Disciplina na família

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que a cada dia mais estejam convivendo em um ambiente respeitoso e acolhedor, fazendo da sua casa um lar!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a disciplina na família.

O que é um casamento?

Casamento é uma aliança entre duas pessoas, um pacto de amor e fidelidade, firmada sobre regras de compromisso. É por meio de um discurso que consentimos e estabelecemos os parâmetros que a fazem valer e continuar.

Assim, defendo que o casamento é um prêmio delicado, que precisa de muito investimento e honra para seguir eternamente.

Qualquer casamento que não possa terminar é patológico, gera doenças. Mas aqui não quero falar como psicólogo, mas apenas como teólogo amador.

O casamento é um tipo de relacionamento que precisa da concordância das duas partes, masculina e feminina, para existir na presença do SENHOR Deus.

Estou falando sobre essas coisas de modo introdutório, porque desejo ensinar sobre a importância da disciplina no lar.

O marido precisa disciplinar a esposa e os filhos; a esposa precisa disciplinar o marido e os filhos; e os filhos precisam disciplinar os irmãos e os pais.

Essa ideia pode parecer obtusa, mas acredito que dentro de nós o SENHOR Deus coloca parâmetros de justiça que concedem a sensibilidade necessária para a mútua correção e ensino nos caminhos eternos.

O homem não pode permitir que o relacionamento continue sem que ele seja respeitado; a mulher não pode permitir que o relacionamento continue sem que seja amada acima de todas as coisas; o filho não pode permitir que o relacionamento continue sem que seja ensinado pela melhor atenção de seus pais.

Temos que perceber que a vida familiar acontece dentro de relacionamentos em que cada um precisa assumir e se responsabilizar por sua parte.

É por essa razão que o homem pede respeito, antes de tudo; a mulher, fidelidade, amor e prioridade; a criança, atenção e engajamento na sua educação.

Preciso dizer que a disciplina no lar é FUNDAMENTAL.

Aqueles que são negligentes em lutar pela parte da aliança que os toca acabam mal, muito mal.

Há as doenças psicológicas, delas falamos em um outro momento, mas principalmente a morte espiritual.

Por exemplo, um homem definha se as pessoas da sua casa são desrespeitosas na sua presença; a mulher se desanima da vida quando há rumores de infidelidade conjugal; e as crianças se tornam verdadeiros estranhos quando seus pais se recusam a participar solidariamente das suas aventuras.

Defendo que se volte a atenção para si mesmos e para o SENHOR Deus, para ouvir, para sentir, para se reconectar. Depois disso, deve-se agir em nome do acerto mais profundo do que as aparências da cordialidade exterior e rotineira.

Se o seu marido não fala com você em primeiro lugar, então você precisa discipliná-lo; se o seu pai não participa da sua vida, então você precisa discipliná-lo; se a sua esposa não o trata como o senhor da sua casa, então você precisa discipliná-la.

Saiba dessas coisas em seu interior e então peça ao Deus Altíssimo, o SENHOR, pelo caminho perfeito para disciplinar a sua família.

Disciplinar é diferente de agir irracional, violenta ou brutalmente, mas é igual a exigir com mansidão e fé que os termos da aliança que fundaram e sustentam a sua família sejam observados.

Se o seu relacionamento não é uma aliança no SENHOR Deus, então precisa terminá-lo e começar do princípio, só que direito. Por outro lado, se houve verdade e transparência para com o Soberano no momento do estabelecimento da sua relação com o outro, então é necessário investir em conhecer e aprofundar os méritos dessa relação.

Disciplina na família é levar o SENHOR Deus à sério no coração.

Ou cada um cumpre o seu papel ou é melhor se afastar da toxidade do convívio desgraçado.

Não tenha medo de por à prova os seus relacionamentos importantes, pois eles moldarão o seu espírito, para o bem ou para o mal.

Pense nisso!

Em oração por todos vocês! Orem também por nós!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

A quem honra, honra

“Certo dia Jesus[, o Cristo,] estava orando em determinado lugar. Tendo terminado, um dos seus discípulos lhe disse: ‘Senhor, ensina-nos a orar, como João [Batista] ensinou aos discípulos dele’.

Ele lhes disse: ‘Quando vocês orarem, digam: Pai! Santificado seja o teu nome'”. (Lucas 11.1-2a. NVI).

Boa tarde a todos!

Você se considera importante? Sente nos ossos que a sua pureza merece o respeito?

Se você já passou para a casa dos 30 anos ou mais, provavelmente já observou o fenômeno da autoridade no mundo: certas coisas só acontecem na presença de certo alguém.

As pessoas são fenomenais porque na plenitude da sua integridade coisas especiais acontecem no mundo que sem elas não aconteceriam jamais. É por isso que em nome de certas pessoas se faz e realiza coisas espetaculares.

O nome de alguém carrega o poder da sua presença e da maravilha do dom que nele está.

Se você deseja orar com Jesus, o Ungido do SENHOR, precisa aprender a tratar com respeito o Nome dos nomes, o Nome Todo-poderoso do SENHOR, Deus.

É difícil para o inexperiente compreender essa relação direta entre o nome de alguém e a sua presença ou poder de ação ou espírito, mas digo aos neófitos o nome do Justo carrega a sua justiça.

As promessas bíblicas são incontáveis e firmes: quem invocar o nome do SENHOR será salvo/socorrido/ajudado.

Nos Estados Unidos da América o nome “Jesus” é interjeição: “ops, tropecei… Jesus!” Já no Brasil temos o “Nossa Senhora!” ou o “meu Deus!” na boca de todo o mundo.

Mas o que de fato significa o nome “SENHOR Deus” ou “Jesus, o Cristo”? Invocar o nome do Deus Verdadeiro ou do seu Cristo significa de uma só vez adentrar a sua presença e submeter-se ao seu Espírito.

Quando você orar, deve dizer “seja tratado com respeito o teu nome, ó Deus”, “seja pronunciado com reverência e importância o nome daquele por meio do qual temos socorro, poder, força, saúde e riquezas sem fim”.

Os budistas tratam da sua vida como se não houvesse um Deus do lado de lá, mas há. Existe um outro sempre presente e eternamente poderoso na outra ponta, para onde dirigimos as nossas orações.

Seja cauteloso quando pronunciar o Nome do Altíssimo e suplique para que todos o tratem com a devida honra em pureza de intenção.

Tudo a respeito do SENHOR Deus tem a ver com os nossos esforços para amar e permanecer no amor. Por isso, dizemos que somos santos quando estamos reconciliados com o grande Eu Sou.

A conclusão da lição de Jesus, o Cristo, sobre a oração é que o SENHOR Deus não negará em hipótese alguma o Espírito Santo ao coração daqueles que o pedirem sinceramente.

Experimente entrar na presença do SENHOR Deus… Experimente pronunciar o seu nome como se fosse sagrado…

Suas experiências de fé lhe concederão discernimento progressivamente e ao longo dessa jornada você reconhecerá que quando invoca o nome do SENHOR Deus deve fazê-lo com reverência e limpo de coração.

A religião cristã tem tudo a ver com a aproximação do homem com a beleza da santidade do SENHOR Deus.

Você fica mais bonito quando invoca o santíssimo nome do SENHOR Deus.

Limpos e curados, é assim que ficamos quando tratamos com honra aquele que é Digno.

Tratar corretamente o nome do SENHOR Deus é estar no caminho certo para a vida eterna. Pense nisso!

Obrigado por estar hoje aqui!

Que o SENHOR Deus abençoe a todos nós e nossas famílias! Em nome de Jesus, o Cristo, amém.

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.