A mulher e o lar

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que descobrindo um pouco mais a respeito da singularidade do propósito do SENHOR Deus para cada um de vocês!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a beleza de ser mulher.

O que acontece quando a mulher deixa o lar? O lar fica sem a mulher.

Mas o que isso quer dizer de fato? Por que encorajamos a consagração da mulher ao seu lar?

Homens e mulheres são totalmente diferentes, seus poderes e interesses fazem com que não possam se substituir mutuamente.

Embora o culto contemporâneo ensine as mulheres a odiarem a sua feminilidade e buscarem se transformar a ponto de competir em igualdade com os homens, esboçando um comportamento caricaturado que as degenera profundamente, uma mulher jamais será feliz agindo como se fosse um homem e negligenciando o seu chamado divino à edificação da família e serviços no lar.

A mulher foi criada pelo SENHOR Deus com poderes e interesses nobilíssimos: é ela quem pensa na pessoa do marido; quem sem importa com as necessidades das crianças; quem zela pela higiene e bom ambiente doméstico; quem se preocupa com o alimento de todos; etc. É a mulher quem veste a família e a socorre cotidianamente, conversando e mantendo unidos todos aqueles que importam para os seus amados.

Nenhum homem fica forte de verdade sem o cuidadoso trabalho espiritual da sua esposa, que o ouve e ajuda a ver os caminhos do SENHOR Deus para a aplicação da sua fortaleza.

Quando a mulher abandona a sua casa, então a casa é arruinada, pois homem nenhum tem o espírito e o talento para edificá-la no lugar de sua mulher.

Uma mulher só pode deixar o seu lar se colocar outra igualmente consagrada no seu lugar, mas ainda assim, terá que carregar o ônus da sua ausência, pois sua singularidade não se realiza pelas mãos de outros.

Por isso, acredito que a mulher só deve sair do lar temporariamente, porque seu marido e filhos precisam mais dela do que ela possa imaginar.

O SENHOR Deus tem um modo de nos mostrar o que fazer de modo que até nossos períodos de ausência e negligência podem se tornar em marcos memoriais, que nos fazem ter fé e perseverar na justiça em tempos futuros de grande adversidade.

A lição da experiência é a seguinte: o drama da vida de uma mulher é o destino de suas famílias, seu marido e filhos. Essa é a sua cruz, o fardo escolhido pelo SENHOR Deus para que se manifeste o Reino do SENHOR Deus.

Se você foi longe demais, seguindo o culto desse mundo, considere a possibilidade de se arrepender e retornar ao lar.

Suas famílias precisam de você, seu marido e seus filhos também.

Para nascer para uma nova vida é preciso morrer para a antiga.

Deixe o Espírito do SENHOR Deus (“não matarás”, “não adulterarás”, “honra teu pai e tua mãe”, “guarda o sábado para santificá-lo”, etc.) lhe guiar, para que o seu Pai Celestial possa lhe mostrar o que e como fazer para retornar ao seu lar e cumprir perfeitamente a sua divina vocação.

Eu acredito em vocês! Eu acredito em milagres!

Tenham uma boa semana!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, homem de dores.