Maranata: ora vem, Senhor Jesus!

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que estejam bem, encontrando forças sobrenaturais e dependendo delas!

Hoje temos aqui mais um belíssimo vídeo na seção de adoração cristã, bandas. Quem canta e ministra esse louvor extraordinário é o trio Joyce Carnassale, Marcel Freire e Riane Junqueira, cantores, e banda em um ato espetacular na Avenida Paulista, no coração de São Paulo, SP, Brasil.

Poucos momentos conseguem transmitir ao meu coração com tanta força a beleza do meu chamado divino a amar e cuidar da minha cidade, estado e nação!

Eu amo o meu povo, a minha terra, a minha língua e o meu Senhor, Jesus de Nazaré, o Cristo do SENHOR Deus!

Sejam abençoados, vocês, meus irmãos brasileiros e, por meio do seu amor e submissão ao Rei Eterno, abençoem todas as demais nações da face da terra!

Hoje é dia de celebrarmos: o Brasil é do SENHOR Deus!

Com poder, Todo-poderoso Deus, tira os postes de idolatria da nossa terra! Sejam fechadas para sempre as casas de prostituição dessa nação! Aqui no Brasil seremos chamados de Povo do Deus Altíssimo e honraremos o seu santo nome, Deus dos Exércitos!

Eu sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor! Na presença do Deus Vivo há um lugar para nós, minha amada geração!

Apenas tenham fé junto de mim, meus irmãos! Arrependam-se dos seus pecados, sejam batizados (morram com Cristo e renasçam com ele) e amem ao SENHOR Deus de todo o seu coração, forças e entendimento!

Nós podemos ser LINDOS na presença do nosso Pai Celestial!

Apreciem o louvor e entreguem-se ao SENHOR Deus e ao seu Cristo, Jesus!

Amo vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, ex-baterista.

PS: estou saindo de férias. Se Deus quiser, retorno no começo de setembro.

O nome de Deus é misericórdia

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que estejam vivos por meio de Cristo, renascidos pelo sopro do SENHOR Deus.

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a natureza do SENHOR Deus.

Nesse mês que passou, junho/julho de 2019, tivemos nosso carro furtado na porta de casa. Onde moramos não temos garagem no prédio, de modo que nosso carro costumava ficar estacionado ali. O furto trouxe grande transtorno a todos nós, mas um telefonema prometia uma solução imediata: uma funcionária do seguro do carro disse que tínhamos direito ao usufruto de um carro reserva.

Aceitamos o “presente” e no dia seguinte já estávamos com o veículo novo. Três dias adiante, porém, tivemos esse segundo carro furtado também no mesmo lugar.

No dia anterior ao segundo furto eu tinha resolvido com minha esposa: “Cibele, amanhã nós vamos devolver esse carro reserva, pois não podemos garantir a segurança desse carro também”. Mas na manhã do dia seguinte, ele já havia sido levado. Que agonia!

O nosso carro, na verdade, carro da empresa do meu pai, será reembolsado pelo seguro, mas o furto do carro da locadora implicou o pagamento de uma franquia de R$2.000,00. Que desgraça!

Quando, contudo, fui falar na locadora que a polícia havia localizado o carro deles próximo ao endereço do furto, no mesmo dia em que o evento ocorreu, fui acolhido de uma maneira especial naquele lugar. O homem, funcionário da locadora, vendo a minha angústia, ofereceu-me um copo de água de tal maneira que então eu chorei. Disse para aquele homem que não tinha o dinheiro para pagar por aquela franquia e ele respondeu que intercederia em meu favor para que pagasse apenas pelos danos ao carro e prometeu me ligar para uma vistoria conjunta, quando o carro chegasse.

A verdade é que ele não me abateu nenhum centavo nem nunca me ligou para aquilo. Mas essa situação toda me fez redescobrir uma verdade fundamental: o nome do SENHOR Deus é misericórdia.

Se você quer saber onde habita o Deus Eterno, o Todo-poderoso, ele pode ser encontrado ali onde começa a misericórdia no coração humano.

Misericórdia é quando você faz algo em favor do outro porque ele é um outro ser humano. Perdoar dívidas, prestar serviços excelentes, oferecer descontos significativos e suficientes, compartilhar do seu pão como se o outro também fosse parte da sua própria família… Misericórdia é o nome do Deus de Abraão, Isaque e Jacó; misericórdia é o nome do Deus de Israel; misericórdia é o nome do Deus de Jesus de Nazaré, o Cristo.

