Impondo a saúde mental

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que estejam bem, enfrentando as lutas da vida com a melhor das atitudes!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco mais sobre saúde mental.

Saúde mental pode ser entendida como sendo a experiência de ideias, pensamentos e sentimentos em um fluxo ordenado, positivo e promotor de bem-estar, bem como socialmente integrativo.

A verdade sobre a mente é que ela é mais um subproduto do que pioneira, de modo que primeiro vêm os hábitos cotidianos e depois surgem os resultados mentais.

Desse modo, começamos a entender que nossas escolhas práticas, o que fazemos com nosso tempo, fala mais alto no quesito produção de saúde mental, quer gostemos disso ou não.

Por essa razão que a saúde mental é algo que de certo modo deve ser conquistado a força.

Você abandona maus hábitos e aprende outros bons e saudáveis, e então você começa, a médio prazo, a perceber que novos pensamentos estão se tornando parte da sua nova vida de agora.

O impacto da renúncia de comportamentos nocivos é muito grande, todas as vezes. Mas quem não faz nenhum tipo de conversão de caminhos, jamais chega a experimentar outros estados de mente.

Há trabalhos que estimulam a mudança de mente, visando a construção de novos comportamentos; outros orientam a mudança de comportamentos, visando a libertação dos padrões ruins de pensamento.

Seja como for, haverá guerra, muita luta, muito esforço, muita renúncia, muito empenho, etc., antes que um doente mental venha a ser transformado ao ponto de reconhecer-se saudável de mente.

Os remédios psiquiátricos atenuam os danos físicos que o muito tempo ruminando pensamentos distorcidos e vivendo hábitos degenerativos deixaram na pessoa, mas não completa a rodada imprescindível de novas decisões, novas atitudes e novos comportamentos para o bem.

Uma das palavras mais verdadeiras que existem é “você precisa ser forte; você precisa ser corajoso”. Ninguém vira a página sem ter feito MUITA força para isso.

A geração parto cesariano, anestesia e videogames não tem ideia do quanta guerra uma vida vitoriosa realmente precisa vencer. A força para se colocar e permanecer de pé é superlativa.

Assim, sem a guerra santa/justa ninguém alcança a paz.

Minha palavra para vocês hoje é: deixem de lado a apatia e a preguiça. Hoje é o tempo para tomar decisões verdadeiras e pagar o preço por uma semeadura proveitosa e digna. Eu me coloco como um exemplo para vocês, pois, embora não seja ninguém de fama ou fortuna, tenho lutado o bom combate da responsabilidade e coragem, enfrentando com a melhor das atitudes as inúmeras negativas e adversidades, evitando o mal e permanecendo na luz dos que juntos se dão para o bem, e desfrutando de plena saúde mental.

Pensem grande, pensem certo: o que vocês semearem, colherão, até em termos de saúde mental.

Está entre vocês alguém desesperado, desesperançado, depressivo de modo significativo? Levante os olhos para o alto, derrube o velho hábito, desfaça a amizade com os companheiros de dissolução e faça um compromisso novo e de atos com as melhores escolhas.

Se vai doer, ser desconfortável, requerer paciência e boa fé? Sim, certamente. Mas aos corajosos, uma coroa de bem estar e lucidez.

Parabéns a todos os valentes dos testemunhos de grandes vitórias psicológicas!

Aos corajosos, saúde mental.

Beijos e abraços para todos os valentes de mente!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

O tempo terapêutico

Bom dia a todos!

Hoje gostaria de lhes falar um pouco sobre o tempo terapêutico.

Quem se profissionaliza nos cuidados humanos percebe o quanto é decisivo o efeito do tempo em qualquer terapêutica eficaz.

O efeito medicinal de qualquer Tratamento Médico ou Psicológico, ou a transformação pessoal sob uma nova Direção Espiritual depende de algum tempo para acontecer.

E é na compreensão desse mistério que está a sabedoria dos maiores mestres profissionais de Saúde, Saúde Mental e Fé.

Como influenciar um sistema vivo e a sua subjetividade humana positivamente de modo a ensiná-los a cultivar hábitos corporais, emocionais ou mentais que lhes assegurem Saúde Integral?

