Inerrância bíblica

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que a cada novo dia estejam se dando conta do privilégio que é o tempo em que podem estar juntos, compartilhando a vida e tocando uns aos outros em amor!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre o conceito teológico chamado inerrância bíblica.

A organização da religião cristã foi acontecendo, uma vez que a cada dia se tornava mais relevante a nova religião centrada na pessoa de Jesus, o Cristo do SENHOR Deus.

Os apóstolos como fundamentos foram dando lugar aos escritos apostólicos e canônicos, pois com sua inevitável morte, seria necessário levantar fundamentos atemporais para a religião cristã.

Houve então concílios e reuniões com autoridades da igreja institucionalizada em que se elegeram quais livros/cartas seriam acrescentados ao cânon judaico, como Escrituras Sagradas, Palavra de Deus.

A partir dessa escolha, foram necessárias explicações e argumentos para justificar essa biblioteca especial. E nesse ponto chegamos à ideia fundamental da inspiração divina.

“Os livros da Bíblia foram inspirados pelo SENHOR Deus”, postularam. Por essa razão, concluíram, “a Bíblia não contém erros”, o conceito de inerrância.

Esse último salto, a meu ver, se dá mais por um tipo de reserva de mercado do que por uma sincera observação do material bíblico, pois a Bíblia contém erros. Por exemplo, em Apocalipse 7. 4-8, as 12 tribos de Israel são enumeradas equivocadamente, pois as tribos de Manassés e Benjamim são a tribo de José, seu pai, e a de Dã não é mencionada.

Mas teólogos, como o Dr. William Lane Craig, argumentam que a Bíblia contém erros, mas todos os seus ensinos são verdadeiros. Infelizmente, porém, isso também não é verdadeiro. Por exemplo, no livro Eclesiastes de Salomão, o autor ensina que a vida é vazio de vazios e que tudo o que o homem faz na terra é correr atrás do vento, o que somente é verdadeiro para pessoas praticando pecados, como o próprio Salomão, que no final da vida construía templos pagãos para suas “esposas”. Ou também a conclusão do livro de Jó, que desmerece toda a contribuição dos discursos dos amigos de Jó, sendo que elas, na verdade, são o único conteúdo divinamente inspirado, que justifica a presença desse livro na Bíblia.

Assim, chegamos à conclusão de que o conceito de inerrância bíblica quer induzir-nos, manipular-nos, inclinar-nos em uma direção, para darmos importância ao texto bíblico e aos seus intérpretes autorizados, por um motivo que na verdade não é verdadeiro.

Infelizmente, a Bíblia contém erros. Mas é muito importante!

O único jeito de se interpretar a Bíblia corretamente é se concentrando na sua própria experiência de arrependimento e fé, pois é o Espírito Santo que nos convence da verdade, da justiça e do juízo do SENHOR Deus.

Quem se move sinceramente na direção do SENHOR Deus, Pai Celestial, vai sendo santificado, quer dizer, a verdade divina vai ganhando espaço em seu coração e, desse modo, ele consegue discernir a verdade de Deus no meio dos textos sagrados e na vida, onde ele está.

O caminho que leva à salvação (socorro, livramento, cura, perdão, favor divinos, etc.) não é difícil de se encontrar, mas requer a coragem de julgar e decidir, conforme os santos mandamentos do SENHOR Deus.

A Bíblia Sagrada contém erros, mas o justo encontra nela a sua força e consolação.

A Bíblia Sagrada contém ensinos equivocados, mas o santo encontra nela a esperança de vida eterna.

Prefiro a Bíblia Sagrada do que qualquer outra coleção de livros, pois meditando sobre suas palavras eu ouço a voz do SENHOR Deus, o único Deus Verdadeiro.

Eu acredito em milagres!

Uma boa semana para todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

Salvação somente pela graça

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Desejo a todos a verdadeira transformação interior, que gera um novo homem e dá viva esperança, em Cristo, Jesus!

Hoje vamos falar sobre Teologia.

Talvez um dos artigos de fé mais debatidos e defendidos pela Reforma Protestante tenha sido a questão da defesa de que a salvação do homem é somente pela graça do SENHOR Deus.

O apóstolo Paulo disse aos efésios:

“Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isso não vem de vocês, é dom de Deus” (Efésios 2.8. NVI).

Em algum momento vamos ler a carta de Paulo aos efésios, dando ao texto o seu contexto, com todo o cuidado, como convém. Mas agora essa frase encabeça a proposição teológica de que a salvação do homem é alcançada somente por meio da graça, pela fé.

