, desvalidando-as, e a acreditar nas verdades que libertam, para que ele possa se tornar uma nova pessoa, alguém para chamar de seu verdadeiro eu com orgulho legítimo.

Psicoterapia é luta de olhos e a visão correta dá os seus frutos de vida, que não murcham.

A fé do paciente tem um papel decisivo em todo o trabalho psicoterapêutico porque é apenas a sua decisão interior de entrega à nova perspectiva a respeito de si mesmo e da situação dolorosa que originou seus atuais desvios, vícios e más escolhas, que podem tornar a cura psicológica um fato consumado e saboroso.

Toda terapia maneja ciências e conhecimentos mas o efeito terapêutico de um encontro depende de muito mais do que isso.

Também a fé do psicólogo tem um papel muito importante, porque sem a certeza interior de que esse momento de encontro especial, que dá voz ao lugar de maior autenticidade, região emocional da franqueza e sensibilidade, é uma porta aberta nos corações para que os cirurgiões da alma possam operar uma justa intervenção positiva e para o bem, nada ele pode fazer.

O bom psicólogo é um portador da paz e a boa psicoterapia um reencontro com a parte mais importante, a pessoalidade divina, de cada um de nós.

Cada ser humano é um grande milagre! E seu valor, não há como estimar!

Psicoterapia na sua melhor versão é enfrentar o dragão com a espada da justiça (o amor), resgatar a criança pura, que estava confinada no mais profundo calabouço da personalidade, e torná-la outra vez soberana sobre o reino do eu, para que cresça, amadureça e se torne tudo o que foi desenhada para ser.

Quero crer que existem psicólogos perfeitos, aversos à preguiça e à extorsão. Homens e mulheres cheias de fé, vitoriosos em suas próprias histórias de dores e traumas, capazes de iluminar, salgar e curar.

Acredito em uma Psicologia que vale à pena ser praticada.

Obrigado a todos os psicólogos que encontram cotidianamente a pérola de grande valor dentro de seus pacientes e corajosamente se implicam com eles, pois se responsabilizam pelo tesouro da nação.

Nós todos, brasileiros, fomos vocacionados para a liberdade, prosperidade, beleza e honra!

O acúmulo de vícios, baixa autoestima, fraqueza mental, violência doméstica, escolaridade insuficiente, abuso moral e sexual, etc., todas essas coisas não terão lugar permanente na nossa grande nação!

Logo, logo, levantaremos os olhos para contemplar uma nova gente brasileira, todos nós em estado de posse da nossa plena autonomia e saúde mental!

Eis a minha psicoterapia, eis a minha fé!

Boa semana a todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

A vergonha e a verdade

Boa tarde a todos!

Estive pensando sobre o que escrever no post dessa semana. A categoria da vez é “Sabedoria cristã”.

Queria lhes falar hoje aqui um pouco sobre a relação entre a vergonha e a verdade.

Muitas pessoas estão acostumadas a pensar em Deus como uma realidade exteriora, objetal ou pessoal.

“Deus é o que está lá fora, ou melhor, lá em cima”, ou “Deus é uma pessoa diferente que mora do lado de lá”.

Mas Deus não é nem uma coisa lá fora nem uma pessoa diferente.

Os deuses são as personificações dos valores mais importantes que colocamos diante de nós.

É por isso que falar em deuses ainda não é dizer muita coisa redentiva ou construtiva, porque há valores que desgraçam a vida, atrasam os sonhos, adoecem o corpo, demenciam a mente, repelem os outros, e, no final, matam a alma.

As Escrituras Sagradas falam dos falsos deuses ou ídolos e do Deus Altíssimo, Eterno e Verdadeiro.

A falsidade de um ídolo está em que ele não é capaz de falar… Falar ao coração… Falar ao pulmão… Falar ao cérebro… Falar aos braços… Falar às pernas… Falar às emoções… Falar às relações… E sobretudo, incapaz de falar a verdade a respeito das coisas.

Enquanto um homem se desgasta em pecados, nada é capaz de falar à sua alma. Não há encontro, não há reconciliação com a integridade pessoal, não há um sopro de esperança de vida nem de futuro.

O falso deus é um pedaço de pau oco ou uma ideia vazia e sem valor, que nada ouve, nada vê, nada sente, nada entende… Na presença de um nada o homem segue cruelmente ignorando e esmagando a si mesmo, ferindo-se e degradando-se em todo o tipo de perversidade e malefícios.

Enquanto há mentira para com a alma, estamos envergonhados e procuramos as sombras de escanteio para alimentar os altares aos deuses que não passam de ausências, vazios, silêncios, sepulcros.

Por outro lado, por exemplo, quando um homem recebe a sua esposa do SENHOR, quer dizer através dos valores, Espírito ou Lei do SENHOR, o que acontece?

Ai não há vergonha alguma, há verdade. E na verdade ele encontra a reconciliação mais profunda consigo mesmo, com seus pais, família e ancestrais, e toma posse de uma qualidade de vida e saúde que jamais terá fim e pode ser apresentada dignamente a todos os homens.

É por isso que as Escrituras apresentam o SENHOR como o Único e Verdadeiro Deus.

A verdade da vergonha é que ela é um sinal do pecado, da substituição do que cura pelo que adoece, da prostituição do que devia ser beleza, justiça e honra, da negligência profunda de um homem para consigo mesmo por causa da sua falta de fé no Espírito Santo do SENHOR (o espírito que renuncia ao pecado e faz o que é o Certo mesmo enquanto a coisa errada continua acontecendo).

Não existe nenhum pecado que não seja um ato de violência contra a dignidade e a vida de quem o pratica.

Não existe nenhum caminho do SENHOR que seja um desrespeito contra a alma ou uma fonte de vergonha para a pessoa e os outros.

Quando você se arrepende de todo o seu pecado e algo foge da sua presença envergonhado, esse é o sinal da idolatria.

Uma vez que você se torna íntegro, inteiro, santo, então você consegue falar com as pessoas de bem e habitar os lugares de honra e dignidade, e participar das refeições que honram o SENHOR como Deus.

O Deus com “D” maiúsculo é belíssimo, mas não é nem uma pessoa nem um objeto lá longe. Ele é um espírito de santidade e formosura, de respeito e integridade, de coragem e força, de sabedoria e inteligência, de prudência e segurança, de favor e libertação, de poder e bênçãos sem fim.

Deixe a cura do SENHOR soprar para dentro do seu pulmão…

Abandone os ídolos, pare de chamar de precioso aquilo que só traz vergonha, morte e escravidão…

Pare de ser mau consigo mesmo(a), trate-se bem, arrependa-se dos falsos projetos e dos falsos valores, e volte-se para o Único Deus Verdadeiro…

O SENHOR está aqui, você percebe?

Louvado seja o Deus Eterno!

“Quem fizer do SENHOR o seu Deus e o colocar em primeiro lugar sobre toda a sua vida, ele(a) será curado até se tornar completamente feliz”!

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.