Tocando a si mesmo

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Desejo a todos a saúde mental que procede do entendimento das coisas, resoluções, escolhas e hábitos saudáveis!

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre tocar a si mesmo.

Existe uma nuvem de mistério sobre o trato de nós mesmos. Como devemos proceder quando o assunto é nós mesmos, nossos desejos e temores, nosso corpo e pensamentos?

Minha jornada como psicólogo corporal me faz crer que uma pessoa precisa aprender a se tratar com gentileza, amabilidade, respeito e cuidado, enquanto gradativamente se ensina e disciplina a avançar por caminhos que resultem em realizações, harmonia, saúde e paz.

Há nos sonhos do coração sementes de valor eterno, contudo a imaturidade e a capacidade para os excessos e desvios precisam ser superadas conscientemente.

Para tocar-se bem, uma pessoa precisa aprender a ser bom como se fosse seu próprio pai. Isso quer dizer que precisa se encorajar constantemente, ao mesmo tempo que repreender e desencorajar todo o comportamento nocivo, ainda que seja apenas um hábito mental.

O bom toque que uma pessoa concede a si mesma tem muito a ver com a consolação e o suporte afetivo, que desejamos aos outros quando passam por grandes aflições. A diferença é que quando existimos como um objeto de amor para nós mesmos, podemos estar ao nosso lado 100% do tempo.

O toque bom que podemos nos oferecer também tem muito a ver com nos tornarmos uma boa testemunha dos eventos significativos e ordinários das nossas vidas. Quando você garante a si mesmo que também viu e ouviu nos acontecimentos do seu dia-a-dia, isso vai produzindo inteligência e sabedoria, discernimento e aprendizagem, que no final resultam em um espírito sereno e soberano sobre o aspecto emocional da personalidade.

O toque bom que recebemos de nós mesmos nos impulsiona na direção do aprofundamento e conhecimento da nossa própria espiritualidade. O herói da nossa jornada somos nós mesmos na luz do deus que escolhemos servir. Pessoas que se tocam bem avançam muito na descoberta da relação espiritual que singulariza e une cada ser humano ao redor uns dos outros.

Minhas melhores chances de recomeçar e soerguer do negrume de um evento traumático é me tratando bem, com todo o respeito, paciência e boa consideração.

Nem sempre temos as mãos de outros para nos abençoar e fortalecer. Mas em todo o tempo podemos nos dispor a não nos abandonarmos às vicissitudes e dias maus da vida.

O toque bom psicologicamente é aquele que é delicado ou firme, mas sempre puro e sem malícia. Erotismo e sensualidade para consigo mesmo fazem mal e prejudicam muito, impedindo a construção de uma vida que realmente resulte em saúde mental e paz.

Eu sei que você está correndo e lutando, dia após dia, evento após evento. Mas quero lhe ensinar um princípio de vida eterna: inclua-se na sua agenda de ocupações. Ouça o que vem da sua alma, veja o que precisa do seu julgamento. Diga palavras de bondade e suporte para si mesmo. Acredite na beleza da plenitude da sua realização como pessoa. Trate-se com critério, você não precisa de alguém do lado de fora dizendo que seu trabalho pode melhorar, que seu vício está lhe prejudicando, que sua responsabilidade é necessária nesse contexto, etc. Você pode estar presente e ser melhor agora.

Busque o amor dos outros quando estiver bem assegurado do seu próprio amor.

O equilíbrio dá os seus sinais na vida dos verdadeiros valentes.

Você pode ser bom!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Therapeutic touch

Boa tarde a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Que graça e paz os alcancem em todos os aspectos!

Hoje temos aqui um curto, porém excelente, vídeo da University of Arizona College of Nursing com a enfermeira Jacqueline Kern, PhD, RN, Clinical Associate Professor e Therapeutic Touch Practitioner, introduzindo seu trabalho com toques terapêuticos, mais uma modalidade não invasiva de tratamento que utiliza-se da energia das mãos do terapeuta para promover a saúde do paciente.

Seu trabalho aqui é uma modalidade de imposição de mãos ou toque-sem-toque, muito séria e eficiente.

Aproveitem o excelente material!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, psicólogo corporal, CRP 06/89471, e o fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Rosen Method Bodywork: Body Awareness and Trauma

Aqui temos um texto (em Inglês) da Cinnamon Cranston, Vice Presidente do Rosen Method Institute Canada, Rosen Method Bodywork Practitioner e Professora, sobre consciência corporal e o trauma.

