Adorando o homem bom

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que acendendo outra vez o amor que acolhe e disciplina, cumprindo toda a justiça, para a sua Salvação!

Hoje vamos ler a Bíblia mais uma vez aqui. Que o SENHOR Deus nos dê a sua Palavra, em nome de Jesus, o Cristo, amém!

Disse-lhes Jesus: “Ai de vocês[, peritos na lei], porque edificam os túmulos dos profetas, sendo que foram os seus próprios antepassados que os mataram. Assim vocês dão testemunho de que aprovam o que seus antepassados fizeram. Eles mataram os profetas e vocês lhes edificam os túmulos.

Por isso, Deus disse em sua sabedoria: ‘eu lhes mandarei profetas e apóstolos, dos quais eles matarão alguns e a outros perseguirão’. Pelo que esta geração será considerada responsável pelo sangue de todos os profetas, derramado desde o princípio do mundo: desde o sangue de Abel até o sangue de Zacarias, que foi morto entre o altar e o santuário. Sim, eu lhes digo, esta geração será considerada responsável por tudo isso” (Lucas 11.47-50. NVI).

Quem é Jesus de Nazaré? Quem é esse homem a quem chamamos de Cristo ou Ungido de Deus?

Jesus é o homem bom.

O escândalo da adoração a Jesus de Nazaré é que adorando ele estamos adorando ao homem bom.

O homem bom é aquele homem que é escravizado pelos homens violentos, usado e abusado justamente por sua índole verdadeira.

O mundo é carregado pelos ombros dos homens bons, aqueles que por meio da humildade e fidelidade, preocupam-se em fazer o verdadeiro bem que está a seu alcance em um sacrifício de amor pelo SENHOR Deus e pelo próximo.

No final, as obras de todos os outros homens são apagadas, mas os feitos dos homens bons permanecem de geração a geração. Por essa razão que seu nome é lembrado e seu legado eternizado, porque a excelência humana procede dos homens de fé.

Os peritos na lei se apoderam desses tesouros, mas não para promover o bem comum, antes, motivados por sua ganância, administram as palavras de vida cruelmente, roubando o mundo e envenenando a sua própria geração. Muitos enganos e grande violência, os covardes matam e perseguem os filhos da Luz.

O engano fundamental é distorcer o entendimento até o ponto de fazer desconfiar de que o verdadeiro poder, honra, glória e majestade pertençam total e exclusivamente ao homem bom.

Esses fariseus e peritos na lei inclusive fazem parte das igrejas e instituições cristãs. Eles fazem Jesus de Nazaré parecer alguém com superpoderes, um ser divinizado e irrepetível, porque assim se consagram como exclusivos portadores da sua mensagem, truques mágicos e autoridade.

Mas isso está errado! A verdadeira espiritualidade e redenção começam quando as mentiras se calam no gesto perfeito de arrependimento e adoração sincera ao homem bom.

É ali onde você é somente um homem com uma boa intenção que nasce o espírito santo, o surgimento do autêntico cristão.

Abel e Zacarias não tinham superpoderes, mas se deixaram ser e permanecer homens humildes e servos fiéis.

Servo e escravo do SENHOR Deus é o homem livre que livremente ajuda o próximo até o fim de seus dias pela fé.

O homem bom faz o que é o certo, permanecendo reto e obediente ao SENHOR Deus, mesmo quando sua vida ou as fontes da sua vida (sua família, pais, cônjuge, filhos) parecem estar sob ameaça.

Jesus de Nazaré não se mantinha fiel porque tinha poderes sobrenaturais, mas recebeu poderes sobrenaturais porque se mantinha fiel. O homem bom será exaltado eternamente!

Se você é um perito na lei, tem nas mãos autoridade para dar vida e morte, porque o homem bom vive a serviço da sua nação. Se você o machucar, então perderá o seu trono, sua paz e o seu lar. Mas se se arrepender, tanto para honrá-lo, quanto para seguir os seus passos, então os seus pecados lhe serão perdoados e você terá parte na herança do justo, que é a verdadeira herança e a riqueza que jamais se perderá.

Hoje é um dia de festa, pois aqui e agora o escândalo cristão está aberto para o povo brasileiro e as nações de língua portuguesa!

Essa é a pedra angular do Reino do SENHOR Deus e também a rocha que faz tropeçar e cair!

Você ousaria retirar os seus olhos do homem arrogante e torná-lo dedicado à virtude do homem bom?

