Homenagem a Marion Rosen

Boa noite a todos!

Hoje temos aqui um vídeo com lições de Marion Rosen, Fisioterapeuta, Criadora do The Rosen Method Bodywork.

Não sou capaz de expressar em palavras o tamanho da minha admiração e reverência por essa mulher tão especial.

O trabalho que ela desenvolveu com o uso de Toques Terapêuticos é fenomenal e sua contribuição para o estudo dos efeitos do toque humano são incomparáveis para mim.

Sinto muitíssimo a perda da sua vida, ela faleceu em 2012. Mas espero com todas as minhas forças fazer viver e valer a sua contribuição para a humanidade através do meu próprio trabalho como Psicólogo Corporal.

Se você quer aprender sobre Psicologia Corporal, não pode deixar de conhecer o legado de Marion Rosen.

Esse vídeo é um tesouro!

Aproveitem!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Introdução à Healing Touch Therapy

Boa tarde a todos!

Gostaria de lhes apresentar hoje aqui um pouco da Healing Touch Therapy através de um vídeo da The University of Arizona, College of Nursing, com a Enfermeira Sue Kagel, RN, BSN, CHTP/I, HNC, Healing Touch Practitioner and Instructor.

O propósito da Healing Touch Therapy é trazer o campo energético do paciente ao equilíbrio. O entendimento do campo energético dessa modalidade de terapia se baseia na teoria dos 7 chácaras vitais (da qual não partilhamos no Projeto Terapêutico Toque Divino). Suas principais vantagens são: os pacientes não precisam tirar as roupas para receber o tratamento, ela pode ser administrada com o paciente sentado em uma cadeira ou deitado em uma maca e o toque das mãos é sempre um toque gentil e suave.

O processo terapêutico da Healing Touch Therapy envolve uma entrevista preliminar identificando necessidades físicas, emocionais e espirituais dos pacientes; uma avaliação do campo energético ao redor do corpo dos pacientes (os terapeutas usam pêndulos simples e a sensibilidade das mãos para fazer essa avaliação); uma sessão terapêutica individualizada; uma nova avaliação do campo energético ao redor do corpo dos pacientes; e uma entrevista pós-sessão com os pacientes.

Em cuidados de suporte, por causa de cânceres, a Enfermeira Sue sugere sessões semanais para manter o campo energético fluindo, diminuir os efeitos colaterais das medicações e melhorar a qualidade de vida.

Alguns benefícios dessa terapia foram registrados no estudo científico “Healing Touch for Breast Cancer Patients” por Kathy Turner, RNC, NP, CHTP, (Stanford Nurse, fall 2005): melhora da qualidade de vida dos pacientes, menores níveis de cansaço e maiores níveis de energia, níveis de dor diminuem, cura de cirurgias muito mais rápidas, menor confusão mental.

Há muitas pesquisas sendo feitas hoje sobre a Healing Touch Therapy, não apenas sobre seus efeitos para pacientes com câncer. Ela pode ser muito útil para pacientes que enfrentam doenças, para aqueles em tratamentos de saúde e mesmo para cuidadores, pois ela fornece muito cuidado, acolhimento e suporte para quem a recebe.

Vale à pena conferir esse vídeo!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Promovendo a Ciência

Boa tarde a todos!

Estivemos recentemente ouvindo sobre a Neuroquímica da Meditação com a Amanda Cristina Mosini, Bióloga e Mestranda em Neurologia e Neurociência pela UNIFESP na reunião semanal do ProSER – Programa de Saúde, Espiritualidade e Religiosidade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Sua aula foi excelente e os desdobramentos da sua reflexão, muito produtivos.

Quando falamos sobre a saúde e a doença podemos focar em alguma das inúmeras camadas que tecem os componentes da vida para analisá-la melhor e aprendermos com ela, mas sem uma percepção mais ampla de toda a interconectividade entre elas acabamos confundidos e mal conduzidos em termos da formulação de terapêuticas eficazes para a promoção da Saúde Integral.

Aprendemos na aula da Amanda, por exemplo, que o neurotransmissor Acetilcolina é sintetizado pela enzima colina-acetil transferase, recebido pelos neuroreceptores Nicotínicos e Muscarínicos, e produz contrações musculares relacionadas à ativação do Sistema Nervoso Autônomo Parassimpático, com a diminuição da frequência cardíaca, a bronco constrição e o aumento da motilidade visceral, além de favorecer os processos de aprendizagem cognitiva.

