Visitas terapêuticas

Bom dia a todos!

Coma vão vocês e suas famílias? Espero que estejam aprendendo a importância de se fazerem presentes uns para os outros regularmente!

Hoje vamos falar aqui um pouco sobre visitas terapêuticas, na perspectiva do trabalho da psicoterapia corporal.

Começamos o Projeto Terapêutico Toque Divino alugando uma sala de consultório na Vila Mariana, em São Paulo, SP, Brasil, nossa primeira proposta para o público. Mas isso durou pouco, pois acabei sendo demitido do trabalho que me provia financeiramente.

Graças a Deus, meu pai, o Dr. Aristides de Faria Júnior, ginecologista, obstetra, homotoxicologista, etc., abriu-me as portas do seu consultório e me permitiu continuar os trabalhos do Projeto ali.

Juntos tivemos algumas grandes aventuras, por exemplo, a casadinha em um tratamento de reversão de aumento de próstata, em que ele fazia injeções de medicamentos e eu fazia toques terapêuticos, o que resultou em uma experiência de grande sucesso, pois logo o paciente voltou a urinar normalmente e o risco de câncer diminuiu significativamente.

Ao todo tive 24 pacientes nesse consultório! Um bom começo!

Mas a verdade é que, por outro lado, minha maior atividade com a psicoterapia corporal sempre se deu para fora do consultório, em encontros especiais, de família.

Antes do Projeto ter nome, lá estava eu na casa da minha tia avó Pilar, já falecida, ou outros, deitando meus familiares no sofá ou cama mais próxima e me debruçando sobre eles, experimentando meus conhecimentos de Psicologia Corporal no seu ambiente doméstico.

Bom, essas memórias estão gravadas no meu coração.

Então, quando em 2017 nos vimos sem condições financeiras para continuar sustentando o consultório, resolvemos mudar de estratégia e fazer mesmo o que tanto agradou o meu coração: visitas terapêuticas.

As visitas terapêuticas são o movimento na direção de levar tratamentos de psicoterapia corporal para as pessoas que mais precisam, aquelas em maior vulnerabilidade física (não digo também psíquica, porque a psicoterapia corporal não é indicada em um primeiro momento para pacientes em crise psiquiátrica).

Toques terapêuticos são instrumentos fundamentais para a psicoterapia corporal que eu pratico, mas o que mais me impressiona é a sua capacidade de influenciar positivamente a recuperação da saúde. Por essa razão que nossos programas de cuidados paliativos, preparação pré-cirúrgica e recuperação pós-traumática, recebem destaque em toda a nossa proposta (temos também um programa de cuidados da mulher e treinamento psicofísico para atletas, além das consultas de psicoterapia corporal).

Levar nossos tratamentos de saúde para o local onde os pacientes estão me faz muito bem! Sinto-me útil e vivo nessa jornada de chegar até o outro com minha oferta de cuidados.

Por outro lado, o foco é chegar ao incêndio com soluções e intervenções.

Visitas terapêuticas podem significar tratamentos de psicoterapia corporal em casa, no hospital ou mesmo no trabalho (eu e a Cibele estamos desenhando propostas de trabalho para o mundo corporativo).

Sobretudo penso no meu amor pela minha própria família quando penso em servir a sua família.

Espero que esse espírito permaneça comigo conforme o Projeto avance.

Acredito nesse tipo de trabalho, acredito nesse tipo de visita.

Obrigado por nos acompanhar até aqui!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471.

Preparação pré-cirúrgica

Bom tarde a todos! Como estão vocês e suas famílias?

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o uso da psicoterapia corporal em preparações pré-cirúrgicas.

A psicoterapia corporal do Projeto Terapêutico Toque Divino consiste em uma abordagem psicoterapêutica que se utiliza de toques terapêuticos, produzindo benefícios físicos e psicológicos simultaneamente.

Por exemplo, vemos o tônus muscular dos pacientes gradativamente sendo modulado de maneira equânime: regiões hipotensas voltando a ter tensão homeostática e regiões hipertensas também. Além disso temos observado que aqueles que recebem toques terapêuticos costumam ter a circulação dos líquidos do corpo e a regulação da produção hormonal favorecidos.

Por outro lado, o trabalho corporal geralmente produz um efeito psicológico positivo, pois as memórias emocionalmente significativas estão ligadas a processos corporais de modo que o desenvolvimento psicológico deixa suas marcas no nosso corpo. Assim, mediante os toques terapêuticos e à escuta psicoterapêutica temos verdadeiras revoluções do ser: muitos alcançam a libertação de graves bloqueios emocionais/psicológicos.

Quando nos aproximamos do momento em que nos submeteremos a um procedimento cirúrgico, muitas coisas passam dentro do nosso interior: geralmente temos a dor, que não raramente já estamos carregando há algum tempo; temos a ansiedade por estarmos às portas de uma experiência nova que pode dar certo ou não; e por fim temos que lidar com o medo da morte, pois nenhuma intervenção desse tipo é totalmente segura.

