A quem honra, honra

“Certo dia Jesus[, o Cristo,] estava orando em determinado lugar. Tendo terminado, um dos seus discípulos lhe disse: ‘Senhor, ensina-nos a orar, como João [Batista] ensinou aos discípulos dele’.

Ele lhes disse: ‘Quando vocês orarem, digam: Pai! Santificado seja o teu nome'”. (Lucas 11.1-2a. NVI).

Boa tarde a todos!

Você se considera importante? Sente nos ossos que a sua pureza merece o respeito?

Se você já passou para a casa dos 30 anos ou mais, provavelmente já observou o fenômeno da autoridade no mundo: certas coisas só acontecem na presença de certo alguém.

As pessoas são fenomenais porque na plenitude da sua integridade coisas especiais acontecem no mundo que sem elas não aconteceriam jamais. É por isso que em nome de certas pessoas se faz e realiza coisas espetaculares.

O nome de alguém carrega o poder da sua presença e da maravilha do dom que nele está.

Se você deseja orar com Jesus, o Ungido do SENHOR, precisa aprender a tratar com respeito o Nome dos nomes, o Nome Todo-poderoso do SENHOR, Deus.

É difícil para o inexperiente compreender essa relação direta entre o nome de alguém e a sua presença ou poder de ação ou espírito, mas digo aos neófitos o nome do Justo carrega a sua justiça.

As promessas bíblicas são incontáveis e firmes: quem invocar o nome do SENHOR será salvo/socorrido/ajudado.

Nos Estados Unidos da América o nome “Jesus” é interjeição: “ops, tropecei… Jesus!” Já no Brasil temos o “Nossa Senhora!” ou o “meu Deus!” na boca de todo o mundo.

Mas o que de fato significa o nome “SENHOR Deus” ou “Jesus, o Cristo”? Invocar o nome do Deus Verdadeiro ou do seu Cristo significa de uma só vez adentrar a sua presença e submeter-se ao seu Espírito.

Quando você orar, deve dizer “seja tratado com respeito o teu nome, ó Deus”, “seja pronunciado com reverência e importância o nome daquele por meio do qual temos socorro, poder, força, saúde e riquezas sem fim”.

Os budistas tratam da sua vida como se não houvesse um Deus do lado de lá, mas há. Existe um outro sempre presente e eternamente poderoso na outra ponta, para onde dirigimos as nossas orações.

Seja cauteloso quando pronunciar o Nome do Altíssimo e suplique para que todos o tratem com a devida honra em pureza de intenção.

Tudo a respeito do SENHOR Deus tem a ver com os nossos esforços para amar e permanecer no amor. Por isso, dizemos que somos santos quando estamos reconciliados com o grande Eu Sou.

A conclusão da lição de Jesus, o Cristo, sobre a oração é que o SENHOR Deus não negará em hipótese alguma o Espírito Santo ao coração daqueles que o pedirem sinceramente.

Experimente entrar na presença do SENHOR Deus… Experimente pronunciar o seu nome como se fosse sagrado…

Suas experiências de fé lhe concederão discernimento progressivamente e ao longo dessa jornada você reconhecerá que quando invoca o nome do SENHOR Deus deve fazê-lo com reverência e limpo de coração.

A religião cristã tem tudo a ver com a aproximação do homem com a beleza da santidade do SENHOR Deus.

Você fica mais bonito quando invoca o santíssimo nome do SENHOR Deus.

Limpos e curados, é assim que ficamos quando tratamos com honra aquele que é Digno.

Tratar corretamente o nome do SENHOR Deus é estar no caminho certo para a vida eterna. Pense nisso!

Obrigado por estar hoje aqui!

Que o SENHOR Deus abençoe a todos nós e nossas famílias! Em nome de Jesus, o Cristo, amém.

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Há esperança.

“Logo depois, Jesus foi a uma cidade chamada Naim e com ele iam os seus discípulos e uma grande multidão.

Ao se aproximar da porta da cidade, estava saindo o enterro do filho único de uma viúva; e uma grande multidão da cidade estava com ela.

