Visitas terapêuticas

Bom dia a todos!

Coma vão vocês e suas famílias? Espero que estejam aprendendo a importância de se fazerem presentes uns para os outros regularmente!

Hoje vamos falar aqui um pouco sobre visitas terapêuticas, na perspectiva do trabalho da psicoterapia corporal.

Começamos o Projeto Terapêutico Toque Divino alugando uma sala de consultório na Vila Mariana, em São Paulo, SP, Brasil, nossa primeira proposta para o público. Mas isso durou pouco, pois acabei sendo demitido do trabalho que me provia financeiramente.

Graças a Deus, meu pai, o Dr. Aristides de Faria Júnior, ginecologista, obstetra, homotoxicologista, etc., abriu-me as portas do seu consultório e me permitiu continuar os trabalhos do Projeto ali.

Juntos tivemos algumas grandes aventuras, por exemplo, a casadinha em um tratamento de reversão de aumento de próstata, em que ele fazia injeções de medicamentos e eu fazia toques terapêuticos, o que resultou em uma experiência de grande sucesso, pois logo o paciente voltou a urinar normalmente e o risco de câncer diminuiu significativamente.

Ao todo tive 24 pacientes nesse consultório! Um bom começo!

Mas a verdade é que, por outro lado, minha maior atividade com a psicoterapia corporal sempre se deu para fora do consultório, em encontros especiais, de família.

Antes do Projeto ter nome, lá estava eu na casa da minha tia avó Pilar, já falecida, ou outros, deitando meus familiares no sofá ou cama mais próxima e me debruçando sobre eles, experimentando meus conhecimentos de Psicologia Corporal no seu ambiente doméstico.

Bom, essas memórias estão gravadas no meu coração.

Então, quando em 2017 nos vimos sem condições financeiras para continuar sustentando o consultório, resolvemos mudar de estratégia e fazer mesmo o que tanto agradou o meu coração: visitas terapêuticas.

As visitas terapêuticas são o movimento na direção de levar tratamentos de psicoterapia corporal para as pessoas que mais precisam, aquelas em maior vulnerabilidade física (não digo também psíquica, porque a psicoterapia corporal não é indicada em um primeiro momento para pacientes em crise psiquiátrica).

Toques terapêuticos são instrumentos fundamentais para a psicoterapia corporal que eu pratico, mas o que mais me impressiona é a sua capacidade de influenciar positivamente a recuperação da saúde. Por essa razão que nossos programas de cuidados paliativos, preparação pré-cirúrgica e recuperação pós-traumática, recebem destaque em toda a nossa proposta (temos também um programa de cuidados da mulher e treinamento psicofísico para atletas, além das consultas de psicoterapia corporal).

Levar nossos tratamentos de saúde para o local onde os pacientes estão me faz muito bem! Sinto-me útil e vivo nessa jornada de chegar até o outro com minha oferta de cuidados.

Por outro lado, o foco é chegar ao incêndio com soluções e intervenções.

Visitas terapêuticas podem significar tratamentos de psicoterapia corporal em casa, no hospital ou mesmo no trabalho (eu e a Cibele estamos desenhando propostas de trabalho para o mundo corporativo).

Sobretudo penso no meu amor pela minha própria família quando penso em servir a sua família.

Espero que esse espírito permaneça comigo conforme o Projeto avance.

Acredito nesse tipo de trabalho, acredito nesse tipo de visita.

Obrigado por nos acompanhar até aqui!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471.

Adorando ao SENHOR Deus

Bom dia a todos!

Hoje estreamos uma nova categoria do blog, Adoração cristã.

Nela vou disponibilizar vídeos de louvores ao SENHOR Deus que possam edificar a nossa caminhada em busca da Cura que vem do SENHOR Deus.

Nessa nova categoria escreverei como “Rafael Caldeira de Faria, Baterista, e músico voluntário na Igreja Batista do Morumbi”.

Minha história com a música começou aos 7 anos de idade quando tive minhas primeiras aulas de piano.

Fui pianista até os 13 anos de idade e uma vez por ano apresentei-me nos recitais organizados por minha professora, Luciana Manhães, Pianista.

Aos 15 anos de idade, porém, meu irmão caçula resolveu aprender a tocar a bateria e me convidou para ir com ele a uma primeira aula experimental. Com dois anos de diferença na idade, tive maior facilidade do que ele para aprender os rudimentos elementares desse novo instrumento, e então ele desistiu do curso um pouco desmotivado e eu continuei em seu lugar.

Comecei a tocar a bateria na igreja de que era membro, incentivado por um líder e excelente Pastor de Adolescentes, Marco Aurélio Silva. 

Com uma pequena turma de adolescentes na igreja, comecei a me exercitar na música e especialmente na adoração ao SENHOR Deus.

Tocávamos em cultos, acampamentos, “acampadentros”, intercâmbios de igrejas, festas de aniversário, congressos de louvor e adoração… E aos poucos fui aprendendo a manejar as baquetas e os “tambores”, e a expressar o coração através da música consagrada aos louvores ao SENHOR Deus.

Aos 16 anos conheci um Baterista muito jovem e inspirador… Ele tinha 17 anos mas tocava divinamente o instrumento. Fui até ele para perguntar-lhe qual é o segredo de tocar da maneira como ele tocava. E ele me respondeu:

“Rafael, você precisa entender que existe uma diferença entre fazer música e fazer adoração. Você pode acompanhar uma música com um groove adequado, mas só brilhará quando começar a dizer coisas ao SENHOR Deus através do seu instrumento. Quando sentar na sua bateria, comece a dizer coisas ao SENHOR Deus de todo o seu coração através da sua bateria e veja o resultado disso”.

Fui Baterista voluntário naquela outra igreja por 17 anos. E cheguei a gravar a faixa “Eu te busco” do CD Ambiente de Adoração em 2009.

Nessa nova categoria vou selecionar louvores e músicas santas para a nossa edificação.

O primeiro vídeo que hoje disponibilizo aqui é o do Baterista Alexandr Murenko da Odery Drums Ukraine apresentando o Odery Eyedentity Series Kit. Temos apenas um solo de bateria, mas aqui eu o ofereço como uma oferta totalmente dedicada à adoração ao SENHOR Deus Todo-poderoso!

Seja adorado perpetuamente o Eterno SENHOR Deus Todo-poderoso!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Baterista, e músico voluntário na Igreja Batista do Morumbi.