Além de falar algo sobre o que é consciência corporal e qual a mecânica do trauma, a reação adaptativa do corpo e do sistema nervoso central ao estresse traumático, ela fala também um pouco de sua própria experiência pessoal de cura emocional e mudança de vida com o Rosen Method Bodywork dando seu testemunho sobre os benefícios terapêuticos desse trabalho com o toque terapêutico na sua recuperação dos traumas causados pela criação da sua mãe alcoólatra.

Vale à pena conferir mais uma boa referência para o Projeto Terapêutico Toque Divino.

Rosen Method Bodywork: Body Awareness and Trauma.

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

Entrevista com Marion Rosen, 1991.

Aqui temos um vídeo gravando uma entrevista de Paula Kimbro, Rosen Method Practitioner com Marion Rosen, Fisioterapeuta, Criadora do Rosen Method Bodywork, gravada em Abril de 1991, quando ela tinha 77 anos.

Aqui ela fala um pouco sobre o que é o Rosen Method Bodywork.

Ela diz que ele é um caminho para entrar em contato com o inconsciente de alguém através do contato com a sua musculatura.

Quando trabalhamos com esse método, a musculatura do paciente relaxa, e isso permite que a pessoa se abra em um nível mais profundo, alcançando até o conteúdo do inconsciente.

No inconsciente ficam as memórias de eventos e experiências traumáticas, uma parte da nossa vida com a qual não tivemos condições de lidar no momento em que aconteceram. Por isso, para sobreviver involuntariamente colocamos essas memórias no inconsciente, um lugar onde não temos acesso nem podemos recordar.

Marion Rosen descobriu, contudo, que o corpo permite que recordemos o conteúdo guardado no inconsciente, mas apenas na medida em que já temos condições agora para lidar com esse conteúdo.

O corpo não derrama as memórias na consciência de uma maneira caótica, mas nos permite acesso a ele por pequenas janelas através das quais começamos a elaborar o que ficou guardado sem solução no passado e, assim, nos dá uma chance de experimentar no presente que ainda precisa de cura e compreensão.

Marion Rosen disse que nunca viu uma pessoa não conseguir lidar com o conteúdo emergente do seu próprio inconsciente através da ação do Rosen Method Bodywork. E também frisou que esse trabalho é indicado para pessoas que estão saudáveis, mas que não conseguem funcionar bem ou alcançar sua real plenitude.

A chave para a incapacidade de desenvolver nosso verdadeiro potencial é falta de integração das nossas experiências traumáticas, aquelas que não foram corretamente elaboradas e estão guardadas no inconsciente.

“As barreiras que impedem a nossa realização devem ser achadas no inconsciente” (Marion Rosen).

Entrando em contato com essas barreiras e permitindo que elas apareçam outra vez à nossa consciência, finalmente descobrimos com o que realmente estamos lidando e ganhamos a chance de discernir o que podemos fazer a respeito disso.

Conhecendo o que está nos segurando presos, ganhamos um novo nível de escolha e a liberdade para fazer alguma coisa para mudar nossa situação.

Marion Rosen descobriu que o Rosen Method Bodywork é um jeito extremamente eficaz de não apenas alcançar o que está guardado no inconsciente, mas também de mudar nossas vidas e deixar que a nossa transformação pessoal possa acontecer.

Aqui ela frisa que essa não é uma transformação para algo diferente do que somos, mas uma transformação que é justamente o tornarmo-nos as pessoas que realmente somos, aquela que é capaz de funcionar em toda a sua plenitude. E isso é a parte que mais a animava com o seu trabalho.

Sobre a pergunta sobre o que é tão único a respeito do Rosen Method Bodywork, Marion Rosen responde que é a sua abordagem peculiar: ele não quer fazer nada com o paciente, mas dar a ele o espaço seguro para que algo novo e significativo aconteça dentro dele. É assim que ele vai fundo e alcança até o seu coração.

Fazer algo, ela explica, é como contrair um músculo, por isso, para tirar algo de dentro de alguém você não pode fazer algo sobre ele. A abertura tem que vir de dentro para que possa trazer algo de significativo das profundezas do inconsciente.

“Quanto mais uma pessoa relaxa, mais profundamente ela pode se dar a você e a si mesma” (Marion Rosen).

A atividade é parte daquilo que fecha o corpo e a mente, por isso suas perguntas e ações eram sempre não invasivas, permitindo o espaço para uma abertura psicofísica real. E quando conseguia isso, sem ter que pensar muito sobre algo em específico, os pacientes simplesmente acabavam deixando as respostas saírem de dentro de si mesmos.

O modo como esse método faz isso é fazendo mais perguntas do tipo “o que aconteceu?” ao invés de afirmações diretivas ou perguntas intelectuais. Pois quanto mais não diretivo você é, maiores as chances de o que realmente está guardado vir à tona.

