Compreendendo calinhos

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que tomando o tempo para se tocarem terapeuticamente cotidianamente, pois ninguém pode tocar sua família tanto quanto você!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre calinhos ou calos que aparecem no nosso corpo.

Apesar da expectativa geral de que “em casa de ferreiro, o espeto é de pau”, na minha casa toco mais do que todos os outros através do meu trabalho. Minha família recebe do melhor dos meus dons e talentos, porque isso é algo que lhes faço com alegria.

Aqui em casa, talvez um dos toques favoritos das minhas meninas seja as massagens nos pés. Um dos rituais mais marcantes na minha casa são as massagens podais antes de ir dormir. Adoro esse serviço de amor.

Quando estudava a Massagem Integrativa de Agnes Geöcze, neta do Pethö Sândor, psicólogo corporal criador da técnica chamada de Calatonia, tivemos um capítulo inteiro sobre Reflexologia e o cuidado do homem através do toque nos seus pés.

A Reflexologia ensina que na planta dos pés e mãos há terminações nervosas e vasculares que tiveram origem nas principais partes do resto do corpo, de modo que tocando determinados pontos ali é possível estimular e influenciar órgãos correlatos.

Mas é só quando colocamos a mão na massa que começamos a desvendar os mistérios desse serviço terapêutico corporal.

Quando massageamos os pés de alguém encontramos lugares onde o toque é macio e suave, e outros onde há calosidades e/ou obstáculos, por exemplo, como se fossem grãos de areia por debaixo da pele.

Os grãos de areia falam de zonas reflexas com acúmulo de impurezas e/ou com pouca capacidade de retorno vascular, onde o fluxo dos líquidos do corpo é limitado ou insuficiente. Já os calos, grandes e pequenos, falam de regiões dos pés que estão sobrecarregadas de pressão, onde há necessidade de uma camada extra de pele e proteção.

Nossa pisada é sempre modulada pela organização geral da postura do nosso corpo, sendo que, do mesmo modo como há diferenças visíveis na organização corporal de uma pessoa para outra, também nossos pés são usados de formas diferentes.

Sapatos inadequados podem gerar calosidades, mas há calos nos nossos pés que independem da nossa escolha de calçados. E é aqui que temos algo para revelar da parte da Psicologia Corporal.

Calos evitam a estimulação de áreas sensíveis do nosso corpo.

Através de pequenos calos evitamos ser estimulados em regiões corporais onde guardamos significados importantes, mas dolorosos, em geral.

Nunca me esqueço do sonho de uma paciente, que após receber seu primeiro toque nos pés teve o sonho de um grande estupro. No contexto do seu trabalho psicoterapêutico corporal, ficou claro que na verdade o toque nos pés havia alcançado regiões emocionais, ligadas ao corpo, que costumavam estar guardadas e desatendidas, representando um avanço indesejado, embora necessário, na direção da tomada de consciência do conteúdo subjetivo primordial relacionado com a sua dor.

A cura psicoterapêutica corporal é um corpo e uma mente que voltam a funcionar completamente e em harmonia. E isso requer a vitória sobre barreiras antigas, que já não são mais necessárias, pois não oferecem mais proteção significativa e/ou útil.

Calinhos protegem a nossa consciência de emoções fortes e desagradáveis, e expressam pequenas limitações para o funcionamento do nosso corpo.

“Como são formosos os pés dos que anunciam boas notícias”, diz um provérbio cristão.

Trate seus calinhos com respeito e imagine sempre que eles podem estar guardando a sua sensibilidade/percepção de tesouros subjetivos, bem como da sua reabilitação física/corporal.

Hoje vivemos tempos de grande desconexão e perda do amor. Mas a família existe para ser um lugar onde há segurança para cuidarmos e interferirmos positivamente nas vidas uns dos outros.

Meu desafio de hoje: aprendam/reaprendam a massagear os pés uns dos outros. Eu já vi muita Reflexologia se transformar em portais para a cura emocional e a restauração da saúde física.

Cuidar dos pés dos seus familiares pode restabelecer uma conexão que jamais deveria ter sido perdida.

Toques terapêuticos são demais!