Por outro lado, o Glutamato é um neurotransmissor excitatório do Sistema Nervoso Central que atua no desenvolvimento neural, na plasticidade sináptica, no aprendizado e na memória, e que, quando permanece por tempo excessivo na fenda sináptica, gera a excitotoxidade responsável pela neurodegeneração característica de doenças como Alzheimer, Parkinson, Esclerose Lateral Amiotrófica, Doença de Huntington, etc. (Cf. VALLI, Laura Gomes; SOBRINHO, Jony de Andrade. Mecanismo de Ação do Glutamato no Sistema Nervoso Central e a Relação com Doenças Neurodegenerativas. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. 2014 Jan/Abr;18(1):58-67).

A Farmacologia é capaz de sintetizar neurotransmissores, mas também outros compostos que favorecem e inibem a produção e recepção deles pelo organismo. E isso representa uma ferramenta fenomenal para os profissionais da Medicina que podem assim interferir em processos neurodegenerativos, por exemplo, com recursos compensatórios e estabilizantes, favorecendo a saúde de seus pacientes e diminuindo a velocidade de agravamento de suas enfermidades.

Como Psicólogo Corporal, cheguei a um discernimento muito simples, porém verdadeiro: ninguém é bobo ou burro. Todas as pessoas têm “bons motivos” para terem tomado os caminhos que trilharam, ainda que não tenham plena consciência deles.

Um “bom motivo” é sempre um motivo emocional ou seja um acontecimento envolvendo alguém de grande importância para a pessoa e que inaugura uma escolha de vida para ela, uma trilha de desenvolvimento físico e psíquico, e que representa a melhor aposta da sua alma até o momento em defesa de si mesma através de uma hipótese sintética ou cosmovisão que lhe dá um lugar, um jeito de viver e uma identidade especial.

O “bom motivo” que uma pessoa carrega dentro de si pode ser como uma ponte de acesso para um lugar e identidade verdadeiros, cooperando para o florescimento da sua Saúde Integral, ou a outros falsos, baseados em supressões da interconectividade de toda a sua constituição psicofísica, uma quebra da sua integridade, que podem levar ao adoecimento, às ideações suicidas e até à morte.

A falha nos processos de neurotransmissão do Glutamato, por exemplo, que gera a excitotoxidade mencionada acima, deve também ser entendida como um fruto final, uma contingência ou um resultado natural de um longo processo de escolhas psicofísicas ancoradas em “bons motivos” assim.

Por isso que a cura das emoções, da mente ou do espírito é a única que efetivamente produz a chance de nascimento de um “novo corpo”, apesar de todo o dano e das marcas profundas que os anos vividos com o outro estado de mente inevitavelmente deixarão sobre ele.

A Neuroplasticidade começa sempre com um novo encontro significativo: o encontro com um “novo” alguém, que consegue vencer as minhas barreiras psicofísicas e me toca profundamente até alcançar a subjetividade, fazendo-me (re)conhecer um outro “eu” em mim mesmo de quem já quase me esqueci ou nunca conheci. Por isso que os Médicos e profissionais de Saúde Integral (Saúde, Saúde Mental e Fé) precisam ser aplicados em sua arte e verdadeiramente santos, como se fossem mesmo sacerdotes dedicados antes de tudo o mais.

Para todo o nível de cura é necessário um elemento de fé. Ou temos a fé do paciente que crê que seu Médico ou remédio podem lhe ajudar; ou temos a fé do Médico que aposta toda a sua vida no aperfeiçoamento daquela mesma Medicina que o socorreu oportunamente e o trouxe de volta à paz.

Eu acredito que os Toques Terapêuticos podem oferecer uma experiência psicofísica paralela que abre o espaço para a criação de uma alternativa mental para que os pacientes doentes de todos os níveis (físico, mental ou espiritual) possam encontrar melhores “bons motivos” para recomeçar na vida e encontrar um perfeito caminho de paz, um que verdadeiramente lhes faça saudáveis e felizes.

A Ciência é promovida todas as vezes em que trabalha em favor dos homens de fé.

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Saúde Mental

Boa tarde a todos!

Saúde Mental é um tema importante para a Psicologia Corporal.

Saúde Mental é a saúde da porção dinâmica e imaterial do homem.

É a saúde (1) das relações intra e interpessoais, sociais e com objetos, (2) das emoções, (3) da afetividade e sensibilidade à necessidade própria e dos outros, (4) da direção de conduta, (5) das palavras que saem da boca, (6) dos padrões respiratórios, (7) da presença do homem, etc.

O que acontece nesse plano influencia muito a Saúde Física e Corporal.

Certa vez ouvi de um Terapeuta Corporal que o corpo é como a areia e a mente como o vento. Para saber como sopra o vento, basta olhar para como se ajuntou a areia.

Todos produzimos células cancerígenas diariamente, mas somente em alguns corpos elas conseguem espaço para se multiplicarem e prosperarem; todos estamos expostos a muitos vírus e bactérias, mas apenas parte de nós está doente por causa deles.

