Desmistificando a revelação de Deus

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que tomando consciência mais e mais das fontes da vida e dos atos do Criador.

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a revelação do SENHOR Deus.

Os teólogos se debatem em torno da questão do conhecimento de Deus, um conhecimento que pode ser natural ou revelado, argumentam.

Sinto um incômodo profundo com uma das proposições que diz que “Deus opta por se fazer conhecido”, deixando sua marca na história ou falando ao homem de forma direta por meio dos seus profetas.

Não acredito que esse nível de deliberação seja possível, pois entendo e creio que absolutamente o SENHOR Deus é aquele que É.

Explicando um pouco, o SENHOR Deus não “opta” por se fazer conhecido, nem se revela com exclusividade, pois em todos os povos, em todas as gentes, o SENHOR Deus e sua Lei (Espírito Santo) são o fundamento de toda a vida e o baluarte de toda a sanidade.

A voz do SENHOR Deus é ouvida em todas línguas e entendida por gentes de todas as nações, porque não há como ocultar o Universo do conhecimento da glória do Todo-verdadeiro.

Ao longo da vida somos sustentados por essa mão invisível que nos socorre e nos preserva como jóias preciosas e filhos amados, uma mão que promove encontros perfeitos e nos oferece um caminho de existência corretivo, justo e bom.

Mesmo na dor e sofrimento sabemos no íntimo que os caminhos da bondade e fidelidade são os únicos que prosperam eternamente, dando-nos continuidade e razão.

O SENHOR Deus é o caminho, a verdade e a vida, e todo aquele que se torna um cristo por meio da fé, torna-se também um foco, um ancoradouro e um aspersor da vida divina, da poderosa graça de Deus.

Moisés era homem como você e eu, e, no entanto, traduziu em suas próprias palavras a índole do SENHOR Deus, que lhe acolheu.

Cada um de nós é único e especial (você é muuuuuito especial!).

Sua jornada será repleta de escapes e livramentos, confirmações e esperanças. Nenhum homem atravessa a vida sem testemunhar a bondade e a misericórdia do SENHOR Deus, o Autor.

Seu protagonismo emana da divindade que está aí dentro, falando sinceramente sobre o que você deve fazer agora, como pessoa de integridade e fé.

Eu sei que é difícil quando lemos nas Escrituras algo que não compreendemos completamente ou que contraria nosso entendimento fundamental. Mas a verdade é que as Escrituras são uma coleção de testemunhos humanos, perspectivas e confissões. Nela temos revelação tanto quanto a nossa experiência revela a onipresença do SENHOR Deus Pai.

Jesus disse que “isso é assim para que vocês saibam que o filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados” (Marcos 2. 10). Isso quer dizer que você e eu podemos alcançar a paz com o SENHOR Deus a ponto de respeitando a sua índole promovermos a reconciliação de outros com tudo aquilo que crê.

Você sem os ídolos, longe da mentira e do engano, é um santo filho do SENHOR Deus. Sem pecado você traz um novo vocabulário para transmitir ao mundo a sua revelação do Santo de Deus.

Jesus é um primogênito por essência, mas você é um revelador da glória do SENHOR Deus porque passará também pelo mesmo caminho de fé e paixão.

Olhe para a longa corrida. Dê passos de distância para recontar a sua história.

Se a dor e a enfermidade ainda não lhe trouxeram ao juízo perfeito, em breve a hora da morte lhe trará ainda mais radicalmente à necessidade de reconhecer que há somente um Deus e que seu nome sempre foi “Eu Amo Você”.

Que o SENHOR Deus lhe abençoe profundamente, porque você já sabe da graça de Deus!

Eu acredito em milagres!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, homem de dores.

Sobre o sexo

Bom dia a todos!

Gostaria de lhes falar hoje um pouco sobre o sexo.

Não existe nada mais significativo que um ser humano possa fazer do que aquilo que ele pode através do sexo.

Através do sexo o homem cria seus valores eternos.

Casamento, filhos… Cumplicidade, companheirismo, caráter, identidade… Equilíbrio, responsabilidade, cura emocional, respeito, família… Pertencimento, morada, lar… Amor, paz, descanso… Vocação, feminilidade, masculinidade… Maturidade, força, coragem, integridade… Hospitalidade, nova vida, novo corpo, nova mente… Bons começos, riquezas, disposição para o trabalho, boa fé… Amabilidade, esperança, perseverança…

Todas essas coisas são chamadas à existência também por meio do sexo.

Nenhum menino se torna homem até que receba de sua mulher a sua autoridade; nenhuma menina se torna mulher até que receba do seu marido o seu valor. Essas transformações se fazem também com o sexo.

Nunca um homem conheceu a grandeza da sua alma até vê-la no prazer da sua mulher para com ele, a primeira criatura que verdadeiramente o aceita completamente, recebe sinceramente e o ama como senhor; jamais uma mulher percebeu a sua beleza até que seu marido pagasse com sua vida o preço total para ver toda a sua nudez, assumindo-a em uma aliança definitiva para a eternidade.

Isso tudo é um pouco do que o sexo faz ou um pouco do que podemos receber do SENHOR Deus por meio do sexo.

A hora certa de despertar a sexualidade é quando se é adulto com idade, maturidade e iniciado no seu trabalho; quando se tem um homem disposto a assumir um compromisso de fidelidade para com o SENHOR e sua mulher, e uma mulher disposta à submissão para com o SENHOR e o seu marido, o Casamento Sagrado; e quando se tem a bênção dos pais que têm uma aliança genuína com o SENHOR.

