A luz dos meus olhos

Boa noite a todos!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a luz dos nossos olhos.

Os olhos são um órgão maravilhoso, uma dádiva para o corpo. “As janelas da alma”, diz o ditado popular.

Nossos olhos nos abrem para o que existe do lado de fora, mas também, inversamente, iluminam o que está no mundo com as luzes que se acendem no nosso interior.

Os olhos são muito sensíveis e delicadamente contam uma história: a história da nossa presença na vida.

Há os oftalmologistas, mas também os iridologistas, pessoas que aprendem a discernir as marcas que fazem o contorno de beleza colorida ao redor do foco da nossa visão.

Você sabia que não podemos ver todas as coisas?

Por incrível que pareça, somos capazes de ver apenas as coisas por meio das quais fomos vistos, experimentados e reconhecidos com elas.

Por exemplo, temos esquimós que são capazes de reconhecer mais de 20 tons de branco diferentes, ou os chineses, capazes de ver significado naqueles caracteres tão rebuscados.

Você é capaz de ver aquilo com o que sua subjetividade se engajou mais tempo.

É por essa razão que a cura dos olhos é a cura do todo. Para você enxergar corretamente é preciso vencer no plano das emoções, memórias afetivas e discernimento de si, carências e potencialidades.

Como é rara e bela uma pessoa com olhos bons. Olhos que não param em preconceitos são poucos e valiosos.

Toda empresa que quer obter sucesso e vitória nas guerras, precisa ser guiada por olhos experientes e bem tratados. O jovem tropeça fácil porque enxerga tudo em um ponto só. Mas o grande líder evita o embaraço, porque enxerga a teia que desfaz o nó.

Eu sou míope e também tenho um pouco de astigmatismo… Isso quer dizer que quanto tento ver o que está longe, não consigo… E também que há algo nos meus olhos que me embaça a vista em todo o tempo.

Agora, a pergunta que realmente importa é: vêem os meus olhos a vida com justiça? Sou capaz de discernir as pessoas e interpretar as situações corretamente?

Espero amadurecer a visão para evitar as armadilhas do olhar infantil; espero amadurecer a visão para alcançar um coração sábio e bem disposto para o amor.

A luz dos meus olhos podem iluminar o caminho ou obscurecer a razão.

Às vezes percebemos que nossos olhos também precisam de terapia.

Uma boa semana para todos vocês!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Respirando a força

Bom dia a todos!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco mais sobre a respiração.

Existe, certamente, um sem número de fatores exteriores que garantem o nosso sucesso em um determinado empreendimento. Por exemplo, o suporte de outras pessoas, as condições de clima e pressão atmosférica, nosso preparo físico, a simpatia de nosso cliente, a dificuldade da tarefa proposta, entre outras coisas. Mas em tudo o que fazemos, somos primeiramente determinados pela qualidade de oxigenação que obtemos através da nossa respiração, pois é da oxigenação corporal que procede a nossa força.

Quando engajamos em uma determinada tarefa, naturalmente tendemos a modular nossa respiração para um padrão que é mais adequado para ela. Assim, é esperado que uma pessoa que comece uma atividade analítica, por exemplo, comece a respirar de uma determinada maneira característica que lhe dá o suporte de oxigênio adequado para ela. Por outro lado, temos que a pressão e a cobrança têm um efeito sobre as pessoas que lhes impedem esses ajustes respiratórios naturais, levando-as a uma hipo-oxigenação e a correspondente perda de força para a ação.

Os eventos estressores fazem parte da rotina de todos nós. Não importa em que campo de trabalho e convivência estejamos imersos, sempre há sobre nós um jugo que se avoluma e nos constrange à falta de ar.