O que abre ou fecha um corpo para determinada possibilidade de vida ou adoecimento é a complexa dinâmica da porção imaterial do homem.

Por essa razão é que Psicólogos Corporais precisam fazer perguntas sobre os impactos reais da atual disposição mental de seus pacientes sobre seu corpo e sua vida.

Os verdadeiros profissionais dessa área aprendem como oferecer terapia para a mente: a Psicoterapia Corporal ajuda os pacientes a ancorar o seu sentimento de identidade nas profundezas definitivas da sua integridade.

De uma maneira muito direta apontamos que essa ação terapêutica consiste em favorecer uma resposta iniciativa nos pacientes que os ponha a trabalhar pela construção da sua Saúde Mental, substituindo os padrões mentais que lhes geram problemas e as falsas identidades, por outros que lhes favoreçam na vida e expressem a consciência da sua identidade verdadeira.

Cada paciente precisa alcançar a sua própria Saúde Mental, precisa se realizar intimamente de uma maneira mais profunda, abrangente e harmônica. Porque ninguém poderá fazer isso em seu lugar.

A doença mental cansa muito, gasta e desgasta, e não resulta em bem algum no final. Tudo o que construímos com “meio self” um dia será derrubado pelas ventanias das provações da vida.

Toda a energia que uma pessoa investe com uma mente adoecida, apostando a sua vida em defesa de objetos emocionais, experiências ou sentimentos parciais/superficiais/insuficientes/nocivos, é um roubo e uma exposição desnecessária que vulnerabiliza toda a pessoa às doenças de ocasião e, em última análise, às ideações suicidas.

Até mesmo a predisposição genética à doença só será ativada por certa disposição mental (lembrando do conceito ampliado que formulei acima para Saúde Mental).

Bons Psicólogos Corporais são raros como jóias, mas existem.

Desejo a todos a Saúde Mental e, com ela, a Saúde Integral.

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Um bom coração

Boa tarde a todos!

Gostaria de lhes falar um pouco sobre o nosso coração do ponto de vista da Psicologia Corporal.

O coração é um órgão musculoso, vital e muitíssimo especial.

A Psicologia Corporal nos ensina que é do coração do homem que emanam a sua personalidade, sua presença singular, sua afetividade e poder pessoal.

Quando nos apresentamos dramaticamente, jamais apontamos o dedo na direção dos cotovelos, dos joelhos, da cabeça ou das mãos. O modo mais verossímil de se fazer isso é apontar direto para o centro do peito e dizer “eu sou [MEU NOME]”.

A força de um homem é a força de seu coração. E somente as coisas que afetam o nosso coração realmente importam para a construção da nossa subjetividade.

Quando algo alegra o coração, ele realmente alegra. Quando algo entristece o coração, ele realmente entristece.

A nossa capacidade de sensibilidade interpessoal depende primordialmente da capacidade do nosso coração de ser afetado pelo coração das outras pessoas e pelos eventos que também lhes afetam o coração.

Só quem é sensível aos movimentos do seu próprio coração é capaz de ser simpático, empático e solidário com o outro em sua dor.

“A dor que realmente dói” para todos são os sofrimentos crônicos e agudos dos nossos próprios corações.

Quando um homem se liga a uma mulher, isso, por exemplo, muda o seu coração. Se há separação de um casal, a dor é sentida com toda a força bem no meio do peito e o “coração está partido”. Também a imoralidade sexual no final é como um rasgo profundo ou um golpe de morte que machuca tudo a nosso respeito, mas especialmente golpeia em cheio a sensibilidade do nosso coração.

O coração manda a vida, o espírito do homem, o oxigênio ou a força que está no sopro do homem, para o restante do seu corpo.

O coração pode ser enganado por um instante, mas quem for sensível a ele encontrará um caminho para fora de todo o erro e para dentro de uma sabedoria mais abrangente, profunda, contingente e equilibrada.

Como funcionam as pessoas? Como é possível o acolhimento em uma sociedade hostil?

Às vezes uma dor no coração é o começo de uma nova etapa na jornada de uma pessoa até o discernimento da verdade a respeito das coisas, dos relacionamentos e dos seus próprios caminhos e escolhas de vida.

Quando uma pessoa precisa se posicionar na vida, ela usa o seu coração para fazer isso. Quando precisa lutar, construir ou amar, também.

As doenças cardíacas expressam a gravidade da urgência de se dar ouvidos ao clamor que emerge de si mesmo, sua subjetividade, e dos outros.

É necessário aprender a trilhar a vida por caminhos de paz, pois a violência do homem lhe recai como um fardo terrível sobre o seu próprio coração.