Antes disso, deve-se abster-se de toda a forma de sexo, pois o sexo sem o Espírito da Santidade do Senhor Jesus Cristo faz apenas o que é mal e nocivo para o homem e a mulher, gerando doenças físicas, emocionais e espirituais.

Por exemplo, a masturbação faz muito mal tanto para o homem quanto para a mulher. Pois é por meio de práticas masturbatórias que se instalam todos os tipos espíritos malignos ligados à imoralidade sexual. Onde não há masturbação, não há nem a perversão nem o abuso sexual.

Quanto à homossexualidade, a sensibilidade ao estímulo homoerótico se relaciona com experiências psicológicas muito antigas que vão desde o ventre materno e até o fim da primeira infância. A atitude consciente e inconsciente dos pais para com sua criança afetam definitivamente esse processo, por isso a Cura Divina para quem sofre por esse motivo passará definitivamente por uma profunda experiência de perdão aos pais.

Contudo, essa sensibilidade somente será o ponto focal da construção do sentimento de identidade da pessoa se ela se entregar a esses impulsos agindo através desse espírito mau. A verdade, porém, é que a homossexualidade não é uma casa onde se possa morar e viver, e a realidade psicológica que se deriva do engajamento em homossexualidades não passa de uma falsa identidade ou falso “eu”, que mais cedo ou mais tarde cairá inevitavelmente e se mostrará apenas mais um ídolo vazio.

Aquele que foi ferido pela homossexualidade, se quiser viver, vai ter que aprender a abster-se de toda forma de comportamento homossexual e práticas masturbatórias, e aceitar pela fé que a sua identidade verdadeira é o homem ou a mulher que ele(a) é. Mesmo sem sentir a Verdade, a princípio, a pessoa deve se submeter a ela até que gradativamente o sentimento de identidade mude de bases conforme ela cresça em sua integridade interior. O sentimento de identidade é reativo e esboça o reflexo das escolhas do coração e das ações cotidianas de alguém.

Ninguém precisa dar lugar ao espírito de homossexualidade para ser “eu mesmo”. Pelo contrário, é somente quando a pessoa corajosamente tira a voz e a vez desse espírito que ele encontra o “Eu Sou o que Sou [SEU NOME]”.

A verdade sobre o homem e a mulher florescem apenas quando encontram no SENHOR o florescimento da sua sexualidade: o homem foi destinado à aliança com sua mulher e vice-verso.

Relações homossexuais degradam o corpo, as emoções e o espírito das pessoas, e jamais satisfazem os anseios profundos do coração. Toda prática homossexual expressa e consuma a morte.

É melhor sofrer fazendo o que é o Certo, do que morrer infeliz e precocemente por causa do pecado.

Se você é solteiro e ainda não tem o que é necessário para receber da parte do SENHOR Deus o sexo na sua vida, mas já sofre a dor da solidão, respire até o fim. Esvazie o pulmão até doer, encha-o devagar… Faça isso de novo e de novo. Coloque suas mãos sobre o seu coração e peça ao SENHOR Deus o seu cônjuge e diga a ele que isso é muito importante agora.

Diga à sua dor, “o Salvador logo virá!”

Conserve-se puro(a).

Fuja de todo o sinal de imoralidade.

Não se masturbe jamais.

Honre seus pais.

Busque desenvolver a sua vocação honestamente através do trabalho e trabalhe no demais que for necessário com todo o amor e fidelidade como quem está a serviço do SENHOR.

Fale com o SENHOR Deus.

Seja forte, corajoso(a) e belo(a), persevere no bem e seja fiel.

O SENHOR Deus existe e socorre os seus rapidamente.

Se você é casado mas não é Casado, Case-se, pois quem não tocar o sagrado na relação que estabelece com a pessoa do outro sexo será amaldiçoado e não viverá eternamente.

Quando um homem vive com uma mulher sem jamais tê-la assumido verdadeiramente, isso é adultério e mata; quando uma mulher vive com um homem sem jamais ter se submetido verdadeiramente a ele, isso também é adultério e mata.

Às vezes descobrimos que vivemos juntos com uma pessoa do outro sexo mas jamais fomos Casados no SENHOR.

Sempre há tempo de começar de novo e começar direito nos caminhos do SENHOR Deus.

Arrependimento + coragem para deixar o erro e fazer o que é o Certo = Salvação e Cura Divina.

Precisamos terminar o que é falso e fazer o que é o Verdadeiro. Casamento é compromisso sagrado, aliança eterna entre o SENHOR Deus e os homens. Essa é a pedra angular da Cura Divina.

Celibato é quando você, abstendo-se completamente de toda a forma de sexo e sexualidade, erotismo e sensualidade, recebe o dom de suportar a solidão através da espiritualidade, do trabalho profissional, da família e da experiência comunitária. Se a solidão persiste ou se há urgência sexual, então a pessoa não recebeu esse dom e deve buscar se Casar no SENHOR.

A vida começa quando aceitamos o dano do erro que cometemos no passado, voltamos ao lugar do atalho indevido que tomamos e, dessa vez, fazemos direito o que tínhamos ter feito desde o princípio, pagando o preço hoje para realizar toda a Justiça de Deus.

O sexo é bom e a sua misericórdia dura para sempre!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.