Repensando o mérito

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? A graça e a paz de Jesus, o Cristo, aos irmãos!

Hoje vamos falar aqui um pouco sobre a questão do mérito.

Estava conversando com a Cibele, minha esposa, quando ela começou a aprofundar nossa conversa sobre esse tema.

Quem é aquele que merce a vitória, o que termina primeiro a corrida ou o que corre com mais integridade? O que desempenha a performance acima dos outros ou o que coloca os outros acima de si mesmo?

Nas Escrituras Sagradas, especialmente nas cartas do Paulo, apóstolo, parece haver um abismo entre graça e mérito, mas isso porque ele precisa ressaltar a diferença que há entre buscar a justiça por meio de obras e por meio da fé.

De uma maneira sintética, diremos que buscar à justiça por meio de obras é colocar a questão do mérito sobre o comportamento religioso ou na consecução ritualística de etiquetas judaicas, como vestuário, higiene, alimentação, pagamento de dízimos e ofertas, festividades e atos simbólicos (como a cirurgia de circuncisão).

Por outro lado, buscar a justiça por meio da fé é colocar a questão do mérito sobre a inegociável confiança que um filho do SENHOR Deus demonstra para com seu Deus, dando lugar ao espírito da sua santidade (a obediência sincera e autêntica à verdade da sua Lei), em arrependimento genuíno contra toda forma de pecado, alegria no prazer do SENHOR Deus e amor valoroso por todos a partir do amor ao SENHOR Deus.

A questão do mérito está sempre presente, pois a fé é o que condiciona a liberação do poder da graça do SENHOR Deus, de modo que merce a graça, que é o favor gratuito presente na relação de amor mútuo entre um homem e o SENHOR Deus, aquele que demonstra a perfeita fé.

Perfeição é medida pela inteireza do coração, de modo que todo ser humano pode ser perfeito na presença do SENHOR Deus, sendo excluídos apenas aqueles que agem com hipocrisia ou dissimulação.

Mas voltando à Cibele, minha esposa, quem verdadeiramente ganha a corrida é aquele que ama o seu irmão. Quem merece a vitória é aquele que é perfeito de coração.

O mérito corretamente compreendido é o fator que estabeleceu um trono inabalável à descendência de Davi, filho de Jessé. Foi o mérito profundo que fez com que os céus se abrissem para que todos ouvissem as palavras do Altíssimo sobre Jesus, o Cristo, dizendo “esse é o meu filho amado, em quem tenho prazer”. Foi o mérito aos olhos do Deus Pai que encontrou no assassino Saulo de Tarso o apóstolo Paulo: no Reino do SENHOR Deus o assassino de coração sincero vale mais do que 1.000 religiosos oportunistas, pois o mérito aos olhos do Deus Altíssimo é tudo o que se necessita para uma obra perfeita de conversão e iluminação espiritual, a formação de um homem aprovado e divinizado.

Existe uma diferença entre o ímpio e o ignorante, entre o perverso de coração e o buscador da verdade confuso e enganado. O primeiro será morto, sua sentença já foi promulgada; mas o segundo será esmagado pela vida e refinado pelo fogo, até que se torne um precioso e inabalável instrumento da parte do SENHOR Deus.

Eu acredito em milagres! Já disse isso? Hehehe…

Ganhe o direito de ser chamado de filho do SENHOR Deus! Converta-se dos maus caminhos de fato e de alma, de todo o seu coração! Pratique o bem quando ninguém estiver olhando, mas apenas o SENHOR, o seu Deus!

Eu acredito em milagres!

O SENHOR Deus está aqui nesse lugar!

Boa semana!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.

Política

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Que a graça maravilhosa do SENHOR Deus sustente toda a sua iniciativa, boa intenção e esforço na direção da edificação de um lar de paz!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre política.

Estamos às vésperas do segundo turno das eleições presidenciais e governamentais aqui em São Paulo. Muita coisa boa e proveitosa podem se seguir a partir da escolha dos novos líderes para a nossa nação.

