Desmistificando a revelação de Deus

Boa noite a todos!

Como vão vocês e suas famílias? Espero que tomando consciência mais e mais das fontes da vida e dos atos do Criador.

Gostaria de lhes falar hoje aqui um pouco sobre a revelação do SENHOR Deus.

Os teólogos se debatem em torno da questão do conhecimento de Deus, um conhecimento que pode ser natural ou revelado, argumentam.

Sinto um incômodo profundo com uma das proposições que diz que “Deus opta por se fazer conhecido”, deixando sua marca na história ou falando ao homem de forma direta por meio dos seus profetas.

Não acredito que esse nível de deliberação seja possível, pois entendo e creio que absolutamente o SENHOR Deus é aquele que É.

Explicando um pouco, o SENHOR Deus não “opta” por se fazer conhecido, nem se revela com exclusividade, pois em todos os povos, em todas as gentes, o SENHOR Deus e sua Lei (Espírito Santo) são o fundamento de toda a vida e o baluarte de toda a sanidade.

A voz do SENHOR Deus é ouvida em todas línguas e entendida por gentes de todas as nações, porque não há como ocultar o Universo do conhecimento da glória do Todo-verdadeiro.

Ao longo da vida somos sustentados por essa mão invisível que nos socorre e nos preserva como jóias preciosas e filhos amados, uma mão que promove encontros perfeitos e nos oferece um caminho de existência corretivo, justo e bom.

Mesmo na dor e sofrimento sabemos no íntimo que os caminhos da bondade e fidelidade são os únicos que prosperam eternamente, dando-nos continuidade e razão.

O SENHOR Deus é o caminho, a verdade e a vida, e todo aquele que se torna um cristo por meio da fé, torna-se também um foco, um ancoradouro e um aspersor da vida divina, da poderosa graça de Deus.

Moisés era homem como você e eu, e, no entanto, traduziu em suas próprias palavras a índole do SENHOR Deus, que lhe acolheu.

Cada um de nós é único e especial (você é muuuuuito especial!).

Sua jornada será repleta de escapes e livramentos, confirmações e esperanças. Nenhum homem atravessa a vida sem testemunhar a bondade e a misericórdia do SENHOR Deus, o Autor.

Seu protagonismo emana da divindade que está aí dentro, falando sinceramente sobre o que você deve fazer agora, como pessoa de integridade e fé.

Eu sei que é difícil quando lemos nas Escrituras algo que não compreendemos completamente ou que contraria nosso entendimento fundamental. Mas a verdade é que as Escrituras são uma coleção de testemunhos humanos, perspectivas e confissões. Nela temos revelação tanto quanto a nossa experiência revela a onipresença do SENHOR Deus Pai.

Jesus disse que “isso é assim para que vocês saibam que o filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados” (Marcos 2. 10). Isso quer dizer que você e eu podemos alcançar a paz com o SENHOR Deus a ponto de respeitando a sua índole promovermos a reconciliação de outros com tudo aquilo que crê.

Você sem os ídolos, longe da mentira e do engano, é um santo filho do SENHOR Deus. Sem pecado você traz um novo vocabulário para transmitir ao mundo a sua revelação do Santo de Deus.

Jesus é um primogênito por essência, mas você é um revelador da glória do SENHOR Deus porque passará também pelo mesmo caminho de fé e paixão.

Olhe para a longa corrida. Dê passos de distância para recontar a sua história.

Se a dor e a enfermidade ainda não lhe trouxeram ao juízo perfeito, em breve a hora da morte lhe trará ainda mais radicalmente à necessidade de reconhecer que há somente um Deus e que seu nome sempre foi “Eu Amo Você”.

Que o SENHOR Deus lhe abençoe profundamente, porque você já sabe da graça de Deus!

Eu acredito em milagres!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, homem de dores.

A existência de Deus

Boa tarde a todos!

Como estão? Como vai a sua família?

Que a graça e a paz de nosso Senhor Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, sejam com todos vocês!

Gostaria de compartilhar com vocês hoje um texto apologético, uma defesa da fé, um argumento em favor da existência de Deus.

O texto diz assim:

“No ventre de uma mãe havia dois bebês.

Um perguntou ao outro: ‘Você acredita em vida após o parto?’

O outro respondeu: ‘É claro! Tem que haver algo após o parto. Talvez nós estejamos aqui para nos preparar para o que virá mais tarde’.

‘Bobagem’, disse o primeiro. ‘Que tipo de vida seria esta?’

O segundo disse: ‘Eu não sei, mas haverá mais luz do que aqui. Talvez nós poderemos andar com as nossas próprias pernas e comer com nossas bocas. Talvez teremos outros sentidos que não podemos entender agora’.

O primeiro retrucou: ‘Isto é um absurdo! O cordão umbilical nos fornece nutrição e tudo o mais de que precisamos. O cordão umbilical é muito curto. A vida após o parto está fora de cogitação!’

O segundo insistiu: ‘Bem, eu acho que há alguma coisa e talvez seja diferente do que é aqui. Talvez a gente não vá mais precisar deste tubo físico’.

O primeiro contestou: ‘Bobagem! E além disso, se há realmente vida após o parto, então por que ninguém jamais voltou de lá?’

‘Bem, eu não sei’, disse o segundo, ‘mas certamente vamos encontrar a Mamãe e ela vai cuidar de nós’.

O primeiro respondeu: ‘Mamãe, você realmente acredita em Mamãe?! Isso é ridículo! Se a Mamãe existe, então onde ela está agora?’

O segundo disse: ‘Ela está ao nosso redor. Estamos cercados por ela. Nós somos dela. É nela que vivemos. Sem ela este mundo não seria e não poderia existir’.

Disse o primeiro: ‘Bem, eu não posso vê-la, então é lógico que ela não existe’.

Ao que o segundo respondeu: ‘Às vezes, quando você está em silêncio, se você se concentrar e realmente ouvir, você poderá perceber a presença dela e ouvir sua voz amorosa'”. (Autor húngaro desconhecido).

A existência do SENHOR Deus é assim como a existência da mamãe para seus filhos no ventre materno.

A justiça eterna, quer dizer, o fato de que toda impiedade recebe castigo e toda correção, recompensa, argumenta em favor da existência do SENHOR Deus.

O amor divino, quer dizer, o fato de que só nos sentimos completamente contemplados no momento em que nos arrependemos de todo o pecado e nos submetemos verdadeiramente à santidade/Lei do SENHOR Deus, argumenta em favor da existência do SENHOR Deus.

E a ressurreição dos mortos, quer dizer, o fato de que a morte não é capaz de reter os justos filhos do SENHOR Deus, argumenta em favor da existência do SENHOR Deus.

Jesus, o Cristo do SENHOR Deus, é Senhor! Aos seus pés serão entregues toda a honra, glória e louvor!

Sim, o SENHOR Deus existe e recompensa todos aqueles que o buscam!

Amamos vocês!

Atenciosamente,

Rafael Caldeira de Faria, Teólogo, e o Editor do blog Curados por Deus.