Nascidos para o relacionamento

Boa tarde a todos!

Hoje temos um vídeo da palestra Born to Relate: in Trauma, Transformation and Transcendence da Prof. Dra. Marie Hoffman, Psicóloga e Psicanalista, PhDpara a 3ª Conferência Anual do Center for Christian Thought da Biola University.

Para ela, o maior valor para os seres humanos são os relacionamentos. Se você está diante de um problema, de um processo de transformação ou de uma meta de vida, você realmente está diante de questões produzidas e solucionadas por relacionamentos.

Assim como o Criador fez o homem para um relacionamento com ele, também a Psicanálise identifica os relacionamentos como um valor primordial e a expressão básica da natureza humana.

Pesquisas Científicas indicam que até o comportamento de gêmeos no ventre materno demonstram que a inclinação para relacionamentos vem antes de todos os demais impulsos. Por isso que os processos de rupturas de relacionamentos estão tão fortemente ligados com a formação dos traumas psicológicos.

Relacionamentos humanos amorosos são essenciais para as transformações pessoais e as curas emocionais, tornando-se um elemento necessário inclusive para a transcendência como veículos de redenção no Reino do SENHOR Deus.

Nessa palestra a Dra. Marie Hoffman usa um exemplo clínico para demonstrar a conexão entre relacionamentos problemáticos com a imposição de tabus e segredos de família, e a formação de traumas psicológicos. A compulsão para repetir comportamentos pecaminosos seria derivada do anseio profundo das pessoas por se manterem em conexão com relacionamentos antigos.

Por exemplo, crianças que precisam se manter emocionalmente ligadas a pais que falharam com elas internalizam o comportamento deles e os repetem, garantindo assim uma conexão relacional com eles através dessa identificação profunda e destrutiva. Dessa maneira “o pecado dos pais recaem sobre seus filhos” (Ex 20.5) de uma maneira inconsciente de geração a geração.

“Escravidão ao pecado é mais do que uma patologia individual: ela é uma patologia transmitida por relacionamentos”, afirma Dra. Marie Hoffman.

As pessoas dizem “eu gostaria de poder mudar”, mas até que elas percebam essa relação profunda entre efetivamente mudar e estar desfazendo um vínculo de identificação e relação inconsciente com alguém em especial, elas não alcançam a mudança.

A verdade que liberta para a mudança é a descoberta do motivo emocional que me impede de fazer diferente para de alguma maneira continuar perto e ligado a alguém em especial.

“Por que a encarnação de Jesus Cristo foi necessária? Por que a mera apresentação da Lei do SENHOR Deus não foi suficiente para a cura dos homens?” Porque se o pecado entra a vida dos homens por meio de relacionamentos, também a sua Cura Divina depende de um novo e perfeito relacionamento para acontecer.

De modo semelhante, na Psicoterapia a atualização vivencial dos padrões emocionais dos pacientes é necessária para quebrar as velhas maneiras e experimentar o frescor do nascimento de um “novo eu”. Por isso é necessária uma abordagem psicoterapêutica que fale também à carga emocional do material dissociativo guardado no inconsciente e ligado ao funcionamento do hemisfério direito do cérebro, trazendo uma transformação para a pessoa como um todo, juntamente com sentido e compreensibilidade para o hemisfério esquerdo do cérebro.

Atuações de conteúdos do inconsciente são neurologicamente expressões de padrões afetivos e relacionais formados anteriormente ao amadurecimento da memória verbal. Por isso que a cura das emoções e do sentimento de identidade requer uma nova capacidade de saber, sentir e discernir os eventos emocionais significativos da história de vida dos pacientes com novas palavras e em um novo relacionamento em tempo real.

“Você não pode resolver um problema por decreto. Você precisa lidar com ele face-a-face em um encontro real” (Sigmund Freud).

Quanto mais efetiva a psicoterapia é em promover uma relação terapêutica de alcance afetivo para os pacientes, melhor o seu resultado no longo prazo, explica a Dra. Marie Hoffman, comentando algumas pesquisas científicas sobre o assunto. Por exemplo, depois de 18 meses de tratamento psicanalítico 57% dos pacientes anteriormente diagnosticados com sintomas de Border Line Personality Disorder já não mais possuíam as características para esse diagnóstico contra apenas 13% no grupo controle.

“O que os pacientes mais precisam é de um vínculo reconfortante com um outro ser humano que se importe com eles”, afirma a Dra. Marie Hoffman.