Na empresa onde trabalho ouço quase todos os dias as opiniões e reações de colegas a tudo o que está acontecendo em política no nosso país. Temos um confronto histórico entre representantes da direita e esquerda políticas, como nunca antes por aqui.

A política tem o poder de nos tirar do sério, de nos levar a reações exaltadas e nos fazer brigar com outras pessoas.

Diante das decisões políticas acabamos revelando um pouco dos bastidores do nosso coração, pois escolher um governante é semelhante a revelar o espírito ao qual desejamos nos submeter.

Dessa vez não será diferente, pois estamos diante dos destinos de nossa amada nação.

Estamos maduros para a política quando discordâncias podem ser expostas sem agressões pessoais nem julgamentos absolutos.

Muitas pessoas desejam enfatizar que o estado é laico, querendo abominar a religião do contexto político. Mas a verdade é que o único sentido verdadeiro dessa condição é que, graças ao SENHOR Deus, não são as instituições religiosas quem devem possuir a palavra final na decisão sobre quem serão os próximos governantes da nação.

Por outro lado, tudo o que importa às questões de política é o espírito de religião que a nação deseja suportar. Quero tornar simples esse pensamento: o que vamos fazer com nossas riquezas, nossa força de trabalho, nossas almas humanas, etc., isso tudo depende de que deus vamos adorar.

Política é sempre religião.

De todos os deuses possíveis, recomendo o SENHOR como Deus único e verdadeiro. Seus mandamentos não são pesados, mas portam a cura perfeita em seus efeitos.

Defendo que se honre ao SENHOR como um caminho político.

Defendo que se dê um voto de confiança à Lei do SENHOR Deus Altíssimo.

Quando o Espírito Santo ou Espírito da Santidade do SENHOR Deus reina, então todos podem chegar à felicidade por meio do arrependimento e da fé.

O único reino que contempla a todos, no sentido de que trabalha para a promoção da realização dos sonhos mais verdadeiros de cada um de nós, é o Reino do SENHOR Deus.

A espada nas mãos do Cristo corta com perfeição; a balança nas mãos dos Santos pesa com retidão; os bolsos administrados pelos Amados do SENHOR promovem o florescimento da beleza e perfeição dos demais seres humanos.

Eu queria ser forte como meu pai, mas tudo o que tenho é um pouco de fé.

Como são belos os pés dos que anunciam boas novas!

O Reino do SENHOR Deus está próximo! Arrependam-se e creiam, apenas a pequena porta e o caminho estreito do arrependimento e conversão para longe dos caminhos maus resultarão em vida eterna.

Obrigado por acompanhar o nosso blog!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.

Gratidão

“Depois disso o Senhor [Jesus, o Cristo do SENHOR,] designou outros setenta e dois e os enviou dois a dois adiante dele a todas as cidades e lugares para onde ele estava prestes a ir. E lhes disse:

(…)

Ai de você, Corazim! Ai de você, Betsaida! Porque se os milagres que foram realizados entre vocês o fossem em Tiro e Sidom, há muito tempo elas teriam se arrependido, vestindo roupas de saco e cobrindo-se de cinzas. Mas no juízo haverá menor rigor para Tiro e Sidom do que para vocês.

E você, Cafarnaum: será elevada até o céu? Não; você descerá até o Hades!” (Lucas 10.1-2a, 13-15. NVI).

Bom dia a todos!

Nas Escrituras sagradas a expressão máxima de advertência e iminência de juízo são os “ais”. Quando uma pessoa ou nação passa da linha, ela é advertida; mas quando o seu castigo está às portas, então ela ouve um sonoro “ai de você(s)!”.

Investigando o Evangelho de Lucas fomos surpreendidos por testemunhos dos atos e palavras de Jesus de Nazaré, o Cristo do SENHOR, que ora demonstram o poder e a eficácia do Amor do SENHOR, expulsando espíritos malignos, curando doentes e salvando pessoas da morte, e ora revelam a seriedade e gravidade da existência de um único que é Deus.