Ao vê-la, o Senhor se compadeceu dela e disse: ‘não chore’.

Depois, aproximou-se e tocou no caixão e os que o carregavam pararam. Jesus disse: ‘jovem, eu lhe digo, levante-se!’ O jovem sentou-se e começou a conversar, e Jesus o entregou à sua mãe.

Todos ficaram cheios de temor e louvavam a Deus. ‘Um grande profeta se levantou entre nós’, diziam eles. ‘Deus interveio em favor do Seu povo’.

Essas notícias sobre Jesus espalharam-se por toda a Judéia e regiões circunvizinhas” (Lucas 7. 11-17. NVI).

Jesus Cristo havia curado muitos e expulsado espíritos malignos de todos aqueles que o haviam buscado. Sua fama era grande e seus discípulos e uma grande multidão o seguiam, quando chegou a Naim.

A viúva de Naim era uma mulher muito considerada, pois uma grande multidão da cidade estava com ela, enfrentando mais uma terrível perda: a morte de seu único filho.

A majestade e a glória de Deus acompanhavam Jesus Cristo. E ele se compadeceu daquela viúva, consolou ela e devolveu-lhe o filho à vida.

Acho que Deus se compadece quando encontra o valor: o espírito do Seu próprio Espírito.

A perversidade não convence, não comove, não move.

Mas o Deus Eterno é justo e bom.

Há mulheres cujo espírito é tão belo e profundo, cuja submissão a Deus e à autoridade é tão profunda e verdadeira, que a sua dor comove e move, que o seu choro se faz ouvir nos mais altos céus.

Uma multidão foi consolar essa viúva e o próprio Senhor Jesus Cristo também. Isso é grande coisa.

Mas maior do que isso é a boa nova de que, quando o coração do Senhor Jesus Cristo se compadeceu, houve pronto socorro e ressurreição.

Uma palavra da boca do Filho de Deus trouxe de volta dos mortos um jovem de Naim para a sua mãe.

Que grande reverência, que imenso respeito, temor e tremor a realidade da justiça de Deus causa no coração daqueles que a testemunham!

Vivemos em um mundo superficial de mentiras e muitos enganos. A arrogância dos homens não tem fim! Mas de quando em quando a realidade se adensa: há uma justa nascida de Deus. E o próprio Deus intervém em favor daquela de quem Ele se compadece para lhe devolver dos mortos o seu filho perdido, a sua herança.

Quando momentos assim acontecem perto de nós e temos olhos para ver, e temos ouvidos para ouvir, exclamamos assim: “Deus interviu em favor do Seu povo!” Pois não são os pagãos que louvam a Deus, mas aqueles praticam a justiça de Deus e se chamam povo de Deus.

“Um grande profeta se levantou entre nós!”

O profeta é um homem que ama a Deus sobre todas as coisas. Ele se compadece daquele de quem se compadece o próprio Deus e faz somente o que vê Deus fazer.

E é essa compaixão de Deus pelos que são legitimamente seus que comove e move o nosso coração de volta para casa, de volta para Deus.

Deus vê o puro de coração e o puro de coração vê a Deus.

Quando Deus ouve o choro legitimo de um justo, Ele se compadece e devolve à vida o filho morto por amor do Seu justo.

Apeguemos-nos à justiça de Deus praticando-a em todo o tempo, com todas as nossas forças e entendimento, de todo o nosso coração com fé. Pois o próprio Deus, que justifica o Seu justo, intervém em seu favor quando se compadece do Espírito Santo que está nele.

Deus se compadece porque enxerga o Seu próprio coração em um filho espiritual.

Quem teme a Deus submete-se à autoridade divina onde quer que ela esteja. Deus vê essa submissão e isso Lhe toca o coração, comove-O e move-O. Porque assim faz o Espírito Santo de Deus.

Sejamos fiéis no pouco e no muito; sejamos fiéis em tudo e apesar de tudo.

Há esperança porque Deus se compadece do puro de coração e lhe faz justiça de Deus sobre a face da terra.

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.