Sensibilidade na família

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que conscientes da profunda graça que os sustenta apesar de tudo.

Gostaria de lhes falar um pouco hoje aqui sobre sensibilidade na família.

Para que fomos mesmos chamados? Qual a nossa responsabilidade em primeiro lugar?

Acredito que tudo começa na família, nossa vocação primeira é o socorro daqueles que estão mais próximos.

Às vezes é difícil enxergar a necessidade do nosso irmão, porque não estamos na sua pele e a convivência muitas vezes não é suficiente para nos fazer entender de fato qual é a sua real situação.

Por esse motivo quero encorajá-los a despertarem a sua sensibilidade na sua família.

O mandamento do SENHOR Deus é claro “honra seu pai e sua mãe para que se prolonguem os seus dias na terra que o SENHOR Deus lhe dá”, mas precisamos aceitar que a orientação divina se estende como um manto sobre toda a sua realidade de intimidade.

Não quero ser mais inteligente do que Deus, nem acrescentar palavras aos lábios santos. No entanto compreendo que o temor a Deus nos faz responsáveis pelo bem estar e viabilidade de vida daqueles com quem temos compromisso de fidelidade.

Ajude a santidade do seu irmão. Que as suas forças o sirvam sempre para que não lhe falte a sua contribuição para o cumprimento do seu desígnio.

Não deixe que o seu cônjuge estoure pela sua negligência em socorrê-lo com as suas habilidades naturais.

Abra seus ouvidos e coração para o pedido de ajuda que pode estar sendo feito pelo seu marido ou esposa no dia de hoje.

Aprenda a apreciar a contribuição e o serviço daqueles que estão convivendo com você.

Às vezes nos propomos a fazer coisas maiores do que as que realmente conseguimos realizar e a nossa insensatez recai sobre aqueles a quem devemos suportar em primeiro lugar.

O apóstolo Paulo disse que o poder do SENHOR Deus se aperfeiçoa na nossa fraqueza, o que quer dizer que ao assumirmos mais integralmente a nossa responsabilidade, tanto compromisso familiar quanto ocupacional, tomamos consciência de que a nossa cruz representa limitações em vários aspectos. Contudo, essas limitações aceitas por causa do amor fazem com que a outra parte, preterida em favor da justiça divina, seja suprida por meio das intervenções do nosso Senhor e Deus, o SENHOR.

Gostaria de nessa manhã segurar nas suas mãos, bem como nas de seus familiares sobrecarregados, para lhes pedir perdão, perdão pelo desamparo praticado e disseminado em nossa sociedade brasileira.

Como eu quero contribuir para que surja uma nova solidariedade nas famílias da nossa nação!

Quando minha esposa suplica por mais ajuda, quando minha filha solicita mais atenção, somos um novo Brasil despertando para um tempo de sinceridade, solidariedade e comunhão.

Quantas vezes você já perdeu por amor? Lembra-se de alguma renúncia por questão de justiça?

O curioso é que todas as vezes quando voltamos passos a trás pelos motivos certos, acabamos avançando muitas casas a frente e recebendo muitas alegrias no final.

O Brasil está doente porque está ignorando o clamor que expressa as necessidades vivas dentro dos lares.

Quanto vale a saúde mental dos seus amados? Quanto vale o coração aberto e as palavras verdadeiras dos seus parentes em primeiro grau?

Toque aqueles que você ama, sobretudo preservando-se sensível ao Espírito do SENHOR Deus e solícito primeiramente à sua própria necessidade autêntica e depois às dos seus próximos na sua casa.

Estamos tirando o povo brasileiro da sua prisão de piche. Erguendo o homem do Brasil do aconchego da corrupção e idolatria. E eu, como médico de Cristo, procuro de todas as maneiras retornar o coração dos pais a seus filhos e dos filhos a seus pais.

Vamos começar de novo? Vamos fazer bem e direito?

Sensibilidade na família.

Eu acredito em milagres!

Atenciosamente

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

Dinheiro

Boa tarde a todos!

Como estão vocês e suas famílias? Que a graça e a paz de Jesus, o Cristo, sejam verdadeiramente com todos vocês!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o dinheiro.

O dinheiro, afinal, é bom ou mau? Como lidar com as relações mediadas por dinheiro?

Houve um tempo quando se trocavam coisas por coisas, serviços por serviços, coisas por serviços e serviços por coisas. Mas esse tempo foi ficando cada vez mais antiquado à medida em que coisas de valor passaram a dar lugar à moeda, aos dinheiros locais e globais, e tudo o que se faz e produz ganhou poder de remuneração.

Assim, tudo o que fazemos na sociedade contemporânea o fazemos através do dinheiro, até mesmo o voluntariado e as obras de caridade. Nesses últimos casos estamos usando nosso próprio dinheiro, ao invés da recompensa pelo serviço ou benesse prestada, para ajudar outros em sua pobreza ou necessidade.

