Fardos difíceis de carregar

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que cultivando uma vida de devoção e fé, uma vida de pureza de espírito e esperanças no Deus de Cristo, o SENHOR!

Hoje vamos ler a Bíblia mais uma vez, um trecho do Evangelho de Lucas. Que o SENHOR Deus nos dê a sua palavra, em nome de Jesus, o Cristo, amém!

“‘Quanto a vocês, peritos na lei’, disse Jesus, ‘ai de vocês também! Porque sobrecarregam os homens com fardos que dificilmente eles podem carregar e vocês mesmos não levantam nem um dedo para ajudá-los'” (Lucas 11. 46. NVI).

Quem legisla, advoga, documenta, contabiliza, normatiza… Geralmente faz isso sobre a vida dos outros, mais especificamente sobre a vida dos simples, dos homens comuns.

Se os peritos na lei estivessem incluídos nas regras que impõe aos demais cidadãos, talvez não fossem censurados pelos olhos divinos, como foram nesse momento.

As pessoas que manipulam os parâmetros da vida em sociedade são os que dominam sobre o povo por meio da força e poder de polícia. Aumentar impostos, criar “novos pecados” ou motivos para punições, é muito fácil arbitrar sobre a vida dos outros, quando há proteções legais para que o mesmo rigor que se aplica ao outro nunca recaia sobre mim mesmo e minha família.

O verdadeiro legislador é um homem de compaixão e grande misericórdia. O Ungido do SENHOR Deus é aquele que trabalha no sábado (shabbat) quando isso significa ajudar seu próximo a carregar seu fardo na vida. Às vezes devemos sacrificar a lei/hábito/costume para fazer a Justiça do SENHOR Deus.

“Como são bonitos os pés dos que anunciam boas novas”.

Quem legisla para a liberdade de todos, legisla para a glória do SENHOR Deus; quem julga segundo a Justiça do SENHOR Deus, pratica o bem e jamais será desarraigado, sua família viverá eternamente.

Se você recebeu poder do alto para determinar como viverá o seu irmão, tenha cuidado para não obrigá-lo a um rigor que traga condenação sobre você que legisla e a sua família.

Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, não suporta a hipocrisia dos homens cruéis, que em face do sofrimento, necessidade e vulnerabilidade do seu compatriota se exaltam como tiranos sem coração.

O mais fraco, seja estrangeiro, órfão ou viúva, tem o próprio SENHOR Deus Altíssimo como escudo e fortaleza. O justo humilde será vingado e indenizado em toda medida e além.

Por que você age com orgulho arrogante, como se a posição de influência e poder sobre o povo não lhe tivesse sido dada pelo SENHOR Deus para a prática do bem?

O seu irmão mais fraco é você. A fraqueza e a força são circunstanciais, pois somos todos iguais, à mercê dos desígnios do SENHOR Deus.

Lembre-se do SENHOR Deus enquanto é tempo! Devolva o dinheiro extorquido, restitua os bens roubados!

Viva segundo as leis da sua nação, sabendo que todo caso legal pode ser reinterpretado à luz da complexidade da situação concreta e da misericórdia do Soberano do Universo.

Não é porque algo é legal que a sua aplicação também é ética. Pois às vezes a lei promulgada é antiética e às vezes o cumprimento da ética extrapola as leis da nação.

Aprofunde a sua espiritualidade: “o outro sou eu; o outro é minha família; o outro é minha própria alma”.

Sabe qual a vitória do SENHOR Deus no mundo? O homem íntegro, fiel, leal e justo.

No amor está a chave que desfaz toda amarra de condenação. “Caim, se você fizer o bem acaso não será também aceito?”

O SENHOR Deus em nós é como um refrescante Espírito Santo, mas também como um fogo de juízo e separação para todo aquele que oprime e violenta o seu irmão.

Não é porque todo mundo está fazendo que está certo; não é porque você pode fazer que é justo fazê-lo.

Abandone o direito quando ele promove a injustiça.

“É melhor um bom nome do que os lucros da perversidade”.

O SENHOR Deus enriquecerá o homem bom.

Eu acredito em milagres!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

O Reino de Deus está entre nós.

“Certo dia Jesus disse aos seus discípulos: ‘vamos para o outro lado do lago’. Eles entraram no barco e partiram.

Enquanto navegavam, ele adormeceu.

Abateu-se sobre o lago um forte vendaval, de modo que o barco estava sendo inundado e eles corriam grande perigo.

Os discípulos foram acordá-lo, clamando: ‘mestre, mestre, vamos morrer!’

Ele se levantou e repreendeu o vento e a violência das águas; tudo se acalmou e ficou tranquilo.