O único espírito que acerta nos domínios espirituais é a misericórdia que opera através do amor. Aquilo que a misericórdia não consegue alcançar e converter para o SENHOR Deus, será então destruído em fogo eterno. Mas tão grande salvação é promovida na face da terra por seu intermédio!

Já lhe falei que o dinheiro que você ganha lhe é dado gratuitamente? Por mais que você trabalhe, possua contratos com firma reconhecida e legalizados pelas leis da nação, disponha de poder de polícia a seu favor, você só recebe cada centavo porque gratuitamente o SENHOR Deus Eterno assim lhe provê.

Por essa razão que todo o orgulho é ilegítimo.

Mas o homem fiel teme o seu Pai Celestial. Quando ele está diante de outro ser humano, ele teme e treme, pois está diante de feitura de Deus, dignificada e prestigiada pelo amor e zelo do Deus Criador.

Misericórdia, misericórdia, misericórdia… O SENHOR Deus está ali onde você é e faz por genuína misericórdia.

De graça recebemos, de graça também entregamos. Não se deixe enganar, tudo no mundo acontece por meio de misericórdia que é abençoada pelo Deus Pai.

Toda arrogância é esmigalhada em pouco tempo. O ímpio só dura um breve instante e o homem cruel não mais existirá.

Não deixe que a violência dos homens se apegue ao seu próprio espírito. É melhor perder agora e por um breve instante, do que ser contado entre os violentos dessa geração.

Deixe-se encher pelo Espírito Santo: escolha a misericórdia no trato de si mesmo e dos outros, de todos os outros.

Eu acredito em milagres!

Tenha uma excelente semana!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

Túmulos disfarçados

Bom dia a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que reconhecendo cada dia mais que a índole de Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, é o poder que criou e cria todas as coisas!

Hoje vamos ler a Bíblia mais uma vez e pedimos que o Espírito Santo nos dê a Palavra do SENHOR Deus.

“[Então o Senhor Jesus disse ao fariseu que o convidou para comer com ele:] ai de vocês [fariseus], porque são como túmulos que não são vistos, por sobre os quais os homens andam sem o saber!” (Lucas 11. 44. NVI).

As pessoas que estavam sendo acusadas por Jesus, os fariseus, eram os donos do judaísmo de então.

Eles citavam as Escrituras quando falavam e teciam um longo pano de regras, usos e costumes, que deviam ser observados por todo o povo. Mas aqui Jesus está chamando eles de túmulos não vistos, túmulos que não eram reconhecidos com tal, por sobre os quais os homens estavam caminhando sem o saber.

Túmulos que parecem apenas vias, mortuários decorados, disfarçados como pontes de acesso.

A índole do fariseu é a morte, um jeito de agir e lidar que adoecem até as últimas consequências.

É preciso deixar claro que o fariseu não é aquele que ama e guarda a Lei do SENHOR Deus, mas aquele que criava a Lei do Judaísmo da época, que a cada dia se tornava mais distante do Deus Vivo.

A índole de Jesus, o Cristo, era a encarnação do Espírito Santo, que é o fôlego do homem quando obedece à Lei do SENHOR Deus, mas a índole dos fariseus era a rejeição desse Espírito em nome das suas tradições, que lhes rendia honorários, prestígio, autoridade e poder.

O fariseu falava da religião, mas não era nem se deixava ser tocado por ela.

A falta de autenticidade e pureza de coração fazia daqueles homens um depósito de coisas mortas, um ímã para a perdição, mas estavam sempre vestidos com as roupas de gala e honra.

Os corações sinceros eram desencaminhados pela malícia subjacente aos conselhos desses homens hipócritas, mas aos revoltosos eles pareciam deuses inabaláveis.

Os fariseus não tinham nenhuma iniciativa de fé, mas se alimentavam da fé dos outros, enquanto lhes saqueavam os rendimentos e empurravam para a perversidade, a origem do falso testemunho.

Você não pode diminuir o tamanho do estrago imaterial que suas rodas de doutrinação inseria na sociedade judaica. Mas eles pareciam que jamais seriam pegos, que jamais seriam descobertos em suas maquinações envenenadas.

Não existe compaixão divina por esse tipo de escolha de vida. A advertência é radical, pois a sua condenação é certa.

Posso lhe dizer uma coisa, meu irmão? Nada do que está oculto permanecerá assim para sempre. No tempo do juízo do SENHOR Deus, o hipócrita será exposto e julgado por todos os puros, pois foram advertidos de que a maldade não será bem vinda no Reino do SENHOR Deus.