Contudo, simplesmente uma relação bondosa e afirmativa não é capaz de interromper o ciclo de maus vínculos e identificações equivocadas e nocivas. Para D. S. Winnicott, é apenas quando o psicoterapeuta é atacado da mesma maneira como o seu paciente foi pelos seus vínculos maus e sobrevive a esse ataque, que há uma oportunidade real de cura psicológica para ele. A redenção por meio da “ressurreição” do psicoterapeuta é essencial para a cura do paciente.

Vale à pena conferir essa excelente palestra!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Sobre relacionamentos

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre relacionamentos.

Relacionamentos são a fonte da vida e o único modo de se permanecer vivos, florescer e ser feliz.

Relacionamentos são a faca que nos fere a alma, a pedra que nos faz tropeçar, a primeira e a última camada do poder maligno que nos aprisiona em caminhos de morte e de infidelidade para com Deus.

Relacionamentos é um assunto muito delicado.

Quando somos crianças e adolescentes, e até o final da juventude conhecemos basicamente o que sentimos e experimentamos. E essas são essencialmente as marcas que recebemos do espírito de outros.

Em relacionamentos somos gerados e criados, nossa vida, ou melhor, a vida que aparece em nós no começo é um resultado direto da influência que outras pessoas têm sobre nós. E isso é ser jovem.

Mas a partir de um determinado ponto, passamos a identificar melhor os espíritos dos relacionamentos e começamos a ter que fazer escolhas cada vez mais difíceis e significativas.

Se no começo temos alguma liberdade de escolha apenas dentro das fronteiras da espiritualidade de nossos pais ou cuidadores primários, com a vida adulta devemos passar a um amadurecimento que porá à prova até mesmo o espírito dos nossos pais.

A verdade é que toda espiritualidade se constrói apoiada em relacionamentos.

Agora, o que acontece ao casal que descobre falhas graves na espiritualidade de seus pais? O que acontece ao adulto que descobre que o ar em que respiram os seus relacionamentos de infância é tóxico ou escravizador? O que acontece à senhora idosa que percebe que sua vida foi desperdiçada servindo solidariamente a espíritos de perversidade?

Para se por novamente de pé, é necessário amputar o membro necrosado, aceitar o dano da perda e receber a cura que vem de Deus.

Mudar de mente é mudar de mesa; mudar de espírito é mudar nos relacionamentos.

Vivemos em um tempo que diz: “quanto mais gente melhor”.

Mas a sabedoria de Deus diz que “quem tem muitos amigos pode chegar à ruína” (Pv 18.24a. NVI).

Quando o tempo investido juntos é muito grande, a marca na alma fica mais profunda. Por isso que “há amigo mais apegado que um irmão” (Pv 18.24b. NVI).

Contudo, o certo é que se construa o apego apenas por aquela família que nascer ao redor da sua autêntica luta pela justiça e marcha pelo e para os caminhos do bem.

Se você está muito apegado em relacionamentos ímpios, se quiser viver, vai ter que sofrer na carne a dor de terminá-los.

Terminar um relacionamento de grande apego é como morrer. E não há como suavizar esse drama.

Mas a morte para um relacionamento ruim é o único caminho e a vida para um relacionamento novo e bom, que virá para aquele(a) que crê.

Quem morrer a morte de Jesus Cristo, qual seja, se dispor a perder todas as coisas, honras e benefícios, e a ficar totalmente sozinho se isso for necessário para não pecar mais contra Deus e fazer o que é certo aos Seus olhos, vai ser ressuscitado da mesma forma como ele foi. E ressurreição quer dizer restituição plena e ainda um benefício muito superior à soma de todos os benefícios perdidos anteriormente nas renúncias do arrependimento e da fé.

Se você só tem relacionamentos ruins, então primeiro vai ter que pagar o preço da solidão e sofrer o dano das rupturas para que depois Deus possa lhe trazer novos e bons relacionamentos, e, com eles, a vida eterna.

Às vezes o novo relacionamento acontece até mesmo com pessoas das antigas, mas isso é assim apenas quando elas também se dispõe a fazer algo novo e a renunciar aos ídolos velhos. Mas maravilhosamente a novidade de Deus muda os nossos olhos e abre o nosso coração de uma maneira verdadeira, e passamos a ver valor onde não víamos, a conhecer pessoas que não existiam para nós e a encontrar afetos calorosos onde não havia nada.

O que acontece ao homem quando ele é socorrido por Deus?

Ele encontra o amor, a fraternidade, a prosperidade e a paz pela qual sempre ansiou.