‘Onde está a sua fé?’, perguntou ele aos seus discípulos.

Amedrontados e admirados, eles perguntaram uns aos outros: ‘quem é este que até aos ventos e às águas dá ordens, e eles lhe obedecem?’

Navegaram para a região dos gerasenos, que fica do outro lado do lago, frente à Galileia” (Lucas 8. 22-26. NVI).

Jesus Cristo ia passando pelas cidades e povoados proclamando as boas novas do Reino de Deus.

Em todo o canto ele anunciava a possibilidade da reconciliação do homem com Deus, para todo aquele que passasse pelo batismo do arrependimento, confirmando esse anúncio com atos maravilhosos e miraculosos da parte de Deus.

Era como se por seu intermédio Deus estivesse dizendo que aquele que entra em uma relação justa com Deus, colocando Deus no Seu devido lugar sobre si mesmo pelo arrependimento, recebe a bênção da Sua intervenção maravilhosa em sua vida.

O anúncio das Boas Notícias era acompanhado por libertação espiritual, curas e transformação da própria personalidade (o sentimento de “eu” mudava de lugar: do pecado para a justiça de Deus).

Os cegos viam, os surdos ouviam, os mudos falavam, os aleijados andavam, os doentes eram sarados, os endemoninhados eram libertos e até os mortos ressuscitavam!

Nunca se viu em todo o mundo tamanha autoridade e poder como em Jesus de Nazaré: o Reino de Deus estava realmente próximo e acessível!

Mas mesmo os discípulos escolhidos não tinham ideia da autoridade dada ao Filho de Deus.

A história conta que Jesus Cristo propôs a seus discípulos que atravessassem o lago.

Enquanto navegavam ele adormeceu.

Enquanto ele dormia, abateu-se sobre o lago um forte vendaval de modo que o barco estava sendo inundado e eles corria perigo.

Eles corriam perigo…

A natureza e a ordem criada ameaçavam aquele pequeno grupo de homens.

Os demônios, que tomavam o corpo e sufocavam o espírito das pessoas, eram expulsos por Jesus Cristo, mas o que faria ele diante dos ventos impetuosos de um vendaval, que os ameaçava de morte? Que força tem um homem diante de um vendaval?

Quem de nós já tentou enfrentar uma onda no mar com socos e chutes, e venceu?

Pode o sopro de um homem mudar os caminhos do vento?

É possível dizer a uma árvore: “nunca mais dê frutos!” e ela secar?

Mas eles, eles corriam perigo ali.

Os discípulos foram acordar Jesus Cristo chamando-o de mestre e anunciando a iminência da sua morte.

Então Jesus Cristo se levantou e repreendeu o vento e a violência das águas; tudo se acalmou e ficou tranquilo.

De fato Deus tem autoridade sobre o vento e pode repreender a violência das águas. Jesus Cristo era Deus; Jesus Cristo é o Filho de Deus, que ressuscitou e vive para todo o sempre! Aleluia!

Mas depois disso ele pergunta aos seus discípulos “onde está a sua fé?”

Qual é essa expectativa de Jesus Cristo para os seus discípulos?

O desespero dos discípulos diante do perigo real que enfrentaram é evidência para Jesus Cristo de que não puderam encontrar a sua fé. Contudo, era justamente da fé que eles precisavam para repreender o vento e a violência das águas.

Jesus Cristo coloca os homens de pé quando eles se ajoelham, em arrependimento, diante de Deus, o Pai Celestial. Estar de pé é quando o homem vive como se Deus fosse Deus; e como se estivesse no Reino de Deus. Porque Deus de fato é Deus e o Reino de Deus é a realidade número 1 desde a eternidade.

Esse texto é extremamente difícil de se compreender porque o ato que Jesus Cristo busca em seus discípulos é que eles confiem em Deus a ponto de vencerem o medo da morte; a ponto de agirem no mundo como se Deus fosse Deus; a ponto de se comportarem como se o Reino de Deus estivesse aqui.

Isso é fé.

Fé em Deus Pai.

Fé no Filho de Deus.

Fé no Espírito Santo.

Essa história não é a história de como o homem pode vencer as leis da natureza. Essa história é a história da realidade do Reino de Deus entre nós por meio da fé.

O Reino de Deus está entre nós.

Arrependamo-nos! O Reino de Deus está próximo!

Quem é esse homem que até aos ventos e às águas dá ordens, e eles lhe obedecem?

Ele é o primogênito dentre muitos irmãos. Todos filhos de Deus pela fé.

Quem tem ouvidos para ouvir ouça!

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.