Existem terapêuticas de choque, intervenções desesperadas, desenhadas para diminuir os danos em situações extremas. Cirurgias emergenciais, amputações, eletrochoques, antibióticos, expulsão de demônios…

Mas existem também as terapêuticas de cura, intervenções moderadas e paulatinas, desenhadas para ensinar e nutrir a sabedoria integral do paciente até que ele se torne capaz de tomar posse de uma cura maior, uma vitória real sobre suas enfermidades, um manejo suficiente dos danos psicológicos e físicos sofridos para uma adaptação satisfatória à vida e à sua singularidade que contorne suas penalidades passadas. Homeopatias, homotoxicologias, cirurgias planejadas, psicoterapias, aconselhamentos pastorais…

Para curar mesmo é necessário auxiliar o paciente a mudar voluntariamente. E quanta confiança, intervenções positivas, terapêuticas eficazes e tempo são necessários quando se quer alcançar um objetivo assim.

O tempo da cura é o tempo do amadurecimento do corpo, das emoções e da espiritualidade.

Até que tenhamos uma mente nova, o corpo continuará a repetir os mesmos padrões de funcionamento nocivos para si mesmo.

Até que tenhamos uma cura nas emoções, o espírito continuará adoecido, preso a compromissos nocivos, que estão ligados à fidelidade inconscientemente que temos para com as pessoas importantes que cometeram abusos contra nós.

Até que tenhamos um corpo vivo, nossa mente ainda estará manca, pois as faculdades espirituais derivam-se e dependem diretamente do bom funcionamento corporal.

Quando se toca no nó que sufoca a vida completa, a dor e o pesar pedem que se abra um espaço de tempo para que todos os âmbitos da história pessoal e vida atual do paciente sejam paulatinamente afetados por esse toque.

O descanso leva ao contato com o que está guardado no mais profundo. Depois disso é necessário saber esperar um pouco até que a cura que começou no íntimo secreto tenha o seu efeito até a superfície da vida do paciente.

“O tempo terapêutico garante a posse da vitória que vence os tropeços e descaminhos da nossa história”.

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

 

Paciência

Estive conversando com minha esposa… “Amada, o que temos aprendido de Deus? Gostaria de escrever algo para a coluna ‘Sabedoria cristã'”. E ela me respondeu: “paciência… Estamos aprendendo a ter paciência”.

Qual a relação entre Deus e a Paciência? Qual a proximidade entre o temor do SENHOR e a escolha de esperar bem por aquilo que se anseia? Qual o motivo que a perseverança nos caminhos da Justiça tem para permanecer calma, animada, simples e feliz?

Deus na vida de uma pessoa ecoa desde a profundeza da sua alma como um conhecimento, uma esperança e uma firmeza de fé.

O mundo está se movendo…

As pessoas estão se movendo…

Deus está se movendo.

Toda a impaciência do homem está relacionada com a sensação de que nada está acontecendo para mudar essa situação que o desagrada, atrapalha ou prejudica.

Perdemos a paciência quando nos perdemos de Deus.

Ora, quem é Deus?

Deus é: “a impiedade será punida e terminada; a justiça será recompensada e favorecida para sempre”.

E isso é o amor: quando o homem cruel é castigado e deixado sem poder, e o clamor da necessidade do justo é ouvido e respeitado.

Mas o que isso tem a ver com a Paciência?

Deus existe. O Seu Reino está aqui entre nós. E aquilo que precisa acontecer logo acontecerá pelo dedo de Deus.

O desconforto do justo durará só um momento, mas seu descanso durará para sempre.

As coisas agora podem parecer paradas, inertes, mortas. Mas para aquele que coloca a sua esperança no SENHOR, o movimento de Justiça que está operando da parte de Deus e que varrerá a face da terra, ele lhe fará somente o bem.

O homem cruel dura só um instante e a injustiça logo terá a sua paga e o seu fim.

Deus é como um cavaleiro branco que socorreu, socorre e socorrerá todo aquele que se veste da honradez e persiste em praticar o bem mesmo sofrendo um infortúnio momentâneo.

Faça o que é Justo e o ato de Deus lhe será como um carinho de Pai.

As coisas nunca mais serão as mesmas, pode confiar.