Por um instante estamos à mercê do poder dos fariseus, sendo por eles perseguidos e confundidos. Mas a índole do Cristo do SENHOR Deus prevalece sempre, de modo que todos seremos vistos e pesados em balanças celestiais, todo-justas, todo-verdadeiras.

Afaste-se do fermento dos fariseus, meu filho, pois a hipocrisia e a presunção são as únicas escolhas que podem arrancar do seu corpo o coração.

Arrependa-se dos seus pecados no dia de hoje; deixe as sombras do medo e caminhe de volta para a luz de Jesus, o Cristo!

Eu sei que você pode me ouvir. Eu sei que você pode se ouvir.

Se você escolher hoje comigo aqui perder a glória e os benefícios dos domínios de Satanás, então, eu lhe prometo, você receberá de volta a sua alma, o seu sono e a indizível alegria de ser feito filho do SENHOR Deus.

Perder para ganhar… Ganhar para viver eternamente.

Eu acredito em milagres!

“Seja feita a sua santa vontade, SENHOR Deus! Em nome de Jesus, o Cristo, amém”.

Boa semana!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, teólogo amador.

Quando se está solteiro

Boa noite a todos!

Como passaram esta última semana? Vocês estão bem? Suas famílias estão bem?

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a solteirice ou o tempo quando se está solteiro.

Não fui muito feliz quando me tornei um jovem solteiro, entre os meus 20 e 30 anos. Como foi dolorido para mim a falta do cônjuge!

Fiz muita coisa errada nesse tempo e acabei mal, quase perdendo a vida por causa do pecado.

Não tive a graça de ter bons conselheiros na época, que pudessem me falar sobre esse tempo com sabedoria e relevância.

Hoje, às cinzas do Carnaval da nação Brasileira, porém, é dia de falar sobre se estar solteiro.

A partir do final da adolescência, quando se alcança os 18 anos de idade, passamos todos a sermos impulsionados por uma força divina, que cria em nós a necessidade de procurar pelo “meu par”.

Essa força nos empurra na direção das festas e dos encontros de multidão, pois acha que precisamos ver muita gente até conseguirmos discernir o outro que é para sempre o nosso lugar.

Em parte somos ajudados por esse impulso, mas em partes somos tentados por ele, pois nem toda a festa e ajuntamento de fato glorifica ao SENHOR Deus.

A música não é neutra, jamais. E quando um homem se põe a cantar, os elogios que ele faz são verdadeiramente atos de adoração. Por essa razão, se você quer realmente se “dar bem”, deve procurar as festas e ajuntamentos cujo Deus é o SENHOR!

Por outro lado, se você quer viver e preservar o seu juízo, deve se abster de toda forma de estimulação sexual, porque a masturbação cria o espírito imundo que conduz o homem a toda forma de adultério, fornicação e imoralidade. Quem não se masturba é salvo do espírito do demônio que arruína o coração.

Álcool e drogas não enturmam ninguém, mas apenas golpeiam a sua mente para que você se torne capaz de fazer coisas das quais se arrependerá mais tarde.

No SENHOR não há experiências ou testes de parceiros, mas, como uma flecha certeira, uma única pessoa, que traz em suas asas uma cura maior do que você pode imaginar. O cônjuge da parte do SENHOR é como um beijo de amor direto na alma, aquecendo o coração.

Não se estrague! Não seja tolo como eu fui!

Honre os seus pais e a casa dos sogros que você ainda não conheceu!

Preserve-se puro! Guarde o seu corpo para a santidade, fazendo da castidade um culto vivo ao SENHOR!

Não coma na mesa dos demônios! Nenhuma festa é neutra e se ela não exalta ao SENHOR e ao seu Cristo abertamente, também não o ajudará a encontrar o seu parceiro na fé!

Afaste-se das más companhias!

Vamos orar ao SENHOR não somente pela chegada do seu cônjuge, mas também pela coragem e fidelidade que você precisa possuir enquanto ainda está sozinho e carente.

O caminho mais direto e veloz para a felicidade conjugal é o arrependimento de pecados e a aposta total da fé no SENHOR Deus, o Todo-poderoso!

Hoje mesmo vi um vídeo de um astrônomo expert mostrando imagens do Universo feitas com lentes gigantescas e poderosas, que sugerem que as galáxias que existem estão todas alinhadas de tal maneira que a totalidade do cosmos se parece com uma grande borboleta com três pares de asas… Não sei se essa imagem é verdadeira, mas sei que há desígnio e design divino em tudo e para tudo o que há!