Existe uma radicalidade e uma força de corte profundamente ligada ao fato da existência do SENHOR, que é o único Deus. Da mesma forma como a vida e a beleza emanam do verdadeiro Deus, também a insubmissão, insubordinação e a rebelião contra ele implicam necessariamente uma sentença de morte fria e final, e tormentos eternos.

O beijo doce do Amor, que nos aquece o coração, alivia as nossas tensões e satisfaz o nosso anseio de felicidade, traz com ele uma obrigação de fidelidade e de resposta de integridade sob ameaça de penalidade máxima.

O Amor do SENHOR custa o equivalente a tudo o que um homem possui, inclusive a sua herança pessoal pelos séculos dos séculos sem fim. É por isso que a ingratidão a esse Amor não tem perdão nem são aceitas desculpas para aqueles que o recebem indignamente.

Muitas coisas as pessoas chamam de amor hoje em dia. Qualquer calor, mesmo os calores mais sujos e promíscuos, contato, aperto de mãos ou sorriso, chama-se amor. Mas esse não é o Amor de que estamos falando aqui.

Estamos falando da presença do SENHOR por meio do Espírito de Santidade dos seus cristos, apóstolos, santos e profetas de todas as gerações.

Imagine que alguém entre na sua casa trazendo com ele o Shalom do SENHOR: ele cura os doentes da sua família e expulsa os espíritos imundos das mentes de todos os seus queridos; ele abençoa a sua família com o favor do SENHOR e a prosperidade do justo; ele multiplica a sua riqueza e lhe ensina os caminhos da fidelidade do SENHOR inclusive para a profissão de cada homem da sua casa e para a família de cada uma das mulheres do seu lar; a presença dele desfaz todas as mentiras que atormentaram os seus familiares e gerações por anos incontáveis, e quando deixa a sua casa as Leis do SENHOR estão escritas em cada uma das suas paredes e vocês têm alicerces firmes para manterem-se todos juntos e em pé. E tudo isso de graça!

Depois desse tipo de visita, voltar a se revolver na lama dos velhos pecados e picuinhas das gentes sem fé é uma blasfêmia e uma ingratidão imperdoável.

Há gentes que viram até seus mortos serem ressuscitados, mas ainda assim recusaram-se a arrepender-se dos seus maus caminhos e a adorarem ao SENHOR como Deus.

Nesse texto a indignação do Cristo do SENHOR é com a dureza de coração daqueles que efetivamente experimentaram do Amor do SENHOR, mas continuaram agindo como se ele não existisse. No Apocalipse de João a perplexidade é que mesmo diante dos atos do juízo do SENHOR contra toda a impiedade ainda assim muitos continuarão com essa mesma atitude.

O Amor de Deus pode muito; o Juízo de Deus também, mas o coração do homem pode resistir ao SENHOR obstinadamente até a sua própria morte.

Qual a culpa que um homem tem se rejeitar ao SENHOR sem nunca jamais ter sido tocado pelo seu Amor? Nenhuma. Mas ai daquele que tendo sido amado com Amor Total rejeitar aquele por meio do qual esse santo milagre lhe favoreceu.

O Amor custa caro… Todo o Amor custa TUDO para quem dá. Ele vem de graça, mas a ingratidão, que é essencialmente a recusa de adorar o mesmo Espírito de Santidade que nos transmitiu o favor do SENHOR, respondendo à vida com integridade, esperança e Amor a partir desse ponto, ela não tem perdão.

Pense nisso: se naquele Dia futuro Jesus de Nazaré testemunhar que os sacrifícios de Amor que foram feitos em seu favor tivessem sido feitos a outros, eles certamente teriam se arrependido e voltado ao SENHOR, então você cruzou a linha da ingratidão que não será perdoada.

“Deus é Amor”, isso requer discernimento espiritual, experiência pessoal, gratidão, arrependimento e fé.