Por isso, temos que reconhecer que a princípio o dinheiro é bom e útil para a saúde das sociedades. Quanto mais capacidade financeira uma sociedade tem, tanto melhor é a qualidade de vida de todos e mais útil ela pode ser para as outras em derredor.

Com isso em mente, defendemos que deve-se trabalhar com integridade, cada um segundo a sua habilidade e vocação, esperando receber a maior remuneração possível, sem a exploração de si nem do próximo, visando patrocinar a sua própria vida e família, e cooperar para o bem comum.

Mas agora vamos falar da parte traiçoeira do dinheiro: o dinheiro pode ser transformado em um demônio de nome Mamom.

Meu dinheiro só se transforma em demônio quando tenta comprar aquilo que o SENHOR Deus não me deu. É isso mesmo! O dinheiro pode comprar coisas e serviços, mas existe uma ordem subjacente, uma Lei mais profunda e poderosa, que conduz a um fluxo de vida que serve ao SENHOR Deus Altíssimo, porém que se contrariada recebe severa punição.

O homem que ignora a Lei do SENHOR Deus quando compra e contrata, ele se corrompe em sua rebelião e transforma em maldição o dinheiro de que dispõe.

O dinheiro que faz dinheiro sem respeitar os tempos de semeadura e de colheita, que contrata serviços sem discernir os povos e sua dignidade, que prolonga a vida corrupta e rebelde, que acumula luxos promovendo a pobreza dos outros e a depredação do ecossistema… Todas essas coisas se chamam feitiçarias e por meio delas o dinheiro se torna um vil oponente da cura do SENHOR Deus.

Feitiçaria é quando eu faço alguma coisa que me adianta um resultado ignorando a necessária submissão de tudo e todos à Lei do SENHOR Deus; é um atalho desenhado com o propósito de me fazer capaz de obter um sucesso sem a bênção do SENHOR Deus.

Dinheiro pelo dinheiro, poder pelo poder… Essas são coisas que apodrecem os dentes.

Dinheiro recebido gratuitamente pelo desígnio do SENHOR Deus e usado cuidadosamente para a promoção da santidade do SENHOR Deus em outras pessoas; poder e autoridade recebidos gratuitamente pela escolha soberana do SENHOR Deus para servir a todos os outros, fortalecendo-os e equipando-os com toda a boa dádiva… Essas coisas são a joia do Reino do SENHOR Deus!

Existem pessoas que receberam um dom extraordinário de ganhar dinheiro… Ganhar muito dinheiro… Com trabalho honesto e consciência completamente limpa… Quê dom maravilhoso! Esses são os patrocinadores do SENHOR Deus!

Todos, finalmente, temos alguma porção de dinheiro nas mãos. Não deixem que o seu dinheiro se transforme em demônio: só compre o que o SENHOR Deus lhe dá gratuitamente; só ponha no bolso o dinheiro que for fruto de trabalho simples e honesto, com toda a integridade.

Não roube nem o seu próximo nem os ladrões. Não use dinheiro amaldiçoado pelo SENHOR Deus.

Seja puro… Seja íntegro… Seja honesto… Seja simples, sem malícia.

O SENHOR Deus sustenta você e os seus, por isso honre-o.

Obrigado, SENHOR Deus, pela vida de todos os patrocinadores de Jesus, o Cristo!

O SENHOR Deus abençoe todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.

Perdoar…

“Certo dia Jesus[, o Cristo,] estava orando em determinado lugar. Tendo terminado, um dos seus discípulos lhe disse: ‘Senhor, ensina-nos a orar, como João [Batista] ensinou aos discípulos dele’.

Ele lhes disse: ‘quando vocês orarem, digam: Pai! (…) Perdoa-nos os nossos pecados, pois também perdoamos a todos os que nos devem” (Lucas 11.1-2a, 4a. NVI).

Boa tarde a todos!

Quem perdoa primeiro? O SENHOR Deus ou eu e você?

Nesse trecho surpreendente das Escrituras Sagradas, Jesus, o Cristo, nos ensina a darmos bom exemplo para o SENHOR, nosso Deus, o Altíssimo Todo-poderoso.

Quem não perdoar o seu próximo não será perdoado pelo SENHOR no dia do acerto final.

Mas de que fala o perdão? O que é mesmo perdoar?

Perdoar é não tratar o outro à luz da dívida que ele contraiu contra nós, mas à luz da dignidade que todos habitaríamos se andássemos em pazes com o SENHOR, Deus Supremo.

Perdoar não é esquecer, nem anular a dor.

Perdoar é tratar direito até mesmo aquele que me desrespeitou e feriu.

Perdoar é apostar na chance de arrependimento que existe para aquele que se desfigurou pelo pecado.