Volte atrás em qualquer decisão de praticar pecados, abandone toda a forma de maldade e malícia.

Trabalhe com a força que o SENHOR, o seu Deus, lhe dá na construção de um mundo melhor! E fale com o Altíssimo a respeito do seu cônjuge, como se já estivesse na presença dele(a).

Assim como o sol certamente nascerá enquanto existirem terra e céu, também o seu par e você se encontrarão no tempo perfeito para a consumação da sua união eterna.

Guarde os seus olhos e coração de toda a forma de prostituição! Desvie de toda a sensualidade e sedução, que fazem cair! Santifique-se para Deus, pois isso lhe renderá uma herança que jamais irá perecer!

Sabia que eu e a minha esposa oramos por você?

Você não está só!

Que o SENHOR Deus abençoe a todos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.

Entrevista com Marion Rosen, 1991.

Aqui temos um vídeo gravando uma entrevista de Paula Kimbro, Rosen Method Practitioner com Marion Rosen, Fisioterapeuta, Criadora do Rosen Method Bodywork, gravada em Abril de 1991, quando ela tinha 77 anos.

Aqui ela fala um pouco sobre o que é o Rosen Method Bodywork.

Ela diz que ele é um caminho para entrar em contato com o inconsciente de alguém através do contato com a sua musculatura.

Quando trabalhamos com esse método, a musculatura do paciente relaxa, e isso permite que a pessoa se abra em um nível mais profundo, alcançando até o conteúdo do inconsciente.

No inconsciente ficam as memórias de eventos e experiências traumáticas, uma parte da nossa vida com a qual não tivemos condições de lidar no momento em que aconteceram. Por isso, para sobreviver involuntariamente colocamos essas memórias no inconsciente, um lugar onde não temos acesso nem podemos recordar.

Marion Rosen descobriu, contudo, que o corpo permite que recordemos o conteúdo guardado no inconsciente, mas apenas na medida em que já temos condições agora para lidar com esse conteúdo.

O corpo não derrama as memórias na consciência de uma maneira caótica, mas nos permite acesso a ele por pequenas janelas através das quais começamos a elaborar o que ficou guardado sem solução no passado e, assim, nos dá uma chance de experimentar no presente que ainda precisa de cura e compreensão.

Marion Rosen disse que nunca viu uma pessoa não conseguir lidar com o conteúdo emergente do seu próprio inconsciente através da ação do Rosen Method Bodywork. E também frisou que esse trabalho é indicado para pessoas que estão saudáveis, mas que não conseguem funcionar bem ou alcançar sua real plenitude.

A chave para a incapacidade de desenvolver nosso verdadeiro potencial é falta de integração das nossas experiências traumáticas, aquelas que não foram corretamente elaboradas e estão guardadas no inconsciente.

“As barreiras que impedem a nossa realização devem ser achadas no inconsciente” (Marion Rosen).

Entrando em contato com essas barreiras e permitindo que elas apareçam outra vez à nossa consciência, finalmente descobrimos com o que realmente estamos lidando e ganhamos a chance de discernir o que podemos fazer a respeito disso.

Conhecendo o que está nos segurando presos, ganhamos um novo nível de escolha e a liberdade para fazer alguma coisa para mudar nossa situação.

Marion Rosen descobriu que o Rosen Method Bodywork é um jeito extremamente eficaz de não apenas alcançar o que está guardado no inconsciente, mas também de mudar nossas vidas e deixar que a nossa transformação pessoal possa acontecer.

Aqui ela frisa que essa não é uma transformação para algo diferente do que somos, mas uma transformação que é justamente o tornarmo-nos as pessoas que realmente somos, aquela que é capaz de funcionar em toda a sua plenitude. E isso é a parte que mais a animava com o seu trabalho.

Sobre a pergunta sobre o que é tão único a respeito do Rosen Method Bodywork, Marion Rosen responde que é a sua abordagem peculiar: ele não quer fazer nada com o paciente, mas dar a ele o espaço seguro para que algo novo e significativo aconteça dentro dele. É assim que ele vai fundo e alcança até o seu coração.

Fazer algo, ela explica, é como contrair um músculo, por isso, para tirar algo de dentro de alguém você não pode fazer algo sobre ele. A abertura tem que vir de dentro para que possa trazer algo de significativo das profundezas do inconsciente.

“Quanto mais uma pessoa relaxa, mais profundamente ela pode se dar a você e a si mesma” (Marion Rosen).