O SENHOR abençoe todos vocês! Em nome de Jesus, o Cristo, amém.

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

A joia de Marion Rosen

Boa tarde a todos!

Perguntei para a minha esposa: “amada, sobre o que devo escrever agora?” E ela me respondeu: “amado, fale sobre sua percepção do trabalho de Marion Rosen; fale sobre como os anos de trabalho podem produzir um espírito correto e um discernimento apurado”.

Apesar de minha intensa admiração por Marion Rosen sei que não sou capaz de falar dela com toda a propriedade, pois nem a conheci pessoalmente, nem tive acesso a toda a extensão do seu trabalho.

Por isso, vou falar apenas como alguém que conhece algo do seu trabalho e que recebeu o toque de um de seus discípulos; não como um biógrafo, mas como um distante admirador.

Marion Rosen foi uma joia que levou muitos anos para ser lapidada com sucesso.

A beleza e o poder do seu trabalho não foram alcançados sem suor, correção, dedicação e muito trabalho anos a fio.

Temos uma história de superação pessoal por detrás da criação de um método terapêutico maravilhoso e uma sensibilidade poderosa, que foi refinada até o ponto do equilíbrio e garantiu uma eficácia terapêutica extraordinária.

Marion Rosen sofria de asma e trabalhou a vida inteira para devolver o sopro sadio a si mesma e aos outros.

São os anos dedicados ao trabalho para curar a parte do mundo que nos toca que produzem em nós um espírito correto e um discernimento apurado sobre o que realmente é importante e decisivo no trabalho e na vida.

Marion Rosen respeitava os seus pacientes e se tornou capaz de perceber a mais sutil das variações nos padrões respiratórios  deles para apontar até mesmo as idades a que seus traumas emocionais se referiam.

O vigor da juventude é belo, mas como é bela também a sabedoria dos cabelos brancos de um bravo!

A coragem que é necessária hoje é a de enfrentarmos nossos problemas de hoje a cada dia com o bom ânimo da responsabilidade e fidelidade de quem sabe colherá os frutos de vitória no distante amanhã.

Quem não é fiel nos bastidores da vida, jamais terá algo de autêntico, útil, honroso e bom para oferecer aos outros.

Como está a sua família? Histórias de ruína podem gerar excelentes construtores de abrigos.

Como está a sua saúde? Histórias de doença podem gerar excelentes Médicos e Terapeutas.

Como está a sua vizinhança? Histórias de desamparo podem gerar excelentes Assistentes Sociais.

Tenho mais duas perguntas para você hoje:

(1) Qual é o trabalho pequeno que está posto diante de você pelas urgências da vida no dia de hoje?

(2) Qual é o trabalho grande que o seu coração pôs diante de você desde o princípio da sua consciência?

Se você for absolutamente fiel com o trabalho pequeno, um dia terá condições de assumir a responsabilidade pelo trabalho grande.

Se você jamais se esquecer do seu trabalho grande, seu trabalho pequeno não será tão penoso e mais rapidamente terá o efeito pretendido pelo SENHOR Deus no aperfeiçoamento do seu caráter.

Histórias de grandeza são aquelas histórias da fidelidade, da humildade e da perseverança no bem.

A Vida Eterna começa com a pequena decisão de assumir responsabilidade agora pelo que realmente nos chama desde o interior da nossa alma. Fazer o que é o Certo mesmo sem provas ou garantias tem tudo a ver com o salto de fé que conquista para nós a Cura Divina.

O emprego dos sonhos fica cada vez mais próximo daquele que aceita hoje o emprego humilde na missão do outro de bom coração.

“Para uma casa imunda ficar limpa é preciso dar a primeira vassourada”.

Há esperança para todo aquele que começar.

Há ajuda só para quem se põe a trabalhar.

O começo humilde e a perseverança esperançosa na sua Missão Divina levam sempre a um fim grandioso e bom.

Obrigado, Marion Rosen, nós também vamos ficar de pé.

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.