Uma boa semana a todos!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

 

Encontro positivo da Psicologia com a fé

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que estejam bem, crescendo em discernimento e coragem para crer no SENHOR Deus!

Hoje temos aqui uma palestra maravilhosa da Dra. Andrea Gurney, Ph. D., psicóloga, professora e autora, sobre o ponto de encontro da Psicologia com a fé cristã. Seu trabalho é profundamente informado pelas pesquisas mais avançadas no campo da Psicologia, enquanto sua espiritualidade caminha pela autêntica submissão e confissão ao Cristo das Escrituras, Jesus, e seu Deus, o SENHOR.

O melhor da Psicologia brota do coração dos justos filhos de Deus; o melhor da fé cristã produz bençãos para aqueles que procuram compreender e obter a poderosa saúde mental.

O site da Dra. Gurmey é andreagurney.com . Ela mora em Santa Bárbara, Califórnia, com seu marido e duas filhas.

Aprendam com ela! Excelente psicóloga, genuína mente cristã.

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.

 

Resgatando meninos

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que vencendo uma batalha de cada vez na luta da vida!

Hoje vamos falar um pouco aqui sobre a psicologia masculina.

O que acontece na mente de um jovem rapaz que pode tornar tão difícil o processo de sua escolha profissional?

Acredito que para o homem a escolha de uma profissão é sua escolha mais importante, assim como para a mulher a escolha de seu cônjuge e a construção da sua família.

O jovem rapaz, ao se aproximar das decisões que o encaminham para dentro de uma prática profissional, fica confuso principalmente porque intui que há algo muito mais profundo e significativo subjacente a toda a superficialidade de uma simples escolha acadêmica e/ou de ocupação.

O ofício do homem é a expressão da sua alma e a realização do seu poder, conforme a sua vocação, para o bem de todos os outros. O ofício do homem é o caminho para ele ganhar dinheiro e receber o valor da sociedade por sua dignidade e contribuição ao bem comum.

Se você perguntar para um homem “quem é você?”, ele vai lhe contar o que é que ele faz.

Fazer, ser e realizar; conquistar, possuir e governar. Todos esses são conteúdos de primeira importância na psicologia de um homem.

Um homem sem fé no SENHOR Deus caminha nocivamente na direção dos vícios, do jogo e/ou da depressão, quando toma sua experiência com seu pai biológico e/ou adotivo como único parâmetro de referência sobre seu valor, seus motivos e seu amor. O jovem homem precisa transcender, na maioria dos casos, suas experiências reais de oportunidades e afetos, para apaziguar seu coração em meio à sua jornada na direção de encontrar o ofício que realiza os anseios do seu coração.

Todos os trabalhos são equivalentes, mas para um homem trabalhar é como se casar. Ele procura pela sua noiva e sem ela ele não pode ser feliz.

A jornada de um homem recebe instrumentação divina em todos os casos, mas apenas o homem que aprende enquanto se responsabiliza pelo zelo à sua própria santidade que realmente avança na direção dos notáveis homens bem sucedidos de sua geração.

A nota de corte não advém da boa oportunidade do começo, mas da atitude honesta e diligente ao longo de todo o caminho, porque ao longo da vida todos recebemos oportunidades chave, para as quais podemos estar preparados ou não.

Assim como uma jovem moça precisa aprender a confiar na ajuda dos seus pais para encontrar o seu casamento, um jovem rapaz também precisa aprender a confiar na ajuda dos seus pais para encontrar a sua profissão. Mesmo pais desqualificados e indignos podem ter um papel fundamental na orientação de seus jovens filhos.

Tenha paciência e temor no coração quando estiver diante de um jovem rapaz, pois a sua força está destinada a suportar o peso do mundo!

As mulheres são as criaturas mais bonitas em toda a face da terra, mas os homens são a força de todos os propósitos e boas realizações.

Trate seus meninos com carinho!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

A psicoterapia e a fé

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Que o seu amadurecimento paulatino produza frutos de paz para vocês e suas casas!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a relação entre a psicoterapia e a fé.