Hoje em dia a Medicina funciona muito bem graças às novas tecnologias de recursos anestésicos, de modo que somos postos para “dormir”, para nada ver, sentir nem atrapalhar. Mas a verdade é que estamos lá e sofremos de fato todo o dano do procedimento cirúrgico.

Meu pai é Médico e cirurgião obstétrico. Ele me ensinou que é de praxe administrar medicamentos antiácidos após procedimentos cirúrgicos nos pacientes porque a “luta” cirúrgica gera muitíssimas tensões, defesas corporais.

Por causa dessas coisas a psicoterapia corporal pré-cirúrgica ganha um valor excepcional.

Pacientes que são tocados adequadamente e conduzidos em um processo psicoterapêutico anterior ao procedimento cirúrgico acabam se tornando mais aptos a receberem bem a cirurgia, os anestésicos e demais medicações; oferecem menos resistência física a essa intervenção; geralmente sangram menos; e tendem a se recuperar melhor de todo o acontecido.

Em muitos casos recomendo a preparação pré-cirúrgica com a psicoterapia corporal que pode ser administrada no dia da cirurgia, mas também no mês anterior à data marcada. De 1 a 4 sessões psicoterapêuticas corporais podem fazer toda a diferença para o paciente e a equipe médica.

O que temos em mente ao intervir antes da cirurgia marcada é zelar pela vida do paciente e abençoá-lo para sua melhor possibilidade de passar por aquilo que está por vir.

Eu acredito profundamente na psicoterapia corporal! Ela não é tudo, nem oferece garantias de vida, mas é uma excelente parceira para a busca da saúde e da saúde mental!

Obrigado por ouvir!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Tocando atletas

Boa tarde a todos!

Gostaria de lhes falar um pouco hoje aqui sobre o uso de Toques Terapêuticos para atletas.

A prática esportiva, recreativa ou profissional, requer das pessoas um desempenho físico com movimento, força, destreza e precisão. Temos a “máquina” humana aquecida e operando com capacidade alta por um considerável intervalo de tempo.

Para o atleta, a capacidade, harmonia e cadência respiratórias são fundamentais para garantir o melhor desempenho possível nas atividades aeróbicas e também naquelas de foco e exatidão. Por outro lado, o controle sobre as contrações musculares do corpo e sua alternância com estados de relaxamento é exigida.

Recentemente, com o avanço da ciência da Psicologia, têm-se descoberto mais e mais sobre a íntima relação entre os estados mentais dos atletas e sua performance esportiva. Temos o uso de música para auxiliar a coordenação motora e ativar a inteligência para o movimento. Também os trabalhos de condicionamento operante, perscrutando a essência da sequência rítmica corporal e combinações necessárias para a perfeição da ação. Além disso, temos ainda os trabalhos com as emoções e subjetividade dos atletas, alcançando o coração das motivações e anseios relacionados com a escolha da modalidade esportiva e a psicologia da vitória, o significado que impulsiona a vencer.

O esporte é, sem dúvidas, algo fascinante e intrigante: é o esforço “não necessário” que revela a beleza e o poder humanos em um ambiente controlado. Ninguém “precisa” do esporte, no sentido profundo da carência humana, no entanto, a cultura dos homens privilegia tais atividades e torna esse “desnecessário” um fundamental.

Para que o homem possa se entregar de corpo e alma em uma prática esportiva, ele precisa de muita “alma”, um propósito essencial, vivo e verdadeiro, impulsionando o treino exaustivo e a infinita repetição.

Tendo dito todas essas coisas, vamos refletir sobre as contribuições dos Toques Terapêuticos para o atleta esportista.

Em primeiro lugar os Toques Terapêuticos, promovendo estados profundos de relaxamento, ensinam gradativamente o corpo do atleta a alternância voluntária e involuntária entre a tensão e o relaxamento. Por incrível que pareça, há níveis de relaxamento que já não conseguimos mais alcançar à medida em que envelhecemos, o que acaba prejudicando a nossa potência física. Quanto mais profundo o relaxamento das fibras musculares, maior a força que ela pode produzir com sua contração.

Depois, os Toques Terapêuticos podem ser pivôs da melhora significativa da qualidade de sono dos atletas, cooperando, assim, para que alcancem sua melhor capacidade regenerativa entre uma partida/treino e outra.

Temos ainda que os Toques Terapêuticos favorecem a elaboração de conteúdos psicológicos dolorosos, promovendo, assim, gradativas transformações psíquicas que fazem dos atletas melhores companheiros de equipe, líderes motivados em ação, pessoas mais amorosas e comprometidas com suas famílias, companheiros de time e técnicos ou treinadores, e modalidade esportiva.