Não tem jeito fácil de se terminar um relacionamento ruim de dias, que dirá um de anos. Por isso, se você precisa fazer isso agora, apenas seja forte e corajoso(a), creia em Deus e confie na santidade: a retidão jamais terá fim. Além disso, existe uma força de ressurreição que é capaz de fazer um relacionamento ruim que você rompeu hoje para fazer o que é o certo diante de Deus renascer como um relacionamento bom no futuro se você permanecer fiel a Deus e a outra pessoa se voltar para Ele também.

A recompensa da justiça é uma vida plena e abundante florescendo através de alianças e laços afetivos que permanecerão para sempre!

Os nomes disso são: Igreja com “i” maiúsculo, família verdadeira e amigos de Deus.

Eu acredito em Deus! Se Ele me ampara, também apara você! O Seu amor dura para sempre e a sua fidelidade de geração em geração!

Se você pedir, Ele lhe ajudará a ser perfeito(a). Tão somente tenha fé e o amor de Deus encherá a sua vida.

Depois da guerra justa, haverá paz, promessa de Deus.

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

“‘The M Word’ – Your brain, Friends and Soul on Technology”, palestra da Psicóloga Dra. Doreen Dodgen-Magee.

“Dr. Doreen Dodgen-Magee addresses technology use and addiction.

She presents startling statistics and research on the psychological aspects of technology use and calls her audience to consider changing the amount of time they spend using technology and the ways they allow it to influence them.

She presents her concerns that social media has given young people a false sense of self, that people are no longer stimulating their bodies and minds in meaningful ways, and most importantly that people are losing the depth of their spiritual life, which naturally must be slow-paced and focused”.

Aqui temos um vídeo muito interessante da Rosemead School of Psychology, da Biola University, sobre tecnologia, relacionamentos e espiritualidade.

“‘The M Word’ – Your brain, Friends and Soul on Technology”, palestra da Psicóloga Dra. Doreen  Dodgen-Magee.

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Começando a construção

Boa tarde a todos!

Começaremos a construir um fundamento de compreensões e entendimentos sobre Deus e a cura de Deus.

Desejamos ser claros e verdadeiros, como os Pastores de gente precisam ser.

No começo há sempre um homem em solidão. Não acredito que o problema humano parta de outro lugar, senão das coisas que estamos dispostos a fazer para vencer a solidão.

Ser o que somos e sermos amados.

“Ser o que somos” é quando ouvimos uma resposta no nosso coração que confirma aquilo que já sabemos desde o princípio a respeito de nós mesmos.

“Sermos amados” é quando somos apreciados e respeitados no lugar da nossa autêntica integridade por outros também.

Começamos sozinhos e esperamos a mão do socorro de Deus no afeto de um rosto humano.

Somos tão carentes no íntimo que somos capazes de negar a Deus para continuar embalados.

Mas não há embalo de alma onde não há paz com o SENHOR Deus.

Afeto genuíno é a colheita que obtemos da ceara do SENHOR, fruto que vem do lado de lá do arrependimento e da retidão.

Certos com o SENHOR Deus acertamos a mão e o coração nos relacionamentos.

Quem faz a curva do arrependimento e tem a coragem de recomeçar direito encontrará a Vida Eterna.

“Não é bom que o homem esteja só”… “Farei alguém que lhe auxilie e corresponda”… Deus faz esse tipo de coisa para cada um de nós.

Não volte as costas para o SENHOR Deus por um calor humano roubado, pois o calor humano verdadeiro é o presente natural da graça de Deus.

Ande com o SENHOR. Ele cura você de toda a sua solidão.

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Aparência de justiça e justiça de Deus.

“Os fariseus, que amavam o dinheiro, ouviam tudo isso e zombavam de Jesus. Ele lhes disse: ‘vocês são os que se justificam a si mesmos aos olhos dos homens, mas Deus conhece o coração de vocês’ ” (Lucas 16. 14, 15a. NVI).

Há os que falam das coisas de Deus e praticam atos de purificação cerimonial, mas não praticam a justiça de Deus e não têm nenhuma filiação com Deus Pai.

Quem é justo pratica a justiça de Deus por meio da fé.

A justiça de Deus começa com o fato de que as riquezas não nos pertencem; as riquezas pertencem a Deus.

Ninguém que possua riquezas pode ignorar a vontade de Deus para essas riquezas sem receber as consequências eternas de sua iniquidade.

“Havia um homem rico que se vestia de púrpura e de linho fino e vivia no luxo todos os dias.

Diante do seu portão fora deixado um mendigo chamado Lázaro, coberto de chagas; este ansiava comer o que caía da mesa do rico. Até os cães vinham lamber suas feridas.