A psicoterapia deseja vencer barreiras, abrir caminhos e conduzir a pessoa de volta a um tipo de soberania pessoal que assegure a ela a verdadeira e inabalável saúde mental. O psicólogo em ação está trabalhando para tornar visíveis as leis ocultas por meio das quais o paciente psicológico está sabotando a sua vida e edificando as paredes do seu cativeiro mental. O que ele deseja é ajudar o outro a enxergar as mentiras autodestrutivas, desvalidando-as, e a acreditar nas verdades que libertam, para que ele possa se tornar uma nova pessoa, alguém para chamar de seu verdadeiro eu com orgulho legítimo.

Psicoterapia é luta de olhos e a visão correta dá os seus frutos de vida, que não murcham.

A fé do paciente tem um papel decisivo em todo o trabalho psicoterapêutico porque é apenas a sua decisão interior de entrega à nova perspectiva a respeito de si mesmo e da situação dolorosa que originou seus atuais desvios, vícios e más escolhas, que podem tornar a cura psicológica um fato consumado e saboroso.

Toda terapia maneja ciências e conhecimentos mas o efeito terapêutico de um encontro depende de muito mais do que isso.

Também a fé do psicólogo tem um papel muito importante, porque sem a certeza interior de que esse momento de encontro especial, que dá voz ao lugar de maior autenticidade, região emocional da franqueza e sensibilidade, é uma porta aberta nos corações para que os cirurgiões da alma possam operar uma justa intervenção positiva e para o bem, nada ele pode fazer.

O bom psicólogo é um portador da paz e a boa psicoterapia um reencontro com a parte mais importante, a pessoalidade divina, de cada um de nós.

Cada ser humano é um grande milagre! E seu valor, não há como estimar!

Psicoterapia na sua melhor versão é enfrentar o dragão com a espada da justiça (o amor), resgatar a criança pura, que estava confinada no mais profundo calabouço da personalidade, e torná-la outra vez soberana sobre o reino do eu, para que cresça, amadureça e se torne tudo o que foi desenhada para ser.

Quero crer que existem psicólogos perfeitos, aversos à preguiça e à extorsão. Homens e mulheres cheias de fé, vitoriosos em suas próprias histórias de dores e traumas, capazes de iluminar, salgar e curar.

Acredito em uma Psicologia que vale à pena ser praticada.

Obrigado a todos os psicólogos que encontram cotidianamente a pérola de grande valor dentro de seus pacientes e corajosamente se implicam com eles, pois se responsabilizam pelo tesouro da nação.

Nós todos, brasileiros, fomos vocacionados para a liberdade, prosperidade, beleza e honra!

O acúmulo de vícios, baixa autoestima, fraqueza mental, violência doméstica, escolaridade insuficiente, abuso moral e sexual, etc., todas essas coisas não terão lugar permanente na nossa grande nação!

Logo, logo, levantaremos os olhos para contemplar uma nova gente brasileira, todos nós em estado de posse da nossa plena autonomia e saúde mental!

Eis a minha psicoterapia, eis a minha fé!

Boa semana a todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Impondo a saúde mental

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que estejam bem, enfrentando as lutas da vida com a melhor das atitudes!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco mais sobre saúde mental.

Saúde mental pode ser entendida como sendo a experiência de ideias, pensamentos e sentimentos em um fluxo ordenado, positivo e promotor de bem-estar, bem como socialmente integrativo.

A verdade sobre a mente é que ela é mais um subproduto do que pioneira, de modo que primeiro vêm os hábitos cotidianos e depois surgem os resultados mentais.

Desse modo, começamos a entender que nossas escolhas práticas, o que fazemos com nosso tempo, fala mais alto no quesito produção de saúde mental, quer gostemos disso ou não.

Por essa razão que a saúde mental é algo que de certo modo deve ser conquistado a força.

Você abandona maus hábitos e aprende outros bons e saudáveis, e então você começa, a médio prazo, a perceber que novos pensamentos estão se tornando parte da sua nova vida de agora.

O impacto da renúncia de comportamentos nocivos é muito grande, todas as vezes. Mas quem não faz nenhum tipo de conversão de caminhos, jamais chega a experimentar outros estados de mente.

