A vergonha e a verdade

Boa tarde a todos!

Estive pensando sobre o que escrever no post dessa semana. A categoria da vez é “Sabedoria cristã”.

Queria lhes falar hoje aqui um pouco sobre a relação entre a vergonha e a verdade.

Muitas pessoas estão acostumadas a pensar em Deus como uma realidade exteriora, objetal ou pessoal.

“Deus é o que está lá fora, ou melhor, lá em cima”, ou “Deus é uma pessoa diferente que mora do lado de lá”.

Mas Deus não é nem uma coisa lá fora nem uma pessoa diferente.

Os deuses são as personificações dos valores mais importantes que colocamos diante de nós.

É por isso que falar em deuses ainda não é dizer muita coisa redentiva ou construtiva, porque há valores que desgraçam a vida, atrasam os sonhos, adoecem o corpo, demenciam a mente, repelem os outros, e, no final, matam a alma.

As Escrituras Sagradas falam dos falsos deuses ou ídolos e do Deus Altíssimo, Eterno e Verdadeiro.

A falsidade de um ídolo está em que ele não é capaz de falar… Falar ao coração… Falar ao pulmão… Falar ao cérebro… Falar aos braços… Falar às pernas… Falar às emoções… Falar às relações… E sobretudo, incapaz de falar a verdade a respeito das coisas.

Enquanto um homem se desgasta em pecados, nada é capaz de falar à sua alma. Não há encontro, não há reconciliação com a integridade pessoal, não há um sopro de esperança de vida nem de futuro.

O falso deus é um pedaço de pau oco ou uma ideia vazia e sem valor, que nada ouve, nada vê, nada sente, nada entende… Na presença de um nada o homem segue cruelmente ignorando e esmagando a si mesmo, ferindo-se e degradando-se em todo o tipo de perversidade e malefícios.

Enquanto há mentira para com a alma, estamos envergonhados e procuramos as sombras de escanteio para alimentar os altares aos deuses que não passam de ausências, vazios, silêncios, sepulcros.

Por outro lado, por exemplo, quando um homem recebe a sua esposa do SENHOR, quer dizer através dos valores, Espírito ou Lei do SENHOR, o que acontece?

Ai não há vergonha alguma, há verdade. E na verdade ele encontra a reconciliação mais profunda consigo mesmo, com seus pais, família e ancestrais, e toma posse de uma qualidade de vida e saúde que jamais terá fim e pode ser apresentada dignamente a todos os homens.

É por isso que as Escrituras apresentam o SENHOR como o Único e Verdadeiro Deus.

A verdade da vergonha é que ela é um sinal do pecado, da substituição do que cura pelo que adoece, da prostituição do que devia ser beleza, justiça e honra, da negligência profunda de um homem para consigo mesmo por causa da sua falta de fé no Espírito Santo do SENHOR (o espírito que renuncia ao pecado e faz o que é o Certo mesmo enquanto a coisa errada continua acontecendo).

Não existe nenhum pecado que não seja um ato de violência contra a dignidade e a vida de quem o pratica.

Não existe nenhum caminho do SENHOR que seja um desrespeito contra a alma ou uma fonte de vergonha para a pessoa e os outros.

Quando você se arrepende de todo o seu pecado e algo foge da sua presença envergonhado, esse é o sinal da idolatria.

Uma vez que você se torna íntegro, inteiro, santo, então você consegue falar com as pessoas de bem e habitar os lugares de honra e dignidade, e participar das refeições que honram o SENHOR como Deus.

O Deus com “D” maiúsculo é belíssimo, mas não é nem uma pessoa nem um objeto lá longe. Ele é um espírito de santidade e formosura, de respeito e integridade, de coragem e força, de sabedoria e inteligência, de prudência e segurança, de favor e libertação, de poder e bênçãos sem fim.

Deixe a cura do SENHOR soprar para dentro do seu pulmão…

Abandone os ídolos, pare de chamar de precioso aquilo que só traz vergonha, morte e escravidão…

Pare de ser mau consigo mesmo(a), trate-se bem, arrependa-se dos falsos projetos e dos falsos valores, e volte-se para o Único Deus Verdadeiro…

O SENHOR está aqui, você percebe?

Louvado seja o Deus Eterno!

“Quem fizer do SENHOR o seu Deus e o colocar em primeiro lugar sobre toda a sua vida, ele(a) será curado até se tornar completamente feliz”!

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.