Aqui Marion Rosen nos conta sobre no que ela prestava a atenção enquanto toca uma pessoa, por exemplo, dizendo que primeiramente ela reparava nos músculos que estão em tensão e nunca relaxam.

Um corpo normal se tensiona e relaxa alternadamente, mas em corpos adoecidos o corpo tensiona e nunca relaxa. O músculo tensionado tem uma aparência característica e notar isso é importante para esse trabalho.

Depois ela reparava na respiração do paciente.

Onde ela tocava no corpo e a pessoa respirava livremente? Onde ela tocava no corpo e a respiração se constrangia? Isso mostra as partes do corpo que a pessoa teve que “tirar da sua vida” por motivos inconscientes.

Depois disso, ela se concentrava na pessoa como um todo.

Todas as partes do corpo da pessoa deveriam ser proporcionais, mas geralmente elas se tornam assimétricas por causa do que aconteceu durante o seu crescimento. E isso dá a dica sobre que partes do corpo essa pessoa teve que usar bastante e quais foram pouco usadas ou abandonadas em seu jeito de viver.

Por fim, ela disse que prestava atenção também na cor do rosto e na idade que o rosto aparentava ter enquanto ela o tocava.

Acontece que o rosto das pessoas parecem se transfigurar à medida em que esse trabalho avança, passando à aparência da idade que os pacientes tinham quando algo de importante aconteceu em suas vidas.

Ela diz que quando acertava a idade em que esse algo aconteceu, os pacientes pareciam se lembrar desses eventos com clareza. E então os sentimentos correspondentes ao evento emergiam. Eles parecem ser mais importantes discernir do que os próprios eventos traumáticos, pois é o como a pessoa realmente se sentiu e como respondeu verdadeiramente àqueles eventos que mais importam para a sua cura emocional.

A partir daí ela se perguntava sobre o que seus pacientes agora poderiam fazer com suas vidas a partir do conhecimento da verdade.

O poder curativo de todo esse trabalho é que o ato de violência que aconteceu no passado já não acontece de novo aqui nesse ambiente terapêutico e, então, os pacientes podem se livrar de todo o medo e sair do passado de volta para o aqui e agora.

Marion Rosen disse que o motivo pelo qual ainda estava tão ativa naquela época da gravação do vídeo era a sua alegria incrível de ver as pessoas realmente voltarem à vida depois de terem posto as suas vidas de lado por tanto tempo e então se tornando capazes de deixar a sua dor para trás e também aquela velha vida de mera sobrevivência.

Ela disse que o que sabia naquele momento, mas não há 10 anos atrás era que o trabalho que eles realizavam era realmente bom e verdadeiramente útil para muitas pessoas.

“Muitas pessoas mudaram em suas vidas depois desse trabalho” (Marion Rosen).

Alguns dos mistérios que ela não entendia completamente eram: como que as pessoas que entram em contato com sua dor emocional se livram da sua dor física? O que faz com que as pessoas relaxem quando tocamos elas? E até que ponto os terapeutas devem sugerir algo aos seus pacientes, como soluções ou novas ideias e entendimentos?

O que lhe parecia inacabado sobre o seu trabalho era principalmente que ele poderia ser melhor aplicado no contexto médico e hospitalar.

“[O Toque Terapêutico] é um elo perdido no cuidado das pessoas” (Marion Rosen).

Em 50 anos depois daquela gravação, sua mensagem para os estudantes de então seria:

“Esse trabalho poderia ser de grande benefício para muitas pessoas.

O importante não é o seu sucesso profissional imediato, mas o fato de que esse trabalho é um serviço aos outros.

Sua recompensa nele será tremenda” (Marion Rosen).

Sem dúvidas, o modo gentil de tocar e trabalhar com a cura emocional, o Rosen Method Bodywork de Marion Rosen são referências preciosíssimas e inabaláveis para a Psicologia Corporal realizada no Projeto Terapêutico Toque Divino.

Muito obrigado, Marion Rosen!

Atenciosamente,

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.

“Conectando-se com sua experiência interior”, vídeo com Bill Samsel.

Bom dia a todos!

Nesse vídeo (em Inglês e sem legendas) Bill Samsel, Diretor de Ensino no Rosen Method Institute Canadá, compartilha algo sobre o trabalho corporal chamado Rosen Method Bodywork, que produz tratamento para as emoções e uma correspondente reorganização psicofísica, favorecendo uma nova postura e qualidade de presença nas relações interpessoais.

Quem tem interesse em Psicologia Corporal deve conhecer esse trabalho maravilhoso.

Dr. Rafael Caldeira de Faria, Psicólogo Corporal, CRP 06/89471, e o Fundador do Projeto Terapêutico Toque Divino.