Há trabalhos que estimulam a mudança de mente, visando a construção de novos comportamentos; outros orientam a mudança de comportamentos, visando a libertação dos padrões ruins de pensamento.

Seja como for, haverá guerra, muita luta, muito esforço, muita renúncia, muito empenho, etc., antes que um doente mental venha a ser transformado ao ponto de reconhecer-se saudável de mente.

Os remédios psiquiátricos atenuam os danos físicos que o muito tempo ruminando pensamentos distorcidos e vivendo hábitos degenerativos deixaram na pessoa, mas não completa a rodada imprescindível de novas decisões, novas atitudes e novos comportamentos para o bem.

Uma das palavras mais verdadeiras que existem é “você precisa ser forte; você precisa ser corajoso”. Ninguém vira a página sem ter feito MUITA força para isso.

A geração parto cesariano, anestesia e videogames não tem ideia do quanta guerra uma vida vitoriosa realmente precisa vencer. A força para se colocar e permanecer de pé é superlativa.

Assim, sem a guerra santa/justa ninguém alcança a paz.

Minha palavra para vocês hoje é: deixem de lado a apatia e a preguiça. Hoje é o tempo para tomar decisões verdadeiras e pagar o preço por uma semeadura proveitosa e digna. Eu me coloco como um exemplo para vocês, pois, embora não seja ninguém de fama ou fortuna, tenho lutado o bom combate da responsabilidade e coragem, enfrentando com a melhor das atitudes as inúmeras negativas e adversidades, evitando o mal e permanecendo na luz dos que juntos se dão para o bem, e desfrutando de plena saúde mental.

Pensem grande, pensem certo: o que vocês semearem, colherão, até em termos de saúde mental.

Está entre vocês alguém desesperado, desesperançado, depressivo de modo significativo? Levante os olhos para o alto, derrube o velho hábito, desfaça a amizade com os companheiros de dissolução e faça um compromisso novo e de atos com as melhores escolhas.

Se vai doer, ser desconfortável, requerer paciência e boa fé? Sim, certamente. Mas aos corajosos, uma coroa de bem estar e lucidez.

Parabéns a todos os valentes dos testemunhos de grandes vitórias psicológicas!

Aos corajosos, saúde mental.

Beijos e abraços para todos os valentes de mente!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Self-care, cuidando de si mesmo

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Que a graça e a paz do SENHOR Deus sejam com todos os que se arrependem do mal e praticam o bem!

Hoje temos um vídeo da Biola University – Center For Christian Thought, uma palestra da psicóloga Alexis Abernethy, professora da Fuller School of Psychology, sobre a importância do auto-cuidado espiritual, emocional e psicológico no florescimento da vida cristã.

Embora o vídeo não tenha sido feito com a melhor qualidade (ele não mostra os slides que a professora projeta), ele propõe um bom começo para uma reflexão saudável sobre a nossa postura para com nós mesmos, antes de tudo o mais.

Certamente que nossas melhores conquistas estão intimamente relacionadas com encontrarmos o tempo certo para o respeito e a apreciação pela pessoa que somos, além da compreensão equilibrada de nossas reais necessidades básicas, bem como a boa disposição em supri-las.

Você só realiza o extraordinário caso se trate bem em níveis muito básicos.

Crueldade para consigo transborda em crueldade para com o próximo. Misericórdia para consigo é o caminho para a empatia e doação para com o próximo.

Lembrando sempre que toda a forma de indulgência a qualquer forma de pecado nunca é igual a amar-se ou tratar-se bem ou respeitar-se. Não! Amar a si mesmo de verdade é amar tudo o que transborda de mim quando faço pazes definitivas com o SENHOR Deus, submetendo-me à sua Lei até o ponto da encarnação do Santo Espírito.

Amor a mim mesmo em última análise é aprender e disciplinar minha alma até o ponto de fazer do SENHOR Deus o meu Senhor, pois só encontro a profunda realização da minha alma no momento em que o SENHOR Deus Reina sobre mim.

Aprecie a reflexão da psicóloga Alexis e que o SENHOR Deus abençoe as suas novas escolhas!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.