Quero sugerir que pensemos na graça como favor, mas um favor peculiar, porque gratuito. Graça é o favor que recebemos em relações em que somos amados e retribuímos a esse amor de todo o coração.

Por exemplo, pensem no favor abundante de um pai por seu filho que lhe é obediente, respeitoso, leal e amoroso. O carro, a casa, a roupa, etc., que ele lhe dá é semelhante à graça do SENHOR Deus, o Pai. O pai de um bom filho não faz contas quando o assunto é favorecê-lo e ajudá-lo a realizar os sonhos do seu coração.

Isso é graça.

E é somente nesse tipo de relacionamento com o SENHOR Deus que o homem recebe a sua salvação.

Salvação é resgate, socorro, cura, ressurreição… Salvação é intervenção divina em questões humanas, a misericórdia do Rei, a oração respondida, a predileção do Santo, o lado direito dos exércitos celestiais…

O SENHOR Deus tomar o seu partido, você pequeno e humilde, isso é algo que só é possível quando mediado pela graça, aquela relação de amor verdadeiro nas duas vias.

Algumas pessoas de coração corrompido transformam a graça do SENHOR Deus em libertinagem. O que elas fazem é dizer que o amor do Deus Altíssimo é incondicional e que sua graça não depende de nada do que fazemos e escolhemos.

Eles fazem entender que, por exemplo, uma pessoa que se entrega ao espírito de prostituição é alvo da graça do SENHOR Deus. Mas, ao fazerem isso, criam uma mentira a respeito das coisas espirituais, pois a verdade suprema é que ninguém entra no descanso ou gozo celestial sem um coração reciprocamente comprometido com o próprio Deus Eterno.

O apóstolo Paulo também disse:

“Preguei em primeiro lugar aos que estavam em Damasco, depois aos que estavam em Jerusalém e em toda Judéia, e também aos gentios, dizendo que se arrependessem e se voltassem para Deus, praticando obras que mostrassem o seu arrependimento” (Atos 26. 20. NVI).

Fé é isso ai: é arrependimento de alma, demonstrado através de uma nova conduta e novo investimento de tempo, trabalho e vida.

Apenas a graça, ou seja, a manifestação ou atos de intervenção do SENHOR Deus podem nos salvar das verdadeiras agruras que comprometem a nossa história. Mas esse tipo de favor gratuito ou espontâneo da parte de Deus somente recebe quem adora a ele de maneira aceitável, sincera, amorosa, autêntica, etc.

Não existe graça divina até que haja arrependimento humano, pois arrependimento é o único testamento, comprovação, da fé.

Eu quero ser socorrido pelo SENHOR Deus Todo-poderoso! Assim como os Israelitas foram no êxodo do Egito; Daniel, Ananias, Misael e Azarias na Babilônia; e tantos outros homens e mulheres que em primeira mão dão testemunho de que viram a mão do Majestoso Deus agir em seu favor.

O favor do SENHOR Deus é natural e espontâneo, e o seu agir põe fim a todo debate e angústia.

Você quer ser salvo da sua situação opressiva (dívidas, doenças, disputas, vergonhas, impotência, cheiro de morte, etc.)?

Concentre-se no seu arrependimento. Quando você estiver limpo diante do SENHOR Deus, então perceberá que ele o livrou de todos os seus temores e concedeu todos os desejos do seu coração.

O SENHOR Deus é bom e sua misericórdia dura para todo o sempre!

Não me deixe sozinho aqui batalhando por Jesus, o Cristo do SENHOR. Seja forte e corajoso comigo, e seremos como uma multidão de faróis acesos para a salvação de milhares dos da nossa geração!

Pela graça somos salvos, quando finalmente damos um voto de confiança ao SENHOR Deus, e isso não vem de nós, é dom de Deus.

O SENHOR Deus abençoe o seu novo ano!

Feliz 2019!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo, e o editor do blog Curados por Deus.

Escrito pelo dedo de Deus

Boa tarde a todos!

Você acredita em destino? Acredita que o seu nascimento teve um propósito especial a se realizar em um tempo futuro, na plenitude dos tempos?

Existem pessoas que são radicalmente crentes a respeito dessa ideia. Numerologia e Astrologia, por exemplo, são formas das pessoas buscarem de antemão um vislumbre dos caminhos futuros de sua própria história. Mas será que há mesmo um futuro pré-determinado e sumário, capaz de sintetizar e ao mesmo tempo realizar a grandeza divina de nós mesmos?

Eu não sei a resposta certa a essas questões.

Ansiamos por um Toque Divino em nossa história, temos esperança de que alguma coisa aconteça em nosso caminho para sabermos com certeza que não somos um erro, que não somos irrelevantes.