Que o SENHOR Deus responda favoravelmente à sinceridade do seu coração! Em nome de Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, amém.

Deus abençoe a sua semana!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, homem religioso.

Fardos difíceis de carregar

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que cultivando uma vida de devoção e fé, uma vida de pureza de espírito e esperanças no Deus de Cristo, o SENHOR!

Hoje vamos ler a Bíblia mais uma vez, um trecho do Evangelho de Lucas. Que o SENHOR Deus nos dê a sua palavra, em nome de Jesus, o Cristo, amém!

“‘Quanto a vocês, peritos na lei’, disse Jesus, ‘ai de vocês também! Porque sobrecarregam os homens com fardos que dificilmente eles podem carregar e vocês mesmos não levantam nem um dedo para ajudá-los'” (Lucas 11. 46. NVI).

Quem legisla, advoga, documenta, contabiliza, normatiza… Geralmente faz isso sobre a vida dos outros, mais especificamente sobre a vida dos simples, dos homens comuns.

Se os peritos na lei estivessem incluídos nas regras que impõe aos demais cidadãos, talvez não fossem censurados pelos olhos divinos, como foram nesse momento.

As pessoas que manipulam os parâmetros da vida em sociedade são os que dominam sobre o povo por meio da força e poder de polícia. Aumentar impostos, criar “novos pecados” ou motivos para punições, é muito fácil arbitrar sobre a vida dos outros, quando há proteções legais para que o mesmo rigor que se aplica ao outro nunca recaia sobre mim mesmo e minha família.

O verdadeiro legislador é um homem de compaixão e grande misericórdia. O Ungido do SENHOR Deus é aquele que trabalha no sábado (shabbat) quando isso significa ajudar seu próximo a carregar seu fardo na vida. Às vezes devemos sacrificar a lei/hábito/costume para fazer a Justiça do SENHOR Deus.

“Como são bonitos os pés dos que anunciam boas novas”.

Quem legisla para a liberdade de todos, legisla para a glória do SENHOR Deus; quem julga segundo a Justiça do SENHOR Deus, pratica o bem e jamais será desarraigado, sua família viverá eternamente.

Se você recebeu poder do alto para determinar como viverá o seu irmão, tenha cuidado para não obrigá-lo a um rigor que traga condenação sobre você que legisla e a sua família.

Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, não suporta a hipocrisia dos homens cruéis, que em face do sofrimento, necessidade e vulnerabilidade do seu compatriota se exaltam como tiranos sem coração.

O mais fraco, seja estrangeiro, órfão ou viúva, tem o próprio SENHOR Deus Altíssimo como escudo e fortaleza. O justo humilde será vingado e indenizado em toda medida e além.

Por que você age com orgulho arrogante, como se a posição de influência e poder sobre o povo não lhe tivesse sido dada pelo SENHOR Deus para a prática do bem?

O seu irmão mais fraco é você. A fraqueza e a força são circunstanciais, pois somos todos iguais, à mercê dos desígnios do SENHOR Deus.

Lembre-se do SENHOR Deus enquanto é tempo! Devolva o dinheiro extorquido, restitua os bens roubados!

Viva segundo as leis da sua nação, sabendo que todo caso legal pode ser reinterpretado à luz da complexidade da situação concreta e da misericórdia do Soberano do Universo.

Não é porque algo é legal que a sua aplicação também é ética. Pois às vezes a lei promulgada é antiética e às vezes o cumprimento da ética extrapola as leis da nação.

Aprofunde a sua espiritualidade: “o outro sou eu; o outro é minha família; o outro é minha própria alma”.

Sabe qual a vitória do SENHOR Deus no mundo? O homem íntegro, fiel, leal e justo.

No amor está a chave que desfaz toda amarra de condenação. “Caim, se você fizer o bem acaso não será também aceito?”

O SENHOR Deus em nós é como um refrescante Espírito Santo, mas também como um fogo de juízo e separação para todo aquele que oprime e violenta o seu irmão.

Não é porque todo mundo está fazendo que está certo; não é porque você pode fazer que é justo fazê-lo.

Abandone o direito quando ele promove a injustiça.

“É melhor um bom nome do que os lucros da perversidade”.

O SENHOR Deus enriquecerá o homem bom.