Quero lhes dar um insight muito simples, porém eficaz. Quando você estiver em uma sala de reuniões, esperando por um encontro decisivo, por exemplo, em uma entrevista de emprego ou de feedback corporativo, sua respiração tenderá a ficar mais curta e superficial, pois o perigo é iminente. Mas se você respira mal em um momento assim, perde os reflexos e a força para reagir adequadamente àquilo que está por vir. Por esse motivo, o que você pode fazer no microcosmo das suas decisões volitivas é: preste atenção à sua respiração, apenas ao ponto de garantir que está esvaziando até o fim o volume de ar que está parado em seus pulmões.

Quem esvazia os pulmões adequadamente tem força e reflexos apurados para responder bem a qualquer situação que requeira presença de espírito e lucidez.

Tenho uma situação engraçada para contar. Aqui em nossa casa temos invasões de mosquinhas de banheiro nos períodos de inverno. Minha casa é um pouco fria e esse tipo de mosquinha adora esse ambiente para descansar, especialmente no frio. Por isso tive que aprender a matar as tais invasoras rapidamente e descobri uma coisa muito simples e preciosa para a vida: só é possível matar 100% das mosquinhas já no primeiro golpe direto quando estou presente de corpo e alma. Só alcanço essa presença quando esvazio bem todo o ar viciado dos meus pulmões.

Para matar mosquinhas ou fechar negócios, o segredo é confiar na providência e, enquanto isso, esvaziar bem os pulmões, garantindo uma troca de gases completa, que assegura o melhor desempenho físico e mental possível.

Preste atenção à sua respiração. Respire direito. Isso pode fazer toda a diferença em momentos de decisão.

Desejo a todos um excelente dia!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Saúde Mental

Boa tarde a todos!

Saúde Mental é um tema importante para a Psicologia Corporal.

Saúde Mental é a saúde da porção dinâmica e imaterial do homem.

É a saúde (1) das relações intra e interpessoais, sociais e com objetos, (2) das emoções, (3) da afetividade e sensibilidade à necessidade própria e dos outros, (4) da direção de conduta, (5) das palavras que saem da boca, (6) dos padrões respiratórios, (7) da presença do homem, etc.

O que acontece nesse plano influencia muito a Saúde Física e Corporal.

Certa vez ouvi de um Terapeuta Corporal que o corpo é como a areia e a mente como o vento. Para saber como sopra o vento, basta olhar para como se ajuntou a areia.

Todos produzimos células cancerígenas diariamente, mas somente em alguns corpos elas conseguem espaço para se multiplicarem e prosperarem; todos estamos expostos a muitos vírus e bactérias, mas apenas parte de nós está doente por causa deles.

O que abre ou fecha um corpo para determinada possibilidade de vida ou adoecimento é a complexa dinâmica da porção imaterial do homem.

Por essa razão é que Psicólogos Corporais precisam fazer perguntas sobre os impactos reais da atual disposição mental de seus pacientes sobre seu corpo e sua vida.

Os verdadeiros profissionais dessa área aprendem como oferecer terapia para a mente: a Psicoterapia Corporal ajuda os pacientes a ancorar o seu sentimento de identidade nas profundezas definitivas da sua integridade.

De uma maneira muito direta apontamos que essa ação terapêutica consiste em favorecer uma resposta iniciativa nos pacientes que os ponha a trabalhar pela construção da sua Saúde Mental, substituindo os padrões mentais que lhes geram problemas e as falsas identidades, por outros que lhes favoreçam na vida e expressem a consciência da sua identidade verdadeira.

Cada paciente precisa alcançar a sua própria Saúde Mental, precisa se realizar intimamente de uma maneira mais profunda, abrangente e harmônica. Porque ninguém poderá fazer isso em seu lugar.

A doença mental cansa muito, gasta e desgasta, e não resulta em bem algum no final. Tudo o que construímos com “meio self” um dia será derrubado pelas ventanias das provações da vida.

Toda a energia que uma pessoa investe com uma mente adoecida, apostando a sua vida em defesa de objetos emocionais, experiências ou sentimentos parciais/superficiais/insuficientes/nocivos, é um roubo e uma exposição desnecessária que vulnerabiliza toda a pessoa às doenças de ocasião e, em última análise, às ideações suicidas.