Mas para olhar para frente precisamos olhar para trás. Quem são nossos pais? Quem foram nossos avós? De que terra vieram os nossos antepassados? De que povo procedem as nossas raízes?

Você já descobriu que há plantas que só nascem no Sul do Brasil, enquanto outras apenas na região Norte? Há árvores que vingam no nosso pomar, mas outras não conseguem sobreviver ali. Já reparou nisso?

Somos como as plantas mas também como aquele “patinho”, da história infantil, que passa boa parte da sua jornada se sentindo “feio”, ansiando por um grupo para chamar de seu em que consiga descobrir a beleza de ser um cisne.

Os desencontros na nossa história são importantes à beça. Somente aprendemos a crer no nosso valor nos lugares onde ninguém mais aprecia aquele que somos. Quando somos favorecidos, temos alívio e paz. Mas quando somos perseguidos e afligidos, temos que aprender a ter fé e a alimentar a nossa esperança e o nosso valor.

Salário justo é bom. Mas repartir da sua pobreza com o necessitado é ainda melhor.

Às vezes andamos por caminhos incompreensíveis e enigmáticos. “O que estou fazendo aqui nesse lugar?!” Mas a resposta certa a isso é “estou fazendo a vontade de meu Pai, o SENHOR Deus”.

Existe algo muito precioso em aprender bem a fazer as pequenas tarefas. Trabalho miúdo é a especialidade da grandeza do SENHOR Deus. Lavar bem uma louça, saber varrer, lavar e passar… Preencher planilhas, encaminhar requerimentos… Pagar contas e sacar dinheiro… Caminhar, dirigir… Alimentar-se… Namorar…

Os dias pequenos jamais foram esquecidos pelo SENHOR Deus e compõe o ambiente de treino alá Karatê Kid que impulsiona nossa história para o próximo nível.

Eu sei que você foi chamado para algo muito maior e mais justo do que o que você está experimentando agora. Mas a sua vida não é um erro, nem foi esquecida eternamente pelo SENHOR Deus.

Desde o dia em que você abandonou o seu pecado e se obrigou pela fé a trilhar os caminhos da Justiça, seu levantar e adormecer são testemunhados por anjos incontáveis e pelo Soberano Rei.

Fortaleça o seu homem interior, acalente a sua mulher interiora. Saiba que o SENHOR Deus é Senhor e Soberano. Nenhum dos seus dias escapa do seu favor.

Tenha a fé para colocar as suas cartas na mesa e pedir diretamente e com fé o que você realmente deseja para a sua vida ao SENHOR Deus em nome de Jesus Cristo.

Depois desse momento com o SENHOR Deus, respire fundo e vá lavar a sua louça, responder ao seu requerimento, ajudar a sua esposa…

O SENHOR Deus ama você de um modo transparente, afetuoso, direto e perfeito, sem melindres nem perversidades nem pegadinhas.

Se você escrever as Leis do SENHOR Deus nas paredes da sua casa e dentro do seu coração, então pode contar com esse amor caloroso e poderoso.

O SENHOR Deus fará se realizar os sonhos mais profundos do seu coração se você permanecer no seu amor, quer dizer, mantiver a boa atitude enquanto guarda a sua Lei.

Seja a sua vocação simples ou complexa, tangível ou intangível, o SENHOR Deus é o único campeão em fazer as pessoas felizes eternamente.

Eu acredito em milagres! Eu acredito em novos dias, escritos pelo dedo do SENHOR Deus!

O SENHOR Deus abençoe você e a sua família!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Entre o Antigo e o Novo Testamento

Bom dia a todos!

Gostaria de lhes oferecer uma chave hermenêutica para a compreensão da relação entre o Antigo e o Novo Testamento bíblico.

Muitas pessoas se sentem confusas ao estudar a Bíblia, porque parece haver uma discrepância entre seus livros, especialmente entre o chamado Antigo Testamento (AT) ou Bíblia Hebraica e o Novo Testamento (NT) e, mais especificamente, as cartas do Paulo, apóstolo.

Temos dois obstáculos nessa leitura. Em primeiro lugar a língua, pois o AT foi escrito em Hebraico e Aramaico, mas o NT escrito em Grego. Em segundo lugar, algumas das palavras chaves usadas no AT são repetidas no NT mas com um sentido diferente.

A palavra mais importante do AT é “Lei”. Todo o AT se concentra de forma especial ao redor dos elogios ou recomendações daquilo que se chama de “a Lei do SENHOR Deus”, seus preceitos e ordenanças. Aquilo que é apresentado no AT representa a vontade do SENHOR Deus e as consequências superlativas de acatá-la e destrutivas de desobedecê-la.