Eu acredito em milagres!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

Inerrância bíblica

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que a cada novo dia estejam se dando conta do privilégio que é o tempo em que podem estar juntos, compartilhando a vida e tocando uns aos outros em amor!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o conceito teológico chamado inerrância bíblica.

A organização da religião cristã foi acontecendo, uma vez que a cada dia se tornava mais relevante a nova religião centrada na pessoa de Jesus, o Cristo do SENHOR Deus.

Os apóstolos como fundamentos foram dando lugar aos escritos apostólicos e canônicos, pois com sua inevitável morte, seria necessário levantar fundamentos atemporais para a religião cristã.

Houve então concílios e reuniões com autoridades da igreja institucionalizada em que se elegeram quais livros/cartas seriam acrescentados ao cânon judaico, como Escrituras Sagradas, Palavra de Deus.

A partir dessa escolha, foram necessárias explicações e argumentos para justificar essa biblioteca especial. E nesse ponto chegamos à ideia fundamental da inspiração divina.

“Os livros da Bíblia foram inspirados pelo SENHOR Deus”, postularam. Por essa razão, concluíram, “a Bíblia não contém erros”, o conceito de inerrância.

Esse último salto, a meu ver, se dá mais por um tipo de reserva de mercado do que por uma sincera observação do material bíblico, pois a Bíblia contém erros. Por exemplo, em Apocalipse 7. 4-8, as 12 tribos de Israel são enumeradas equivocadamente, pois as tribos de Manassés e Benjamim são a tribo de José, seu pai, e a de Dã não é mencionada.

Mas teólogos, como o Dr. William Lane Craig, argumentam que a Bíblia contém erros, mas todos os seus ensinos são verdadeiros. Infelizmente, porém, isso também não é verdadeiro. Por exemplo, no livro Eclesiastes de Salomão, o autor ensina que a vida é vazio de vazios e que tudo o que o homem faz na terra é correr atrás do vento, o que somente é verdadeiro para pessoas praticando pecados, como o próprio Salomão, que no final da vida construía templos pagãos para suas “esposas”. Ou também a conclusão do livro de Jó, que desmerece toda a contribuição dos discursos dos amigos de Jó, sendo que elas, na verdade, são o único conteúdo divinamente inspirado, que justifica a presença desse livro na Bíblia.

Assim, chegamos à conclusão de que o conceito de inerrância bíblica quer induzir-nos, manipular-nos, inclinar-nos em uma direção, para darmos importância ao texto bíblico e aos seus intérpretes autorizados, por um motivo que na verdade não é verdadeiro.

Infelizmente, a Bíblia contém erros. Mas é muito importante!

O único jeito de se interpretar a Bíblia corretamente é se concentrando na sua própria experiência de arrependimento e fé, pois é o Espírito Santo que nos convence da verdade, da justiça e do juízo do SENHOR Deus.

Quem se move sinceramente na direção do SENHOR Deus, Pai Celestial, vai sendo santificado, quer dizer, a verdade divina vai ganhando espaço em seu coração e, desse modo, ele consegue discernir a verdade de Deus no meio dos textos sagrados e na vida, onde ele está.

O caminho que leva à salvação (socorro, livramento, cura, perdão, favor divinos, etc.) não é difícil de se encontrar, mas requer a coragem de julgar e decidir, conforme os santos mandamentos do SENHOR Deus.

A Bíblia Sagrada contém erros, mas o justo encontra nela a sua força e consolação.

A Bíblia Sagrada contém ensinos equivocados, mas o santo encontra nela a esperança de vida eterna.

Prefiro a Bíblia Sagrada do que qualquer outra coleção de livros, pois meditando sobre suas palavras eu ouço a voz do SENHOR Deus, o único Deus Verdadeiro.

Eu acredito em milagres!

Uma boa semana para todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

A quem honra, honra

“Certo dia Jesus[, o Cristo,] estava orando em determinado lugar. Tendo terminado, um dos seus discípulos lhe disse: ‘Senhor, ensina-nos a orar, como João [Batista] ensinou aos discípulos dele’.

Ele lhes disse: ‘Quando vocês orarem, digam: Pai! Santificado seja o teu nome'”. (Lucas 11.1-2a. NVI).

Boa tarde a todos!

Você se considera importante? Sente nos ossos que a sua pureza merece o respeito?

Se você já passou para a casa dos 30 anos ou mais, provavelmente já observou o fenômeno da autoridade no mundo: certas coisas só acontecem na presença de certo alguém.