Chegou o dia em que o mendigo morreu e os anjos o levaram para junto de Abraão. O rico também morreu e foi sepultado. No [inferno], onde estava sendo atormentado, ele olhou para cima e viu Abraão de longe com Lázaro ao seu lado. Então, chamou-o: ‘pai Abraão, tem misericórdia de mim e manda que Lázaro molhe a ponta do dedo na água e refresque a minha língua, porque estou sofrendo muito neste fogo’.

Mas Abraão respondeu: ‘filho, lembre-se de que durante a sua vida você recebeu coisas boas, enquanto que Lázaro recebeu coisas más. Agora, porém, ele está sendo consolado aqui e você está em sofrimento. E além disso, entre vocês e nós há um grande abismo, de forma que os que desejam passar do nosso lado para o seu, ou do seu lado para o nosso, não conseguem’.

Ele respondeu: ‘então eu te suplico, pai: manda Lázaro ir à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos. Deixa que ele os avise, a fim de que eles não venham também para este lugar de tormento’.

Abraão respondeu: ‘eles têm Moisés e os Profetas; que os ouçam’.

‘Não, pai Abraão’, disse ele, ‘mas se alguém dentre os mortos fosse até eles, eles se arrependeriam’.

Abraão respondeu: ‘se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão convencer, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos’ ” (Lucas 16. 19-31. NVI).

A justiça de Deus também aponta para o fato de que as pessoas não nos pertencem, as pessoas pertencem a Deus.

Ninguém que se relacione com uma pessoa pode ignorar que há a vontade de Deus para esse relacionamento.

“Quem se divorciar de sua mulher e se casar com outra mulher estará cometendo adultério, e o homem que se casar com uma mulher divorciada estará cometendo adultério” (Lucas 16. 18. NVI).

Os fariseus agiam como se as riquezas não fossem de Deus nem as pessoas, mas se justificavam diante dos homens com suas palavras e compromissos cerimoniais.

“[Mas] aquilo que tem muito valor entre os homens é detestável aos olhos de Deus” (Lucas 16. 15b. NVI).

Deus não quer saber da eloquência do meu discurso, nem do meu compromisso ritualístico.

Deus quer saber se o dinheiro que tenho está sendo administrado segundo a Sua vontade; Deus quer saber se nos meus relacionamentos eu honro a aliança fiz com Ele, praticando neles o Seu amor, pureza e fidelidade.

Não adianta dizer que amo a Deus, que sou cristão, se deixo o Lázaro moribundo que está à minha porta desassistido de minhas riquezas; não adianta ir ao culto dominical e repetir o “Pai Nosso” antes do jogo de futebol, se abandono o meu cônjuge por quaisquer motivos que não a imoralidade sexual.

Você ama a Deus? Então honre a Deus com suas finanças, administração e bens; cuide do seu cônjuge, ame-o e seja-lhe fiel, e viva seus relacionamentos com a integridade de Jesus Cristo.

“Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito.

Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem lhes confiará as verdadeiras riquezas? E se vocês não forem dignos de confiança em relação ao que é dos outros, quem lhes dará o que é de vocês?

Nenhum servo pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará outro, ou se dedicará a um e desprezará outro. Vocês não podem servir a Deus e a Mamom” (Lucas 16. 10-13. NVI).

Aparência de justiça: a eloquência, a argumentação e os hábitos com verniz religioso.

Justiça de Deus: administração, mordomia e finanças, sexualidade e relacionamentos pessoais todos submissos ao Espírito de Deus pela fé.

“A Lei e os Profetas profetizaram até João. Desse tempo em diante estão sendo pregadas as boas novas do Reino de Deus e todos tentam forçar sua entrada nele.

É mais fácil os céus e a terra desaparecerem do que cair da Lei o menor traço” (Lucas 16. 16, 17. NVI).

Todos tentam forçar a sua entrada no Reino de Deus, mas ninguém consegue torcer os caminhos de Deus. Por mais forte que um homem seja, a porta de acesso para o Reino de Deus não pode ser quebrada, alargada, corrompida ou movida. Ela é a mesma e permanecerá assim para sempre. Para entrar, ele precisa se arrepender e abandonar sua rebelião contra o Unigênito Filho de Deus.

Aparência de justiça não é justiça de Deus. E sem a justiça de Deus, que é pela fé, ninguém herdará o Reino de Deus.

Arrependamo-nos todos! Pois o Reino de Deus está próximo!

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.