Existem Salmos maravilhosos, como o Salmo 119, dedicado exclusivamente ao elogio da Lei do SENHOR Deus, por exemplo.

Todavia, no NT, e, mais especificamente, nas cartas do apóstolo Paulo aos Romanos, aos Gálatas, etc., temos o uso de expressões em Grego que também se traduzem como “lei”, mas que não recebem o elogio e a ênfase positiva como aquelas outras no AT. Pelo contrário, quase todos os usos da expressão “lei” parecem acompanhadas de uma certeza firme e definitiva de que “a lei não é capaz de salvar”.

Mas estão o AT e o NT falando sobre a mesma coisa?

Acredito que não.

Quando o AT fala sobre a “Lei do SENHOR”, ele está se referindo aos mandamentos do SENHOR Deus, “não matarás”, “não adulterarás”, “não darás falso testemunho contra o seu próximo”, “não terás outros deuses além de mim”, etc. O que é na verdade o Espírito da Santidade do SENHOR Deus, poderoso não somente para salvar mas até mesmo ressuscitar!

Por outro lado, quando o NT fala sobre a “lei”, ele parece estar se referindo ao conjunto de tradições que se associaram à religião judaica que, adotadas por homens hipócritas, tinham a função de substituir a obediência direta à Lei do SENHOR Deus, e oferecer “redenção” sem arrependimento e fé.

Por exemplo, essa falsa tradição judaica, ou tradição judaica meramente exterior, tinha a capacidade de oferecer caminhos “religiosos” ou “justificáveis” para que os homens não precisassem mais honrar pai e mãe, pudessem oprimir seu próximo e praticar pecados (cf. Mc 7.1-24).

Por isso que acredito que a melhor chave hermenêutica para a correta compreensão do AT e NT é que a expressão “Lei do SENHOR” no AT equivale à expressão “Espírito Santo” no NT, e a expressão “lei” no NT equivale à expressão “falsa tradição judaica” ou “tradição judaica meramente exterior, ritualística ou costumeira”.

A Lei do SENHOR Deus, os 10 Mandamentos e todos os preceitos morais do AT são o Espírito Santo do SENHOR Deus. Como você reconhece o Espírito Santo do SENHOR? É o hálito daquele que está praticando e guardando as Leis do SENHOR Deus Todo-poderoso.

O Espírito Santo não é uma pessoa, é um espírito de santidade. Não coexiste nenhuma cobiça com o Espírito do SENHOR Deus, por exemplo. Assim um homem cobiçoso não tem o Espírito Santo do SENHOR Deus.

Quando você estiver lendo o AT e ouvir elogios à Lei do SENHOR, substitua os termos “Lei”, “Preceitos” e “Ordenanças”, por Espírito Santo ou Espírito de Santidade do SENHOR Deus. Por outro lado, quando você estiver lendo o NT e ouvir menções ao Espírito Santo, leia no profundo dessas menções uma alusão àquele que guarda a Lei do SENHOR Deus.

Infelizmente Paulo, o apóstolo, usou a palavra que se traduz para nós por “lei”, criando uma confusão aparente para a compreensão dos artigos de fé. Contudo na introdução ao livro Romanos ele deixa claro que o propósito da graça e do apostolado é “chamar dentre todas as nações um povo para a obediência que vem pela fé” (Rm 1.5. NVI).

“Obediência a que, apóstolo Paulo?” Obediência à Lei do SENHOR Deus Todo-poderoso! Quando você realmente confia no SENHOR Deus você faz o que é o Certo segundo a sua Santa Lei.

Por isso quando você ler a palavra “lei” nas cartas de Paulo, o apóstolo, assegure-se de que ele provavelmente está se referindo à “falsa tradição judaica” usada pelos hipócritas para mascarar sua incredulidade e perversidade (cf. Lu 11.37-54). A verdadeira tradição judaica procede do mesmo arrependimento e fé, confiança no SENHOR Deus e coragem verdadeira, do patriarca Abraão. Não são os costumes que fazem o verdadeiro judeu, mas o caráter e a fé aprovados pelo SENHOR Deus e seu Cristo.

O SENHOR Deus é o mesmo ontem, hoje e para sempre. Sua Palavra permanecerá até o fim!

A Lei do SENHOR Deus é boa, perfeita e agradável! Ela é o Espírito Santo ou o Espírito de Santidade do SENHOR Deus.

Louvado seja o SENHOR, o Único que é Deus e cujo Espírito Santo é capaz de salvar, libertar, curar e ressuscitar!

Em nome de Jesus Cristo, amém.

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.