Perdoar é não passar para frente a corrente de raiva, revolta e ódio que nos engarrafou.

Perdoar é entregar a ira ao SENHOR Deus, confiando que o poder de juízo ele perfeitamente há de exercer.

Perdoar não é dizer que está tudo bem, mas incluir o SENHOR Deus na minha dor e disputa até que tudo de fato esteja bem.

Perdoar é chorar a dor, impotente, mas cheio de fé, ao invés de chutar cachorros, criancinhas e idosos, ou buzinar com ódio no trânsito.

Perdoar é tratar o mundo com gentileza, respeito, bondade e paciência, quando alguém me tratou sem gentileza, com desrespeito, maldosamente e impacientemente.

Perdoar não é barato, mas dá para ser feito… E o ingrediente rico nessa massa é uma pitada de fé e esperança!

Quem não crê na terceira, ou melhor, na primeira pessoa do Universo, não tem chances de perdoar.

Em resumo, o SENHOR, Deus Eterno, existe, vive e vê todas as coisas. Isso significa que você pode descansar, pois justiça perfeita será feita para você antes do fim.

Se você permanecer em fé e retidão, mesmo apesar do sofrimento, você há de ver nascer o sol de um novo dia, carregando em suas asas um presente de reparação perfeita, transbordante, sacudida e retumbante!

Deus lhe fará justiça! O SENHOR Deus lhe fará justiça!

Por isso perdoe agora, perdoe primeiro… Demonstre para o SENHOR Deus como é grande a sua fé e como é puro o seu amor… Por ele!

O bondoso Deus vem nos visitar! Erga seus olhos, pois hoje o Filho de Deus vem lhe visitar!

Prepare uma mesa com a refeição da Presença e deixe Jesus, o Cristo, também lhe perdoar!

O SENHOR é bom e sua misericórdia, eterna!

Uma excelente tarde a todos!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Dá-nos o pão cotidiano

“Certo dia Jesus[, o Cristo,] estava orando em determinado lugar. Tendo terminado, um dos seus discípulos lhe disse: ‘Senhor, ensina-nos a orar, como João [Batista] ensinou aos discípulos dele’.

Ele lhes disse: ‘quando vocês orarem digam: Pai! (…) Dá-nos cada dia o nosso pão cotidiano'” (Lucas 11.1-3. NVI).

Boa noite a todos!

Estamos aprendendo a orar com Jesus, o Cristo, aprendendo a transformar o nosso espírito em um Espírito Santo.

Quando oramos ao SENHOR Deus, Todo Poderoso, devemos nos lembrar de interceder pelo nosso pão cotidiano.

Lembro-me das palavras de Jesus, o Cristo, em um outro momento dizendo para não nos preocuparmos com aquilo que vamos comer nem com aquilo que iremos vestir, antes, porém, devemos buscar o Reino do SENHOR Deus e a sua justiça, pois todas as demais coisas nos serão acrescentadas gratuitamente, por intermédio do nosso Pai Celestial.

Acredito que o Senhor Jesus, o Cristo, está aqui nos ensinando a respeito da ambição a que devemos nos entregar.

Muitas coisas podem ser desejadas pelo nosso coração. O mundo e sua glória são capazes de produzir um sem número de coisas para se consumir/desejar, motivos pelos quais nos desgastar em metas e alvos pessoais.

Sobre todas as coisas o mundo oferece as riquezas, promessas de serviços, poder e confortos para aqueles que se prostrarem e adorarem o espírito daquele que governa este século, Satanás.

Mas correr atrás da glória de Mamom (potestade também chamada de Dinheiro) nunca trouxe a vida nem a graça a ninguém. Pelo contrário, Mamom envelhece, adoece e apodrece o coração dos seus adoradores; ele lhes oferece algum luxo ou tecnologia momentânea, algum atalho ou feitiçaria, enquanto lhes rouba a espontaneidade, doçura e pureza de coração.

A troca da alma pelo “algo mais” pode até encantar o jovem, é o vício de homens maduros e a feiura caquética de idosos desfigurados.

O Senhor Jesus, o Cristo, nos ensina a pedir pelo pão cotidiano. Orar ao SENHOR Deus, Todo poderoso, é pedir aos céus pelo pão cotidiano.

Quando a ambição de um homem passa a ser o pão cotidiano e, mais especificamente, o nosso pão cotidiano, então temos a chegada do Reino do SENHOR Deus, Todo poderoso.

O Espírito Santo do SENHOR Deus, Todo poderoso, deseja o pão cotidiano para si e para o próximo.

Quanto todos nós dispomos do pão cotidiano, então é chegado o Reino do SENHOR Deus, Todo poderoso.

Quando a minha riqueza pessoal se converte em subsistência coletiva, então é chegado o Reino do SENHOR Deus, Todo poderoso.