Até mesmo a predisposição genética à doença só será ativada por certa disposição mental (lembrando do conceito ampliado que formulei acima para Saúde Mental).

Bons Psicólogos Corporais são raros como jóias, mas existem.

Desejo a todos a Saúde Mental e, com ela, a Saúde Integral.

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Um bom coração

Boa tarde a todos!

Gostaria de lhes falar um pouco sobre o nosso coração do ponto de vista da Psicologia Corporal.

O coração é um órgão musculoso, vital e muitíssimo especial.

A Psicologia Corporal nos ensina que é do coração do homem que emanam a sua personalidade, sua presença singular, sua afetividade e poder pessoal.

Quando nos apresentamos dramaticamente, jamais apontamos o dedo na direção dos cotovelos, dos joelhos, da cabeça ou das mãos. O modo mais verossímil de se fazer isso é apontar direto para o centro do peito e dizer “eu sou [MEU NOME]”.

A força de um homem é a força de seu coração. E somente as coisas que afetam o nosso coração realmente importam para a construção da nossa subjetividade.

Quando algo alegra o coração, ele realmente alegra. Quando algo entristece o coração, ele realmente entristece.

A nossa capacidade de sensibilidade interpessoal depende primordialmente da capacidade do nosso coração de ser afetado pelo coração das outras pessoas e pelos eventos que também lhes afetam o coração.

Só quem é sensível aos movimentos do seu próprio coração é capaz de ser simpático, empático e solidário com o outro em sua dor.

“A dor que realmente dói” para todos são os sofrimentos crônicos e agudos dos nossos próprios corações.

Quando um homem se liga a uma mulher, isso, por exemplo, muda o seu coração. Se há separação de um casal, a dor é sentida com toda a força bem no meio do peito e o “coração está partido”. Também a imoralidade sexual no final é como um rasgo profundo ou um golpe de morte que machuca tudo a nosso respeito, mas especialmente golpeia em cheio a sensibilidade do nosso coração.

O coração manda a vida, o espírito do homem, o oxigênio ou a força que está no sopro do homem, para o restante do seu corpo.

O coração pode ser enganado por um instante, mas quem for sensível a ele encontrará um caminho para fora de todo o erro e para dentro de uma sabedoria mais abrangente, profunda, contingente e equilibrada.

Como funcionam as pessoas? Como é possível o acolhimento em uma sociedade hostil?

Às vezes uma dor no coração é o começo de uma nova etapa na jornada de uma pessoa até o discernimento da verdade a respeito das coisas, dos relacionamentos e dos seus próprios caminhos e escolhas de vida.

Quando uma pessoa precisa se posicionar na vida, ela usa o seu coração para fazer isso. Quando precisa lutar, construir ou amar, também.

As doenças cardíacas expressam a gravidade da urgência de se dar ouvidos ao clamor que emerge de si mesmo, sua subjetividade, e dos outros.

É necessário aprender a trilhar a vida por caminhos de paz, pois a violência do homem lhe recai como um fardo terrível sobre o seu próprio coração.

Ser forte no sentido mais profundo é discernir a verdade a respeito de si mesmo, apreciá-la com gratidão, humildade e reverência, e defendê-la em todo o tempo, mas sem lançar mão de violência e com uma boa perseverança e fidelidade, até tornar-se finalmente a única pessoa íntegra que cada um de nós pode realmente ser: nós mesmos em todo respeito, amor, justiça, alegria e paz.

“De cor”, “de coração”… É assim que se fazem as coisas belas e permanentes, os legados e as boas heranças que perduram sobre a face da terra.

Para se ter Saúde Integral é necessário o hábito de tocar bem o nosso próprio coração para ajudá-lo a ser sensível outra vez. Um “coração de pedra” é a última curva antes do adoecimento, do colapso e da morte prematura.

15min por dia de suas mãos pousadas suavemente sobre o seu próprio coração com boa atitude e presença de espírito podem fazer uma grande diferença por sua saúde física e mental.

Pense nisso!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.