Por isso, guarde a sua paciência. E deixe a sua alma morar no lugar onde se é paciente e bom para com todos para a glória de Deus.

Amamos todos vocês, Irmãos.

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

 

Devemos crescer

“No dia seguinte, quando desceram do monte, uma grande multidão veio ao encontro [de Jesus Cristo].

Um homem da multidão bradou: “Mestre, rogo-te que dês atenção ao meu filho, pois é o único que tenho. Um espírito o domina; de repente ele grita, lança-o em convulsões e o faz espumar; quase nunca o abandona e o está destruindo. Roguei aos teus discípulos que o expulsassem, mas eles não conseguiram”.

Respondeu Jesus: “Ó geração incrédula e perversa, até quando estarei com vocês e terei que suportá-los? Traga-me aqui o seu filho”.

Quando o menino vinha vindo, o demônio o lançou por terra, em convulsão. Mas Jesus repreendeu o espírito imundo, curou o menino e o entregou de volta a seu pai. E todos ficaram atônitos ante a grandeza de Deus” (Lucas 9. 37-43. NVI).

A grandeza de Deus aparece quando a fé e o arrependimento do homem são completos.

Jesus Cristo havia estado com Elias e Moisés, e diante de Pedro, Tiago e João foi transfigurado, assumindo uma forma gloriosa e maravilhosa no dia anterior.

Agora uma grande multidão vai ao encontro de Jesus e um homem do meio dela clama por seu filho doente.

Jesus socorre esse homem maravilhosamente, repreendendo o espírito imundo que dominava o seu filho, curando o menino de sua enfermidade e devolvendo-o são para o seu pai.

A multidão, então, fica atônita ante a grandeza de Deus: “Deus está aqui! Deus existe! Deus intervém! Deus socorre o seu! Deus nos ama de verdade! Deus tem poder real!”

Mas, sobre o que é essa história verdadeiramente? O que realmente está sendo relatado por Lucas?

A leitura do Evangelho de Lucas já nos tinha apresentado à capacidade de Deus de socorrer e salvar, de curar e libertar.

Lembra do endemoninhado da região dos Gerasenos? E da ressurreição do único filho daquela viúva de quem Jesus se compadeceu na cidade de Naim?

A história aqui é diferente porque fala da frustração de Jesus [provavelmente] com seus discípulos.

“Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei com vocês e terei que suportá-los?”

Não acredito que Jesus esteja falando aqui sobre a multidão que o busca, nem mesmo do pai que busca a cura do seu filho, pois este é aquele que demonstrou a fé.

Mas os discípulos a essa altura são indesculpáveis por sua passividade pedante e inconsistência moral.

A fé é uma ação baseada em certezas e esperanças invisíveis. E o arrependimento total é o Espírito de poder.

Há um ponto a partir do qual o aprendiz se torna um fardo insuportável para seu mestre.

O discípulo deve ser tocado pelo mestre, ver o mestre tocando outros, aprender a tocar como o seu mestre e, então, tornar-se um representante igual ao mestre. E essa é uma sequência progressiva com data de encerramento definida.

Se um discípulo não se responsabiliza pelo homem que deve ser, então o seu mestre o vomita.

Paciência é a tolerância com os erros do aprendizado. Mas a paciência tem um limite: a boa fé do aprendiz.

A perversidade de um homem abrevia o tempo da paciência, assim como a incredulidade de um homem o impede de prosperar.

Seja responsável quanto à sua vocação divina, não deixe o Mestre vomitar você.

A paciência é para o justo, para o sincero, para o arrependido. Mas o bom da paciência é um dia não ter mais que existir.

Você foi chamado(a) para ficar de pé, ser imagem e semelhança de Deus, andar num Espírito Santo como Jesus Cristo andou, ser perfeito(a) assim como é, realizando toda a boa intenção de Deus para a sua vida.

Isso é mais profundo e mais possível do que aparenta ser.

Torne-se homem; torne-se mulher. Pague o preço, assuma a responsabilidade.

Arrependa-se dos seus pecados; creia, obedeça e se torne um filho(a) de Deus.

Isso lhe fará bem. Isso lhe fará o melhor.

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.