A atividade é parte daquilo que fecha o corpo e a mente, por isso suas perguntas e ações eram sempre não invasivas, permitindo o espaço para uma abertura psicofísica real. E quando conseguia isso, sem ter que pensar muito sobre algo em específico, os pacientes simplesmente acabavam deixando as respostas saírem de dentro de si mesmos.

O modo como esse método faz isso é fazendo mais perguntas do tipo “o que aconteceu?” ao invés de afirmações diretivas ou perguntas intelectuais. Pois quanto mais não diretivo você é, maiores as chances de o que realmente está guardado vir à tona.

Aqui Marion Rosen nos conta sobre no que ela prestava a atenção enquanto toca uma pessoa, por exemplo, dizendo que primeiramente ela reparava nos músculos que estão em tensão e nunca relaxam.

Um corpo normal se tensiona e relaxa alternadamente, mas em corpos adoecidos o corpo tensiona e nunca relaxa. O músculo tensionado tem uma aparência característica e notar isso é importante para esse trabalho.

Depois ela reparava na respiração do paciente.

Onde ela tocava no corpo e a pessoa respirava livremente? Onde ela tocava no corpo e a respiração se constrangia? Isso mostra as partes do corpo que a pessoa teve que “tirar da sua vida” por motivos inconscientes.

Depois disso, ela se concentrava na pessoa como um todo.

Todas as partes do corpo da pessoa deveriam ser proporcionais, mas geralmente elas se tornam assimétricas por causa do que aconteceu durante o seu crescimento. E isso dá a dica sobre que partes do corpo essa pessoa teve que usar bastante e quais foram pouco usadas ou abandonadas em seu jeito de viver.

Por fim, ela disse que prestava atenção também na cor do rosto e na idade que o rosto aparentava ter enquanto ela o tocava.

Acontece que o rosto das pessoas parecem se transfigurar à medida em que esse trabalho avança, passando à aparência da idade que os pacientes tinham quando algo de importante aconteceu em suas vidas.

Ela diz que quando acertava a idade em que esse algo aconteceu, os pacientes pareciam se lembrar desses eventos com clareza. E então os sentimentos correspondentes ao evento emergiam. Eles parecem ser mais importantes discernir do que os próprios eventos traumáticos, pois é o como a pessoa realmente se sentiu e como respondeu verdadeiramente àqueles eventos que mais importam para a sua cura emocional.

A partir daí ela se perguntava sobre o que seus pacientes agora poderiam fazer com suas vidas a partir do conhecimento da verdade.

O poder curativo de todo esse trabalho é que o ato de violência que aconteceu no passado já não acontece de novo aqui nesse ambiente terapêutico e, então, os pacientes podem se livrar de todo o medo e sair do passado de volta para o aqui e agora.

Marion Rosen disse que o motivo pelo qual ainda estava tão ativa naquela época da gravação do vídeo era a sua alegria incrível de ver as pessoas realmente voltarem à vida depois de terem posto as suas vidas de lado por tanto tempo e então se tornando capazes de deixar a sua dor para trás e também aquela velha vida de mera sobrevivência.

Ela disse que o que sabia naquele momento, mas não há 10 anos atrás era que o trabalho que eles realizavam era realmente bom e verdadeiramente útil para muitas pessoas.

“Muitas pessoas mudaram em suas vidas depois desse trabalho” (Marion Rosen).

Alguns dos mistérios que ela não entendia completamente eram: como que as pessoas que entram em contato com sua dor emocional se livram da sua dor física? O que faz com que as pessoas relaxem quando tocamos elas? E até que ponto os terapeutas devem sugerir algo aos seus pacientes, como soluções ou novas ideias e entendimentos?

O que lhe parecia inacabado sobre o seu trabalho era principalmente que ele poderia ser melhor aplicado no contexto médico e hospitalar.

“[O Toque Terapêutico] é um elo perdido no cuidado das pessoas” (Marion Rosen).

Em 50 anos depois daquela gravação, sua mensagem para os estudantes de então seria:

“Esse trabalho poderia ser de grande benefício para muitas pessoas.

O importante não é o seu sucesso profissional imediato, mas o fato de que esse trabalho é um serviço aos outros.

Sua recompensa nele será tremenda” (Marion Rosen).

Sem dúvidas, o modo gentil de tocar e trabalhar com a cura emocional, o Rosen Method Bodywork de Marion Rosen são referências preciosíssimas e inabaláveis para a Psicologia Corporal realizada no Projeto Terapêutico Toque Divino.

Muito obrigado, Marion Rosen!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.