Como os Toques Terapêuticos tendem a afetar positivamente a capacidade respiratória dos atletas, acabam lhes proporcionando uma maior coordenação e harmonia motoras, além de uma melhora da circulação dos líquidos do corpo, da pressão sanguínea e do equilíbrio da sua produção hormonal.

Todo atleta deveria ter o seu próprio terapeuta corporal. Isso evitaria muitas lesões físicas e emocionais nessa longa jornada de aperfeiçoamento pessoal e conquistas humanitárias.

Projeto Terapêutico Toque Divino desenvolve um trabalho específico para esse público.

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

O Toque-sem-toque ou a Imposição de Mãos

Bom dia a todos!

Gostaria de lhes falar um pouco hoje aqui sobre o Toque-sem-toque ou a Imposição de Mãos.

Toque-sem-toque é um tipo de toque que acontece mesmo sem um contato físico direto. Quando se coloca as mãos, ou mais especificamente, as palmas das mãos ou as pontas dos dedos na direção do corpo de outra pessoa, temos então um tipo de toque que pode ser percebido tanto por quem faz o gesto quanto para quem é o seu alvo se você esperar um pouco de tempo prestando a atenção.

Para quem faz o Toque-sem-toque é possível sentir uma leve pressão na palma da mão ou na ponta dos dedos e também, com um pouco mais de tempo, uma certa secura na região que aponta para o corpo da outra pessoa. Por outro lado, quem recebe o Toque-sem-toque sente um calor geralmente agradável em seu corpo e especialmente na região do corpo diretamente na frente das mãos de quem toca, especialmente se o toque estiver sendo feito a pouca distância.

Quando um adulto recebe o Toque-sem-toque ele geralmente se sente relaxado e tende a adormecer. Já quando é um bebê quem o recebe, ele tende a ficar um pouco agitado e irrequieto com aquela presença calorífica que é maior do que sua capacidade de assimilá-la e dissipá-la.

Toque-sem-toque costuma ser desgastante para quem o realiza. Um período de 45min desse tipo de toque, por exemplo, se parece um pouco com o desgaste de uma corrida leve somado ao de um exercício de palestra verbal. Temos o trabalho de manter a postura física, a impostação das mãos, o controle da respiração e o desgaste desse próprio efeito terapêutico em que o terapeuta participa da regeneração psicofísica do seu paciente.

Aqui nós não temos com tanta força aquele fenômeno do eco-terapêutico, em que ao tocar o corpo do paciente, o corpo do paciente também nos toca e reproduzimos internamente um pouco dos padrões mais acentuados de funcionamento psicofísico do paciente. Mas um terapeuta experiente pode ainda discernir um pouco dessa resposta involuntária ao toque.

Toque-sem-toque costuma ser um bom empurrãozinho para os “santos remédios”. Ele é melhor aproveitado quando o que mais se precisa é de um descanso generalizado para a recuperação da saúde física e mental. Temos nele um bom parceiro para Tratamentos Médicos pontuais, em casos de doenças agudas por exemplo, e também um bom recurso terapêutico para auxiliar pacientes inconscientes ou em coma.

Ele não faz mágica nem tem poderes curativos absolutos, mas tudo o que pode é eficientemente produzir a melhor qualidade de descanso que há, mais profunda até do que a do sono noturno, visando ao restabelecimento das funções corporais e mentais a um padrão otimizado para a saúde.

Infelizmente o Toque-sem-toque ainda é evitado em muitos contextos de saúde especialmente porque ao longo da história ele veio sendo associado a práticas religiosas, misticismo, esoterismo e magia. Contudo, essa não precisa sera palavra final sobre o colocar as mãos sobre outra pessoa e esperar benefícios de saúde dessa prática.

Medicina Integrativa, por exemplo, trouxe de volta aos contextos médicos a inserção de práticas do tipo Toque-sem-toque como um recurso complementar para o suporte e apoio da Medicina Convencional, acrescentando valor terapêutico às assistências de saúde.

Todos, contudo, podemos ministrar sessões de Toque-sem-toque aos nossos familiares e amigos íntimos abatidos ou enfermos. Pois não existe um poder especial, nem um dom exclusivo que garanta os benefícios desse trabalho apenas aos praticantes experientes.

Basta termos um pouco de coragem e boa fé para separarmos um momento cronometrado e colocarmos nossas mãos sobre alguém que precisa muito de um pouco mais de saúde ou quem sabe apenas de um bom descanso.

Caso precise de alguém para fazer esse e outros tipos de Toques Terapêuticos nas pessoas a quem você quer bem, o Projeto Terapêutico Toque Divino oferece Toques Terapêuticos à domicílio e em hospitais para pacientes passando por doenças, dores, sofrimento psicológico ou recuperações.

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.