Ser forte no sentido mais profundo é discernir a verdade a respeito de si mesmo, apreciá-la com gratidão, humildade e reverência, e defendê-la em todo o tempo, mas sem lançar mão de violência e com uma boa perseverança e fidelidade, até tornar-se finalmente a única pessoa íntegra que cada um de nós pode realmente ser: nós mesmos em todo respeito, amor, justiça, alegria e paz.

“De cor”, “de coração”… É assim que se fazem as coisas belas e permanentes, os legados e as boas heranças que perduram sobre a face da terra.

Para se ter Saúde Integral é necessário o hábito de tocar bem o nosso próprio coração para ajudá-lo a ser sensível outra vez. Um “coração de pedra” é a última curva antes do adoecimento, do colapso e da morte prematura.

15min por dia de suas mãos pousadas suavemente sobre o seu próprio coração com boa atitude e presença de espírito podem fazer uma grande diferença por sua saúde física e mental.

Pense nisso!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

O tempo terapêutico

Bom dia a todos!

Hoje gostaria de lhes falar um pouco sobre o tempo terapêutico.

Quem se profissionaliza nos cuidados humanos percebe o quanto é decisivo o efeito do tempo em qualquer terapêutica eficaz.

O efeito medicinal de qualquer Tratamento Médico ou Psicológico, ou a transformação pessoal sob uma nova Direção Espiritual depende de algum tempo para acontecer.

E é na compreensão desse mistério que está a sabedoria dos maiores mestres profissionais de Saúde, Saúde Mental e Fé.

Como influenciar um sistema vivo e a sua subjetividade humana positivamente de modo a ensiná-los a cultivar hábitos corporais, emocionais ou mentais que lhes assegurem Saúde Integral?

Existem terapêuticas de choque, intervenções desesperadas, desenhadas para diminuir os danos em situações extremas. Cirurgias emergenciais, amputações, eletrochoques, antibióticos, expulsão de demônios…

Mas existem também as terapêuticas de cura, intervenções moderadas e paulatinas, desenhadas para ensinar e nutrir a sabedoria integral do paciente até que ele se torne capaz de tomar posse de uma cura maior, uma vitória real sobre suas enfermidades, um manejo suficiente dos danos psicológicos e físicos sofridos para uma adaptação satisfatória à vida e à sua singularidade que contorne suas penalidades passadas. Homeopatias, homotoxicologias, cirurgias planejadas, psicoterapias, aconselhamentos pastorais…

Para curar mesmo é necessário auxiliar o paciente a mudar voluntariamente. E quanta confiança, intervenções positivas, terapêuticas eficazes e tempo são necessários quando se quer alcançar um objetivo assim.

O tempo da cura é o tempo do amadurecimento do corpo, das emoções e da espiritualidade.

Até que tenhamos uma mente nova, o corpo continuará a repetir os mesmos padrões de funcionamento nocivos para si mesmo.

Até que tenhamos uma cura nas emoções, o espírito continuará adoecido, preso a compromissos nocivos, que estão ligados à fidelidade inconscientemente que temos para com as pessoas importantes que cometeram abusos contra nós.

Até que tenhamos um corpo vivo, nossa mente ainda estará manca, pois as faculdades espirituais derivam-se e dependem diretamente do bom funcionamento corporal.

Quando se toca no nó que sufoca a vida completa, a dor e o pesar pedem que se abra um espaço de tempo para que todos os âmbitos da história pessoal e vida atual do paciente sejam paulatinamente afetados por esse toque.

O descanso leva ao contato com o que está guardado no mais profundo. Depois disso é necessário saber esperar um pouco até que a cura que começou no íntimo secreto tenha o seu efeito até a superfície da vida do paciente.

“O tempo terapêutico garante a posse da vitória que vence os tropeços e descaminhos da nossa história”.

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

 

Introdução à Medicina Integrativa

Na edição do dia 26/03/2016 do programa Como será? da Rede Globo de Televisão, foi feita uma matéria introdutória sobre Medicina Integrativa que contou com a presença da Dra. Denise Tiemi Noguchi, Oncologista, e do Rabino Michel Schlejinger no Hospital Israelita Albert Einsten.

Apesar de o vídeo abordar principalmente a relação entre a Saúde e a Fé, a Medicina Integrativa vai além disso e abre as portas para a uma cooperação multiprofissional interdisciplinar mais abrangente entre profissionais das áreas de Saúde, Saúde Mental e Fé no âmbito da busca pela promoção da Saúde Integral.

Vale à pena conferir essa matéria.

Como será? Matéria sobre a Medicina Integrativa publicada em 26/03/2016.

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.