As pessoas são fenomenais porque na plenitude da sua integridade coisas especiais acontecem no mundo que sem elas não aconteceriam jamais. É por isso que em nome de certas pessoas se faz e realiza coisas espetaculares.

O nome de alguém carrega o poder da sua presença e da maravilha do dom que nele está.

Se você deseja orar com Jesus, o Ungido do SENHOR, precisa aprender a tratar com respeito o Nome dos nomes, o Nome Todo-poderoso do SENHOR, Deus.

É difícil para o inexperiente compreender essa relação direta entre o nome de alguém e a sua presença ou poder de ação ou espírito, mas digo aos neófitos o nome do Justo carrega a sua justiça.

As promessas bíblicas são incontáveis e firmes: quem invocar o nome do SENHOR será salvo/socorrido/ajudado.

Nos Estados Unidos da América o nome “Jesus” é interjeição: “ops, tropecei… Jesus!” Já no Brasil temos o “Nossa Senhora!” ou o “meu Deus!” na boca de todo o mundo.

Mas o que de fato significa o nome “SENHOR Deus” ou “Jesus, o Cristo”? Invocar o nome do Deus Verdadeiro ou do seu Cristo significa de uma só vez adentrar a sua presença e submeter-se ao seu Espírito.

Quando você orar, deve dizer “seja tratado com respeito o teu nome, ó Deus”, “seja pronunciado com reverência e importância o nome daquele por meio do qual temos socorro, poder, força, saúde e riquezas sem fim”.

Os budistas tratam da sua vida como se não houvesse um Deus do lado de lá, mas há. Existe um outro sempre presente e eternamente poderoso na outra ponta, para onde dirigimos as nossas orações.

Seja cauteloso quando pronunciar o Nome do Altíssimo e suplique para que todos o tratem com a devida honra em pureza de intenção.

Tudo a respeito do SENHOR Deus tem a ver com os nossos esforços para amar e permanecer no amor. Por isso, dizemos que somos santos quando estamos reconciliados com o grande Eu Sou.

A conclusão da lição de Jesus, o Cristo, sobre a oração é que o SENHOR Deus não negará em hipótese alguma o Espírito Santo ao coração daqueles que o pedirem sinceramente.

Experimente entrar na presença do SENHOR Deus… Experimente pronunciar o seu nome como se fosse sagrado…

Suas experiências de fé lhe concederão discernimento progressivamente e ao longo dessa jornada você reconhecerá que quando invoca o nome do SENHOR Deus deve fazê-lo com reverência e limpo de coração.

A religião cristã tem tudo a ver com a aproximação do homem com a beleza da santidade do SENHOR Deus.

Você fica mais bonito quando invoca o santíssimo nome do SENHOR Deus.

Limpos e curados, é assim que ficamos quando tratamos com honra aquele que é Digno.

Tratar corretamente o nome do SENHOR Deus é estar no caminho certo para a vida eterna. Pense nisso!

Obrigado por estar hoje aqui!

Que o SENHOR Deus abençoe a todos nós e nossas famílias! Em nome de Jesus, o Cristo, amém.

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Entre o Antigo e o Novo Testamento

Bom dia a todos!

Gostaria de lhes oferecer uma chave hermenêutica para a compreensão da relação entre o Antigo e o Novo Testamento bíblico.

Muitas pessoas se sentem confusas ao estudar a Bíblia, porque parece haver uma discrepância entre seus livros, especialmente entre o chamado Antigo Testamento (AT) ou Bíblia Hebraica e o Novo Testamento (NT) e, mais especificamente, as cartas do Paulo, apóstolo.

Temos dois obstáculos nessa leitura. Em primeiro lugar a língua, pois o AT foi escrito em Hebraico e Aramaico, mas o NT escrito em Grego. Em segundo lugar, algumas das palavras chaves usadas no AT são repetidas no NT mas com um sentido diferente.

A palavra mais importante do AT é “Lei”. Todo o AT se concentra de forma especial ao redor dos elogios ou recomendações daquilo que se chama de “a Lei do SENHOR Deus”, seus preceitos e ordenanças. Aquilo que é apresentado no AT representa a vontade do SENHOR Deus e as consequências superlativas de acatá-la e destrutivas de desobedecê-la.

Existem Salmos maravilhosos, como o Salmo 119, dedicado exclusivamente ao elogio da Lei do SENHOR Deus, por exemplo.