Do que você realmente necessita? Você consegue discernir qual é o seu real ponto de necessidade cotidiana?

Tudo nos será acrescentado, promessa do Altíssimo. Mas orar pela necessidade do dia de hoje é terapêutico para o nosso espírito.

Precisamos exercitar os músculos do nosso espírito até que o espírito que sobre nós está seja o Santo Espírito do SENHOR Deus.

Acalme o seu espírito, aquiete a sua mente… Volte o seu pensamento para a sua necessidade cotidiana e fale com seu Pai Celestial sobre ela.

Aquele que busca, encontra; àquele que bate, a porta lhe é aberta; aquele que pede, recebe.

Ore grande, ore bonito, ore sincero: “Pai! Dá-nos hoje o nosso pão cotidiano!”

Que o amor do SENHOR Deus seja com todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

É de Deus.

“Atribuam ao SENHOR, ó seres celestiais, atribuam ao SENHOR glória e força.

Atribuam ao SENHOR a glória que o Seu nome merece; adorem o SENHOR no esplendor do Seu santuário [ou no esplendor da Sua santidade]” (Salmos 29. 1, 2. NVI).

Glória e força pertencem ao SENHOR.

Quando você vir a glória, diga: “a glória é do SENHOR!” Quando você vir a força, diga: “a força é do SENHOR!”

Onde está a verdadeira glória? Ali está a presença do SENHOR. Onde está a verdadeira força? Ali está o braço do SENHOR.

“A voz do SENHOR ressoa sobre as águas; o Deus da glória troveja, o SENHOR troveja sobre as muitas águas.

A voz do SENHOR é poderosa; a voz do SENHOR é majestosa.

A voz do SENHOR quebra os cedros; o SENHOR despedaça os cedros do Líbano. Ele faz o Líbano saltar como um bezerro, o Siriom como novilho selvagem.

A voz do SENHOR corta os céus com raios flamejantes.

A voz do SENHOR faz tremer o deserto; o SENHOR faz tremer o deserto de Cades.

A voz do SENHOR retorce os carvalhos [ou faz a corça dar cria] e despe as florestas” (Salmos 29. 3-9a. NVI).

Não há voz como a voz do SENHOR!

Existe poder igual em toda a terra?

De Deus é todo o poder.

“E no Seu templo todos clamam: ‘glória!'” (Salmos 29. 9b. NVI).

O nome do SENHOR merece ser glorificado.

Do SENHOR é toda a glória que há; do SENHOR é toda a força que permanece eternamente.

Há um esplendor, uma beleza maravilhosa no lugar onde Deus está (Seu santuário, o lugar separado para o Seu Espírito habitar e se manifestar, os filhos e filhas de Deus em ato de culto seja trabalhando ou fazendo qualquer outra coisa pela fé em Cristo Jesus); há um esplendor, uma beleza maravilhosa no lugar onde a santidade de Deus se manifesta. É nesse lugar onde convém adorarmos a Deus e dizer a Ele: “glória!”.

Quando você vir a beleza maravilhosa de Deus em alguém ou em algum lugar, ali convém adorá-Lo.

“O SENHOR reina soberano para sempre” (Salmos 29. 10b. NVI).

Deus reina soberano para sempre.

Soberano é quem exerce autoridade suprema, inquestionável, que não pode ser sobrepujada nem anulada. Assim Deus reina para sempre.

“O SENHOR assentou-se soberano sobre o Dilúvio” (Salmos 29. 10a. NVI).

No ato de juízo divino que aniquilou toda a vida na terra, por causa da maldade dos homens, mas salvou Noé, sua família e um casal de cada espécie de animais (ver Gênesis 6-9), Deus assentou-se soberano.

Glorificar a Deus, atribuir-Lhe a força, confiar em, submeter-se e entregar-se a Seu reinado soberano, isso tudo faz muito bem ao coração. É quando somos curados por Deus, quando passamos a enxergar as coisas como elas realmente são e a fazer pela fé o que devemos realmente fazer: obedecê-Lo.

“O SENHOR dá força ao Seu povo; o SENHOR dá a Seu povo a bênção da paz” (Salmos 29. 11. NVI).

Deus, que tem toda a força, dá força ao Seu povo, àqueles que O temem, obedecem e amam. Não só força, Deus dá ao Seu povo a bênção da paz.

Hoje eu me entrego a Ti, SENHOR.

A força de que precisamos está em Teus braços; a glória pela qual ansiamos brilha no lugar da Tua habitação.

Glorificado seja o Teu nome!

Dá-nos hoje a força e a Tua presença santa e gloriosa. Reveste-nos da Tua santidade esplendorosa e nos dá a paz.

Somos o Teu povo; somos o povo que é Teu.

Somos Teus, Pai nosso.

Desde agora e para sempre, em nome de Jesus Cristo, amém.

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.