Todavia, no NT, e, mais especificamente, nas cartas do apóstolo Paulo aos Romanos, aos Gálatas, etc., temos o uso de expressões em Grego que também se traduzem como “lei”, mas que não recebem o elogio e a ênfase positiva como aquelas outras no AT. Pelo contrário, quase todos os usos da expressão “lei” parecem acompanhadas de uma certeza firme e definitiva de que “a lei não é capaz de salvar”.

Mas estão o AT e o NT falando sobre a mesma coisa?

Acredito que não.

Quando o AT fala sobre a “Lei do SENHOR”, ele está se referindo aos mandamentos do SENHOR Deus, “não matarás”, “não adulterarás”, “não darás falso testemunho contra o seu próximo”, “não terás outros deuses além de mim”, etc. O que é na verdade o Espírito da Santidade do SENHOR Deus, poderoso não somente para salvar mas até mesmo ressuscitar!

Por outro lado, quando o NT fala sobre a “lei”, ele parece estar se referindo ao conjunto de tradições que se associaram à religião judaica que, adotadas por homens hipócritas, tinham a função de substituir a obediência direta à Lei do SENHOR Deus, e oferecer “redenção” sem arrependimento e fé.

Por exemplo, essa falsa tradição judaica, ou tradição judaica meramente exterior, tinha a capacidade de oferecer caminhos “religiosos” ou “justificáveis” para que os homens não precisassem mais honrar pai e mãe, pudessem oprimir seu próximo e praticar pecados (cf. Mc 7.1-24).

Por isso que acredito que a melhor chave hermenêutica para a correta compreensão do AT e NT é que a expressão “Lei do SENHOR” no AT equivale à expressão “Espírito Santo” no NT, e a expressão “lei” no NT equivale à expressão “falsa tradição judaica” ou “tradição judaica meramente exterior, ritualística ou costumeira”.

A Lei do SENHOR Deus, os 10 Mandamentos e todos os preceitos morais do AT são o Espírito Santo do SENHOR Deus. Como você reconhece o Espírito Santo do SENHOR? É o hálito daquele que está praticando e guardando as Leis do SENHOR Deus Todo-poderoso.

O Espírito Santo não é uma pessoa, é um espírito de santidade. Não coexiste nenhuma cobiça com o Espírito do SENHOR Deus, por exemplo. Assim um homem cobiçoso não tem o Espírito Santo do SENHOR Deus.

Quando você estiver lendo o AT e ouvir elogios à Lei do SENHOR, substitua os termos “Lei”, “Preceitos” e “Ordenanças”, por Espírito Santo ou Espírito de Santidade do SENHOR Deus. Por outro lado, quando você estiver lendo o NT e ouvir menções ao Espírito Santo, leia no profundo dessas menções uma alusão àquele que guarda a Lei do SENHOR Deus.

Infelizmente Paulo, o apóstolo, usou a palavra que se traduz para nós por “lei”, criando uma confusão aparente para a compreensão dos artigos de fé. Contudo na introdução ao livro Romanos ele deixa claro que o propósito da graça e do apostolado é “chamar dentre todas as nações um povo para a obediência que vem pela fé” (Rm 1.5. NVI).

“Obediência a que, apóstolo Paulo?” Obediência à Lei do SENHOR Deus Todo-poderoso! Quando você realmente confia no SENHOR Deus você faz o que é o Certo segundo a sua Santa Lei.

Por isso quando você ler a palavra “lei” nas cartas de Paulo, o apóstolo, assegure-se de que ele provavelmente está se referindo à “falsa tradição judaica” usada pelos hipócritas para mascarar sua incredulidade e perversidade (cf. Lu 11.37-54). A verdadeira tradição judaica procede do mesmo arrependimento e fé, confiança no SENHOR Deus e coragem verdadeira, do patriarca Abraão. Não são os costumes que fazem o verdadeiro judeu, mas o caráter e a fé aprovados pelo SENHOR Deus e seu Cristo.

O SENHOR Deus é o mesmo ontem, hoje e para sempre. Sua Palavra permanecerá até o fim!

A Lei do SENHOR Deus é boa, perfeita e agradável! Ela é o Espírito Santo ou o Espírito de Santidade do SENHOR Deus.

Louvado seja o SENHOR, o Único que é Deus e cujo Espírito Santo é capaz de salvar, libertar, curar e ressuscitar!

Em nome de Jesus Cristo, amém.

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.